PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Alberto Fernández é eleito presidente da Argentina no primeiro turno

Com o resultado, Fernández, um advogado de 60 anos, assumirá em 10 de dezembro a Presidência de um país mergulhado em uma grave crise econômica

22:35 | 27/10/2019
O candidato peronista à Presidência argentina Alberto Fernández (D) faz o sinal da vitória ao deixar sua seção eleitoral após votar em Buenos Aires, 27 de outubro de 2019
O candidato peronista à Presidência argentina Alberto Fernández (D) faz o sinal da vitória ao deixar sua seção eleitoral após votar em Buenos Aires, 27 de outubro de 2019 (Foto: AFP / ALEJANDRO PAGNI)

O peronista de centro-esquerda Alberto Fernández se elegeu presidente da Argentina com 47,36% dos votos contra 41,22% para o presidente Maurício Macri, após 75,46% das urnas apuradas. Para vencer no primeiro turno, o candidato precisa ter 45% dos votos ou 40% mais dez pontos de vantagem sobre o segundo colocado.

Com o resultado, Fernández, um advogado de 60 anos, assumirá em 10 de dezembro a Presidência de um país mergulhado em uma grave crise econômica.

Clique na imagem para abrir a galeria

Mauricio Macri, que assumiu em 2015, deixa um país com uma grave crise econômica e social; com inflação este ano prevista para 55%; 30% das pessoas vivendo na pobreza e os sem-teto representando quase 10% da população.

Além de presidente e vice-presidente, serão eleitos 130 deputados e 24 senadores. Também serão escolhidos governadores das províncias de Buenos Aires, Catamarca e La Rioja, além de prefeitos de várias cidades.

O mandato presidencial é de 4 anos e é permitida apenas uma reeleição.

Quem é Alberto Fernández

Alberto Fernández participou do governo de Néstor Kirchner, entre 2003 e 2007, como chefe do Gabinete de Ministros, e continuou no primeiro governo de Cristina Kirchner.

>> Alberto Fernández parabeniza Lula por aniversário

No ano seguinte, em 2008, Fernández renunciou em meio a uma crise e se tornou crítico do governo de Cristina. Ano passado, dez anos depois de romperem, houve uma reaproximação entre os dois. Alberto, então, se tornou candidato à presidência, convidado por Cristina para compor a chapa.

Ele é advogado e professor de direito penal e civil argentino, e dá aulas na Facultade de Direito da Universidade de Buenos Aires (UBA).