PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Mais de cem sarcófagos são descobertos no Egito, um verdadeiro 'tesouro'

Os caixões de madeira lacrados pertenciam a altos funcionários da Baixa Idade (entre 700 e 300 anos a.C.) e do período ptolomaico (323 a 30 a.C.)

21:56 | 14/11/2020
Arqueólogos radiografam uma múmia, envolta em uma mortalha adornada com imagens hieroglíficas de cores vivas, durante a revelação de um tesouro antigo de mais de 100 sarcófagos intactos, na necrópole de Saqqara 30 kms ao sul da capital egípcia Cairo (Foto: AHMED HASAN /AFP)
Arqueólogos radiografam uma múmia, envolta em uma mortalha adornada com imagens hieroglíficas de cores vivas, durante a revelação de um tesouro antigo de mais de 100 sarcófagos intactos, na necrópole de Saqqara 30 kms ao sul da capital egípcia Cairo (Foto: AHMED HASAN /AFP)

O Egito apresentou neste sábado, 14, uma centena de sarcófagos de mais de 2.000 anos em perfeitas condições, descobertos na necrópole de Saqqara, ao sul do Cairo, o maior "tesouro" descoberto no país desde o início do ano.

Os caixões de madeira lacrados pertenciam a altos funcionários da Baixa Idade (entre 700 e 300 anos a.C.) e do período ptolomaico (323 a 30 a.C.).

O novo tesouro foi descoberto na necrópole de Saqqara, ao sul do Cairo, onde cerca de 60 sarcófagos intactos e com mais de 2.500 anos já haviam sido descobertos no mês passado.

Uma fotografia divulgada pelo Ministério de Antiguidades egípcio em 20 de setembro de 2020 mostra o Secretário-Geral do Conselho Supremo de Antiguidades Mostafa Waziri (C) inspecionando um dos quatorze caixões de 2.500 anos descobertos em um cemitério na necrópole do deserto de Saqqara ao sul da capital.
Uma fotografia divulgada pelo Ministério de Antiguidades egípcio em 20 de setembro de 2020 mostra o Secretário-Geral do Conselho Supremo de Antiguidades Mostafa Waziri (C) inspecionando um dos quatorze caixões de 2.500 anos descobertos em um cemitério na necrópole do deserto de Saqqara ao sul da capital. (Foto: FOTO AFP / HO / MINISTÉRIO EGÍPCIO DAS ANTIQUIDADES)

"Saqqara ainda não revelou tudo o que tem. É um tesouro", disse Khaled el Enani, ministro egípcio de Turismo e Antiguidades, durante a cerimônia.

O local de Saqqara, a pouco mais de quinze quilômetros ao sul das pirâmides do planalto de Gizé, abriga a necrópole de Mênfis, a capital do antigo Egito. O local é declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Os 100 sarcófagos anunciados neste sábado foram descobertos em três sepulturas de 12 metros de profundidade. Os arqueólogos abriram um dos caixões em que repousava uma múmia envolta em um sudário adornado com hieróglifos coloridos.

Mais de 40 estátuas de antigas divindades e máscaras funerárias também foram encontradas, segundo o ministro.

Essas descobertas serão distribuídas para vários museus egípcios, incluindo uma nova unidade que será inaugurado nos arredores do Cairo.

De acordo com Enani, essas descobertas recentes são resultado de um crescente trabalho de escavação nos últimos anos. Outra descoberta ocorrida na necrópole deve ser anunciada nas próximas semanas, acrescentou.