PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Opositor russo Alexei Navalni foi envenenado, diz hospital em Berlim

13:23 | 24/08/2020
O mais importante nome da oposição ao governo russo, Alexei Navalni, foi envenenado, informou o Hospital Charité de Berlim em um comunicado nesta segunda-feira, 24, citando resultados clínicos confirmados por laboratórios independentes.
Embora a substância exata que o envenenou ainda não seja conhecida, acredita-se que seja um inibidor dos nervos, segundo o comunicado do hospital O documento acrescentou que Navalni continua em coma induzido artificialmente e que "não há perigo agudo para sua vida".
"Os resultados indicam envenenamento por uma substância do grupo de inibidores de colinesterase". De acordo com a agência de notícias Reuters, os inibidores da colinesterase são drogas que podem aumentar a comunicação entre células nervosas no cérebro e às vezes são usados para melhorar temporariamente ou estabilizar os sintomas de pessoas com demência. Seus efeitos colaterais incluem vômitos, dor de cabeça e alucinações.
O ativista anticorrupção de 44 anos se sentiu muito mal a bordo de um avião que o transportava a Moscou após tomar um chá e teve que fazer um pouso de emergência em Omsk, na Sibéria, onde foi hospitalizado.
De acordo com seus aliados, os médicos locais pareciam dispostos a cooperar com sua transferência, mas oficiais à paisana e agentes de segurança invadiram o hospital e os médicos negaram permissão para ele sair.
Desde o início, sua porta-voz rapidamente afirmou que ele foi vítima de um envenenamento ordenado pelo Estado, um método usado antes em ataques ligados a agentes russos.
Somente após repercussão internacional e expressões de preocupação da chanceler alemã Angela Merkel e do presidente francês Emmanuel Macron foi que Navalni finalmente recebeu permissão para ser transferido para a Alemanha.
Desde que chegou, está sob a proteção da Polícia Federal Criminal da Alemanha, que também fornece segurança para a chanceler alemã Angela Merkel e outros funcionários do governo.
Navaln é um dos maiores críticos do Vladimir Putin e é conhecido por seus vídeos no YouTube expondo corrupção e suborno por políticos, burocratas e oligarcas russos. Ele foi impedido de concorrer a uma eleição presidencial em 2018 e já foi preso por organizar protestos não autorizados.
O incidente pode prejudicar ainda mais as relações tensas da Rússia com seus vizinhos europeus, que a acusaram de ataques a dissidentes na Europa no passado - acusações que a Rússia rejeitou. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS