PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Asteroide quase 6 vezes maior que Cristo Redentor passará próximo à Terra neste sábado

Catalogado de 2008 GO20, o asteroide passará a mais de 4 milhões de quilômetros da Terra, dez vezes a distância até a Lua. Segundo a Nasa, não há risco de colisão

17:37 | 21/07/2021
Planeta Terra visto do espaço (Foto: Reprodução/Pexels)
Planeta Terra visto do espaço (Foto: Reprodução/Pexels)

No próximo sábado, 24, está previsto, de acordo com informações do portal Uol, que um enorme asteroide passará próximo ao planeta Terra. Embora perto em termos astronômicos, a Nasa já descartou qualquer possibilidade de impacto. A rocha espacial de pelo menos 220 metros, equivalente à altura de quase seis estruturas do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, é conhecida pelos astrônomos há 13 anos, fazendo com que seu nome seja 2008 GO20.

Devido sua órbita e características, o asteroide foi incluído na lista de Objetos Próximos à Terra (Near-Earth Objects, originalmente em inglês), da Nasa. No entanto, alguns meses de estudos foram suficientes para comprovar que ele é inofensivo à humanidade. A aproximação é considerada próxima levando em conta o tamanho do universo, mas, ainda assim, é bem afastada e segura.

LEIA MAIS | Turismo espacial: bilionário Richard Branson viaja para espaço em seu próprio veículo

Bilionários lançam a era do turismo no espaço

Dessa forma, por volta das 18h30min de sábado, 24, o 2008 GO20 fará sua passagem a cerca de 0,03 unidades astronômicas (AU, que representa a distância entre a Terra e o Sol). Isso significa mais de quatro milhões de quilômetros ou, ainda, mais de dez vezes a distância até a Lua.

A rocha espacial está viajando a cerca de 8,2 km/s (29.500 km/h). A possibilidade de impacto de um asteroide desse tamanho e com essa velocidade não implicaria uma catástrofe global ou extinção da humanidade, mas deixaria um rastro de destruição de milhares de quilômetros quadrados.

Além disso, asteroides, cometas e outras rochas espaciais passam perto da Terra constantemente, mas apenas alguns oferecem riscos reais de colisão. Cerca de dois mil objetos são monitorados pela agência espacial norte-americana, onde novas descobertas e estudos são feitos mensalmente.