PUBLICIDADE
Mundo
Mundo

Colômbia concede refúgio a opositor venezuelano

21:20 | 11/10/2018
Exilado na Colômbia desde fevereiro, Julio Borges é acusado por Caracas de ser o autor intelectual de um suposto atentado contra Nicolás Maduro. Refúgio é concedido depois de morte de opositor na Venezuela.Três dias após a morte de um político da oposição na Venezuela, o governo da Colômbia concedeu ao deputado venezuelano Julio Borges refúgio no país, anunciaram fontes oficiais nesta quinta-feira (11/10).

"A Comissão Nacional para a Determinação da Condição de Refugiado avaliou o pedido apresentado pelo cidadão venezuelano Julio Borges e considerou que os receios de perseguição alegados pelo solicitante são fundados", disso o Ministério do Exterior em nota.

A decisão foi tomada depois de o presidente colombiano, Iván Duque, rejeitar o pedido de extradição de Borges apresentado pelo governo venezuelano. Caracas acusa o opositor de ser o autor intelectual de um suposto atentando contra o presidente Nicolás Maduro.

Em 4 de agosto, duas explosões, que as autoridades de Caracas dizem ter sido provocadas por dois drones, obrigaram Maduro a abandonar rapidamente uma cerimônia de celebração do 81º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana. Sete militares ficaram feridos.

A cerimônia, realizada na Avenida Bolívar de Caracas, era transmitida ao vivo pelas rádios e emissoras de televisão venezuelanas e, no momento em que Maduro discursava, ouviu-se uma das explosões.

Críticos do regime questionam a versão do governo e apontam que o regime já usou outros incidentes para reprimir opositores e manter seu controle do país, que passa por uma grave crise econômica e política.

Dias após o ataque, o Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela ordenou a captura de Borges e do deputado Juan Requesens. Os dois foram acusados de tentativa de homicídio doloso contra Maduro.

Borges está exilado na Colômbia desde fevereiro, quando as negociações entre Caracas e a oposição na República Dominicana, que visavam uma solução para a crise no país, fracassaram.

Nesta segunda-feira, um vereador da oposição ligado a Borges morreu na sede do serviço secreto da Venezuela, em Caracas, após ser detido acusado de ter participado do suposto atentado. O governo alegou que Fernando Albán se suicidou, mas a versão é contestada por familiares da vítima e críticos do regime.

CN/efe/dpa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter



DW Brasil