PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Araújo diz a chanceleres do Brics que 'grito' por liberdade vem da Venezuela

11:26 | 26/07/2019
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta sexta-feira, 26, que "um grito que pede liberdade" vem da Venezuela e exortou o grupo dos Brics, que além do Brasil inclui China, Rússia, Índia e África do Sul a agirem em conjunto na crise venezuelana.
Rússia e China, países que tem assento permanente no Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas, têm mantido o apoio ao governo de Nicolás Maduro na Venezuela.
"Não podemos deixar de ouvir um grito que pede liberdade e que vem da Venezuela, do povo venezuelano", afirmou Araújo, no discurso de abertura da Reunião de Ministros das Relações Exteriores do Brics, no Palácio do Itamaraty, no Rio.
O chanceler brasileiro disse que "fazia um apelo" aos chanceleres dos demais países do Brics para ouvir esse "grito que pede liberdade". Araújo descreveu a crise da Venezuela como uma situação de oposição entre um "governo constitucionalmente constituído", numa referência à nomeação de Juan Guaidó como presidente interino pela Assembleia Nacional, e "um governo que se sustenta exclusivamente pela força", numa referência a Maduro. Guaidó foi reconhecido como presidente por vários países, mas Maduro segue no poder de fato.
"Estamos a disposição dos senhores para explicar o que está acontecendo e agirmos em conjunto", afirmou Araújo, dirigindo-se aos demais chanceleres.
A reunião no Rio, a terceira do gênero desde que o grupo de países se formou, ocorre no ano em que o Brasil exerce a presidência do Brics e receberá sua 11ª Cúpula, marcada para novembro, em Brasília. Araújo destacou que a presidência de turno do País no Brics será "focada em resultados". A reunião, fechada à imprensa, debate temas relacionados à cooperação internacional entre os cinco países e foi aberta por Araújo.

Agência Estado