PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Cearense é bronze na Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica, na Hungria

O evento, que reuniu 254 estudantes de 47 países, envolveu provas teóricas e práticas, além de análise de dados

15:51 | 13/08/2019
O cearense ficou com a medalha de bronze na olimpíada internacional
O cearense ficou com a medalha de bronze na olimpíada internacional(Foto: Divulgação/OBA)

Aluno de Fortaleza foi um dos três medalhistas brasileiros na 13ª Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA, na sigla em inglês), realizada na Hungria. Raúl Basílides Gómez Del Estal Teixeira, cearense de 17 anos, esteve ao lado de Giovanna Girotto, 16, e Luã de Souza Santos, 17, ambos paulistas. Os três ganharam medalha de bronze, neste fim de semana. Bruna Junqueira, 16, e Lucas Shoji, 16, também de São Paulo, receberam menções honrosas.

"Todos os classificados cearenses nas etapas prévias foram treinados pela equipe da Seara da Ciência, um museu e um projeto de extensão da Universidade Federal do Ceará. Na Seara da Ciência praticávamos apontamentos de objetos com o telescópio, resolução de questões e lançamento de foguetes. Tivemos também vários treinamentos no Planetário Rubens de Azevedo", comenta Raúl. Ele ainda destaca o apoio de estudantes que já participaram de olimpíadas. "Não se trata de uma conquista individual, mas de todo um grupo e de um suporte técnico que tem apoiado muitos estudantes brasileiros. Eu tive a sorte de conhecer e ser treinado por essa equipe".

O evento, que reuniu 254 estudantes de 47 países, envolveu provas teóricas e práticas, além de análise de dados. A delegação foi liderada pelos astrônomos Eugênio Reis, do Observatório Nacional (ON), e Júlio César Klafke, da Universidade Paulista (Unip).

Processo

Os estudantes foram selecionados dentre os mais de 100 mil participantes da prova de nível IV da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), em 2018. Destes estudantes, cerca de 5.300 fizeram três provas na fase online da seleção, dos quais 150 foram classificados para as provas presenciais. Os 30 melhores ainda passaram por dois treinamentos classificatórios, para a escolha da equipe e mais uma semana de treinamento intensivo com astrônomos em Vinhedo/SP.

Eles participaram de estudos e treinamentos intensivos, com astrônomos e especialistas, em oficinas; observação do céu noturno, com e sem instrumentos,; resolução de exercícios e simulados; e construção e lançamentos de foguetes de garrafas PET.

Saiba Mais

A OBA é destinada a alunos dos ensinos fundamental e médio. A edição mais recente teve número recorde de participantes: 883.811 estudantes de escolas públicas e particulares.

Site oficial da OBA: www.oba.org.br

Lucas Braga