PUBLICIDADE
Mundo
Noticia

Pela primeira vez, Twitter classifica como enganosas postagens de Trump, que retruca

Presidente norte-americano acusou a rede social de "interferir" nas eleições presidenciais norte-americanas, nas quais será candidato a reeleição. O empresário acusava o voto por correio de ser "fraudulento"

22:30 | 26/05/2020
Trump foi flagrado pela primeira vez por tuíte de conteúdo "duvidoso" (Foto: Alex Wong/Getty Images/AFP)
Trump foi flagrado pela primeira vez por tuíte de conteúdo "duvidoso" (Foto: Alex Wong/Getty Images/AFP)

O Twitter incluiu pela primeira vez nesta terça-feira, 26, a menção "verificar os dados" a dois tuítes do presidente americano, Donald Trump, que diziam que o voto por correio era "fraudulento", e o mandatário reagiu, acusando a rede social de "interferir" nas eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos.

"Estes tuítes contêm informações potencialmente enganosas sobre o processo de votação e foram marcadas para oferecer um contexto adicional sobre a votação pelos correios", indicou um porta-voz da rede social, explicando uma medida inédita para esta rede social, acusada de ser branda em suas normas com o mandatário.

Os tuítes do presidente alegaram sem evidências que a votação por correio levaria a fraude eleitoral.

Debaixo dos tuítes, a rede social publicou o link: "Obtenha informação sobre votações por correio", e o mesmo levava os usuários a um alerta destacando que as informações do presidente eram "infundadas", citando uma informação de vários veículos de comunicação, entre eles CNN e Washington Post.

"Trump afirmou falsamente que as cédulas de votação por correio levariam a eleições fraudulentas", diz o alerta.

"No entanto, os verificadores dizem que não há evidência de que as cédulas por correio estejam relacionadas com a fraude eleitoral".

Trump, acusou nesta terça-feira, 26, o Twitter de "interferir" nas eleições presidenciais de novembro, depois que a rede social classificou pela primeira vez dois de seus tuítes como enganosos.

O presidente voltou a recorrer à rede social para reclamar que "o Twitter interfere agora nas presidenciais de 2020" após a inclusão do alerta.

Trump atribuiu os tuítes enganosos à Califórnia, afirmando sem fundamento que qualquer um que more no estado receberá cédulas quando, na verdade, as mesmas são enviadas a eleitores registrados, segundo o alerta.

Os tuítes violaram uma política ampliada recentemente pelo Twitter, informou a empresa com sede em San Francisco. "Ao servir à conversação pública, nosso objetivo é facilitar a busca de informação confiável no Twitter e limitar a propagação de conteúdo potencialmente nocivo e enganoso", disseram o chefe de integridade, Yael Roth, e o diretor de políticas globais, Nick Pickles, quando houve a mudança.

O candidato democrata à Presidência, o ex-vice-presidente Joe Biden, disse em entrevista à CNN que o Twitter e outras redes sociais devem "dizer que não é correto" quando são emitidas declarações enganosas.