PUBLICIDADE
Mundo
Noticia

Escalada da violência em Mianmar por aumento de grupos de 'autodefesa', diz informe

Cerca de 230.000 pessoas foram deslocadas pelos combates e pela insegurança, informou a ONU na semana passada

22:28 | 27/06/2021
Esta foto tirada e recebida como cortesia de uma fonte anônima via Facebook em 26 de junho de 2021 mostra manifestantes marchando com faixas e sinalizadores enquanto participam de uma manifestação contra o golpe militar em Yangon, Mianmar (Foto: FACEBOOK / AFP)
Esta foto tirada e recebida como cortesia de uma fonte anônima via Facebook em 26 de junho de 2021 mostra manifestantes marchando com faixas e sinalizadores enquanto participam de uma manifestação contra o golpe militar em Yangon, Mianmar (Foto: FACEBOOK / AFP)

Mianmar vive uma escalada da violência com um aumento das forças de "autodefesa" que tentam enfrentar os militares e a junta do governo, segundo um informe divulgado na noite de domingo, 27,  que adverte para um custo humano "enorme" se o regime intensificar a repressão.

O país asiático está mergulhado na turbulência política desde o golpe de Estado de fevereiro que depôs o governo de Aung San Suu Kyi, com mais de 880 mortos na repressão aos opositores, segundo organizações locais.

Em algumas áreas, moradores locais formaram "forças de defesa" para enfrentar a junta, muitas vezes usando fuzis de caça feitos em fábricas improvisadas na selva.

Em resposta, os militares usaram helicópteros e artilharia inclusive contra grupos no estado de Chin (noroeste) e na fronteira leste com a Tailândia.

"Confrontados a uma insurreição armada, o Tatmadaw (forças armadas birmanesas) poderia desatar seu poderio militar contra civis", advertiu o International Crisis Group (ICG), uma ONG com sede em Bruxelas.

"O custo humano será enorme, especialmente para mulheres, crianças e idosos, que enfrentam maiores dificuldades pela violência e pelo deslocamento", acrescentou.

Os confrontos ocorreram em regiões onde anteriormente não havia conflitos, forçando as agências humanitárias a uma corrida para instalar novas operações e linhas de abastecimento, disse o ICG.

Cerca de 230.000 pessoas foram deslocadas pelos combates e pela insegurança, informou a ONU na semana passada.

Os grupos de autodefesa agravam a volatilidade no empobrecido país do sudeste asiático, onde mais de 20 grupos rebeldes étnicos estão em conflito com o Estado desde antes do golpe.

Com o colapso econômico, as novas milícias "buscam fontes de renda para além das doações comunitárias que as têm sustentado", advertiu o ICG.

A ONG acrescentou que é pouco provável que o "governo de unidade nacional" à sombra, formado por ex-integrantes do governo de Suu Kyi, possa controlá-los.

Os confrontos entre milícias civis e os militares têm ocorrido geralmente em áreas rurais.

Mas na semana passada, pelo menos seis pessoas morreram em um confronto a tiros entre as forças de segurança e um grupo de autodefesa em Mandalay, a segunda cidade do país.