PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Protestos pelo clima terminam com centenas de detidos

00:04 | 09/10/2019
Milhares de manifestantes saem às ruas em mais de 60 cidades para pedir políticas contra o aquecimento global. Maioria das detenções ocorre em Londres, com quase 300 ativistas do Extinction Rebellion presos.No primeiro dia da semana de protestos pelo clima organizados pelo movimento ambiental Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção), centenas de ativistas foram presos nesta segunda-feira (07/10) em várias cidades do mundo. A maioria das detenções ocorreu em Londres, capital do país de origem do grupo. Milhares de manifestantes foram às ruas em mais de 60 cidades para exigir de governos medidas para zerar efetivamente as emissões de gases de efeito estufa até 2025. O movimento Extinction Rebellion convocou diversas ações de desobediência civil pelo mundo, como forma de contestar a falta de resposta política diante do aquecimento global. Em Londres, a polícia deteve 279 ativistas que bloquearam várias ruas da capital britânica, principalmente na região do Parlamento e de prédios do governo, além de diversas pontes no rio Tâmisa. Entre os manifestantes, estavam muitos avós com seus netos e também celebridades, como a atriz Juliet Stevenson. No protesto junto ao Ministério da Defesa do Reino Unido, tambores marcaram passo com os manifestantes que iniciaram a onda de protestos de duas semanas que visa paralisar a cidade contra as políticas climáticas seguidas até agora. Em Amsterdã, a polícia prendeu cerca de 50 manifestantes durante um bloqueio. O grupo interrompeu o trânsito numa importante via pública no início da manhã. Autoridades haviam proibido o protesto naquela região. Um porta-voz dos ativistas disse a uma emissora de rádio local que a "desobediência civil" forçaria o governo a tomar mais medidas para proteger o clima. Em Madri, 33 foram detidos e três ficaram presos por desobediência aos agentes da polícia de choque que impediram um protesto que tentava interromper o trânsito numa estrada. Dezenas de ativistas também se acorrentaram na estrutura de um viaduto sobre o Paseo de la Castellana. Centenas de outros membros do movimento acamparam ainda em frente ao Ministério da Transição Ecológica. Detenções ocorreram também na Nova Zelândia e na Austrália. Em Welligton, centenas de manifestantes bloquearam ruas no centro da cidade, ministérios e até a filial de um banco. Mais de 30 ativistas foram detidos. Em várias cidades australianas, ocorreram protestos e bloqueios de ruas. Em Sidney, a polícia prendeu 30 pessoas que interromperam o trânsito numa rua próximo a estação central. Mais de 20 pessoas foram detidas em Nova York, nos Estados Unidos, depois de jogar sangue falso na estátua do Touro de Wall Street. Os ativistas cercaram o símbolo, deitando no chão como se estivessem mortos, enquanto uma mulher subiu em cima do touro para exibir uma bandeira verde. Outros manifestantes, em seguida, começaram a jogar tinta vermelha na estátua. Diversas ruas do distrito financeiro foram bloqueadas por protestos. Ao contrário das outras cidades, em Berlim não foram registradas prisões de ativistas. Na capital alemã, mais de 3 mil manifestantes participaram de dois grandes bloqueios, na Potsdamer Platz e na região da Coluna da Vitória, onde o grupo pretende permanecer a semana toda. Os protestos paralisaram o trânsito nestes locais. No final da tarde, a polícia tentou dispensar o bloqueio na Potsdamer Platz, porém, acabou desistindo e permitiu que os manifestantes passassem a noite no cruzamento. O secretário do Interior de Berlim, Andreas Geisel, afirmou que bloqueios espontâneos serão tolerados se não houver atos de violência. Pelo Twitter, a polícia local informou que os berlinenses estão reagindo bem às manifestações e que há poucos engarrafamentos, o que indicaria que muitos buscaram alternativas e deixaram seus carros em casa. Em Paris, cerca de mil manifestantes bloquearam a região em torno de Châtelet, no centro da capital francesa, onde montaram um acampamento improvisado para passar a noite. O Extinction Rebellion surgiu no Reino Unido em 2018, quando milhares de manifestantes tomaram as ruas de Londres. Desde então, o movimento já se expandiu por dezenas países ao redor do mundo. CN/rtr/dpa/dw ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter
TAGS