PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Opinião: Violência estatal é prova de que Kremlin teme o povo

12:17 | 29/07/2019
Nos protestos de rua em Moscou, a polícia interveio com brutalidade e prendeu mais de mil manifestantes. À medida que o nervosismo da elite política aumenta, cresce também a coragem da oposição, opina Miodrag Soric.O que fortalece é uma vitória. Das confrontações em Moscou entre o poder estatal e a oposição, esta última é quem sai como vencedora moral. Pois, quem pode defender um policial que desfere golpes de cassetete contra uma garota caída no chão, só porque ela exige eleições justas? Quem pode aplaudir agentes do serviço secreto levando embora jovens que foram surrados somente por terem feito uso de seu direito de protesto? Quem se coloca do lado de funcionários mascarados que incitam seus pastores-alemães enfurecidos contra os manifestantes? A simpatia está do lado dos que protestam, sempre. Causam repulsa as imagens da ação impiedosa de tropas de espancadores do Kremlin. Elas são a prova palpável de que na Rússia o poder está à frente do direito. Numa democracia, é o contrário. Milhões viram as imagens dos manifestantes sendo espancados, e se indignaram, na Rússia e no mundo. Empresas ocidentais que continuam investindo no país, inclusive as alemãs Siemens, Wintershall ou Daimler, deveriam vê-las. Quem apoia o regime, agora vai ter que se justificar no Ocidente. Como as coisas chegaram a esse ponto na Rússia? A origem do conflito é a eleição para a Câmara Municipal de Moscou, marcada para 8 de setembro. Fato surpreendente, pois esse parlamento pouco decide. Devido a sua insignificância, até o momento ninguém se interessara por esse pleito municipal, nem mesmo os eleitores. No entanto desta vez uma dezena de candidatos oposicionistas quis concorrer, e o Kremlin os impediu com argumentação esfarrapada. Daí os protestos. Mas se o governo já apela para a violência por causa de uma votação relativamente desimportante, o que acontecerá quando, um dia, o poder estiver realmente em questão, na eleição da Duma (Parlamento) ou no pleito presidencial? A elite de poderosos que domina ao lado do presidente Vladimir Putin teme cada vez mais o povo. E tem bons motivos para tal: o Estado é corrupto, responsável pela queda constante do padrão de vida dos russos, nos últimos anos; pela economia estagnada, a infraestrutura que se deteriora fora das metrópoles, a juventude capacitada que abandona o país. Desde a assim chamada reforma da aposentadoria, milhões de cidadãos mais idosos se sentem traídos pelo Estado. Há anos Putin promete melhorias a seus compatriotas, mas quase ninguém acredita mais nele. Já que o eleitorado ameaça se distanciar dos governistas, os oposicionistas não podem concorrer, a imprensa é controlada, jornalistas independentes são perseguidos. O Kremlin teme os protestos como o diabo teme a água-benta – um reflexo típico do poder num Estado sem direito. Por enquanto, a elite de poderosos ainda se sustenta. Ela teme perder suas benesses, e é desafiada por políticos de oposição que perderam todo medo, sacrificam a própria carreira, se sujeitam a prisão, criminalização, perseguições, não poupando nem a própria vida, nem as de seus apoiadores. Eles ganham mais autoridade ainda quando o Estado investe contra eles de forma brutal – como no último sábado. ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter Autor: Miodrag Soric

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS