PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

EUA: Biden volta a liderar e tem favoritismo em bolsas de apostas

O órgão eleitoral do Estado de Nevada disse nesta quarta-feira que só voltará a atualizar resultados da apuração local da corrida presidencial dos EUA na quinta-feira, 5

10:06 | 04/11/2020
Neste ano, disputam o republicano Donald Trump, que tenta a reeleição, e o democrata Joe Biden, que quer chegar à Casa Branca (Foto: Saul Loeb e Jim Watson/AFP)
Neste ano, disputam o republicano Donald Trump, que tenta a reeleição, e o democrata Joe Biden, que quer chegar à Casa Branca (Foto: Saul Loeb e Jim Watson/AFP)

O candidato do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, aparece com cerca de 70% de chances de ser eleito em duas bolsas de apostas, após chegar a ser ultrapassado pelo presidente Donald Trump durante a madrugada desta quarta-feira, 4. Com a apuração mais favorável para Biden nos Estados de Michigan e Wisconsin, o ex-vice-presidente, agora, tem 72,46% das apostas no site Smarkets, frente a 26,67% de Trump. Já no Action Network, Biden tem 68,4%.

Mais cedo, após a confirmação da vitória republicana no importante Estado da Flórida, o presidente chegou a concentrar 70% das apostas. No entanto, o democrata venceu no Arizona e aparece na liderança no Wisconsin.

Nevada

O órgão eleitoral do Estado de Nevada disse nesta quarta-feira que só voltará a atualizar resultados da apuração local da corrida presidencial dos EUA na quinta-feira, 5. Joe Biden tem uma pequena vantagem sobre o presidente Donald Trump no Estado, mas um número significativo de cédulas ainda não foi contabilizado.

Segundo o órgão, todos os votos presenciais antecipados e da eleição de ontem, assim como os recebidos pelo correio até segunda-feira (2), já foram contados. Faltam, porém, os votos pelo correio que chegaram ontem, votos pelo correio que ainda devem chegar ao longo da próxima semana e votos provisórios.

"É difícil estimar os votos restantes em Nevada porque cada eleitor recebeu uma cédula por e-mail. Obviamente, nem todos irão votar", afirmou o órgão em sua conta oficial no Twitter.