Participamos do

Conflito na Ilha de Cobra: militares ucranianos mandaram russos "se foder" antes de serem mortos

Os ucranianos disseram: "Go fuck yourself" em resposta à tropa russa que tentava tomar a Ilha de Cobra, no Mar Negro
17:03 | Fev. 25, 2022
Autor Maria Eduarda Pessoa
Foto do autor
Maria Eduarda Pessoa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Soldados ucranianos localizados na Ilha de Cobra, no Mar Negro, resistiram a uma ordem de rendição para entregar a Ilha e disseram a um oficial a bordo da marinha inimiga "vão se foder" antes de serem bombardeados. De acordo com o governo ucraniano, os 13 combatentes morreram no local.

Os ucranianos disseram: “Go fuck yourself” em resposta à tropa russa que tentava tomar a ilha ucraniana localizada a 300 km da Crimeia, região anexada pela Rússia em 2014.

A Ilha da Cobra é uma das poucas ilhas ucranianas e é estrategicamente importante, especialmente devido aos recursos minerais no mar. Com apenas 0,17 quilômetro quadrado de extensão e uma população de menos de 100 habitantes, a ilha foi objeto de disputa territorial entre Ucrânia e Romênia no início dos anos 2000.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em vídeo divulgado pela imprensa europeia, é possível ver um suposto navio de guerra da Rússia se aproxima do local, dando a mensagem de ordem: "Este é um navio de guerra militar. Este é um navio de guerra militar russo. Sugiro que você deponha suas armas e se renda para evitar derramamento de sangue e baixas desnecessárias. Caso contrário, você será bombardeado."

Em pronunciamento após o primeiro dia da invasão russa, o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky anunciou que irá condecorar os combatentes com a ordem de heróis da Ucrânia. "Todos os oficiais da fronteira morreram heroicamente, mas não desistiram", disse.

O áudio do diálogo do oficial da marinha russa com os ucranianos foi publicado por diversos veículos de mídia, como The Guardian, CNN e pelo portal de notícias ucraniano Ukrayinska Pravda.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags