PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Governo alemão se opõe a bloqueio de acordo com Mercosul

00:03 | 24/08/2019
Berlim defende acordo comercial e diz que bloqueio não contribuirá para reduzir desmatamento da Amazônia. França e Irlanda querem fim do pacto em meio à crise ambiental causada por queimadas.O governo da Alemanha afirmou nesta sexta-feira (23/08) ser contrário ao bloqueio do acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul. A proposta de barrar o pacto foi feita pelo presidente francês, Emannuel Macron, devido à crise gerada pelas queimadas na Amazônia. "A não ratificação do acordo com o Mercosul não contribuirá para reduzir o desmatamento da Amazônia", afirmou um porta-voz do governo da Alemanha, acrescentou que o pacto possui um "ambicioso capítulo de sustentabilidade com regulamentos vinculativos para a proteção climática". O porta-voz destacou que o acordo estabeleceu altos padrões socioambientais que são de "importância essencial" para a Alemanha, por isso, não considera que um boicote ao pacto seja uma "resposta adequada" aos atuais incêndios florestais no Brasil. "A magnitude dos incêndios é alarmante e nós estamos prontos para apoiar o Brasil em seus esforços para superar rapidamente essa crise séria", acrescentou o porta-voz. Macron está liderando a pressão internacional contra o presidente Jair Bolsonaro devido à política ambiental do governo brasileiro. Nesta sexta-feira, o líder francês propôs o fim do acordo comercial alcançado em junho entre a UE e o Mercosul. "Dada a atitude do Brasil nas últimas semanas, o presidente da República [francesa] só pode constatar que o presidente Bolsonaro mentiu para ele na cúpula [do G20] em Osaka", declarou o Palácio do Eliseu, sede do governo francês, em nota. A proposta foi apoiada pela Irlanda que declarou que não deve ratificar o acordo devido à falta de comprometimento dos brasileiros "em honrar seus compromissos ambientais". O presidente francês também sugeriu que as queimadas e o desmatamento da Amazônia brasileira sejamtema de reuniões na cúpula do G7, que ocorre a partir desta sexta-feira em Biarritz, no sudoeste da França. Essa proposta foi apoiada pela chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel. Nas últimas semanas, a França e outros países europeus vêm criticando a política ambiental do governo brasileiro. Desde que tomou posse, Bolsonaro e membros do governo vêm defendendo a exploração de minerais em terras indígenas, contestando dados científicos sobre aumento do desmatamento, propondo a legalização de garimpos, esvaziando órgãos de proteção ambiental e promovendo mudanças unilaterais no Fundo Amazônia, que conta com financiamento europeu. Bolsonaro também já ameaçou em algumas ocasiões deixar o Acordo de Paris sobre o clima e, mais recentemente, reagiu com desprezo quando a Alemanha e a Noruega suspenderam repasses para programas ambientais diante da nova guinada na política ambiental brasileira. A queda de braço com os franceses ocorre em meio a dúvidas sobre o futuro do acordo entre a UE e o Mercosul, fechado em junho após 20 anos de negociações. À época, o governo Bolsonaro celebrou o desfecho como um trunfo da política externa, mas não parou de antagonizar com vários países da UE, cujos parlamentos ainda precisam ratificar o acordo. Na França, o presidente Macron já havia colocado como condição para a implementação do acordo de livre-comércio um reforço da proteção ambiental no Brasil. Após um início tenso na cúpula do G20, em junho, o líder francês disse que o acordo foi finalmente fechado porque Bolsonaro havia oferecido garantias de preservação do meio ambiente brasileiro. CN/afp/ots ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter
TAGS