PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Irã ameaça navio britânico em resposta à apreensão de petroleiro

00:09 | 06/07/2019
Navio iraniano suspeito de transportar petróleo para a Síria foi apreendido pelo Reino Unido em Gibraltar. Teerã ameaça retaliar na mesma moeda e aprender navio britânico. Episódio acirra tensões com o Ocidente.O Irã exigiu nesta sexta-feira (05/07) a liberação de um navio petroleiro detido por autoridades britânicas em Gibraltar, acusando o Reino Unido de agir a pedido dos Estados Unidos. A medida, que gerou uma forte reação de Teerã, ameaça agravar ainda mais as tensões entre o país no Oriente Médio e o Ocidente. Membros da Marinha Real Britânica tomaram o navio nesta quinta-feira, após a suspeita de que estaria transportando petróleo para a Síria, em violação a sanções impostas pela União Europeia (UE). Localizado ao sul da Espanha, Gibraltar é um território ultramarino do Reino Unido. O petroleiro Grace 1 foi detido em águas territoriais britânicas, após contornar a África. O secretário do Conselho de Expediência do Irã, um órgão central de regulação, alertou que se o petroleiro não for liberado, o Irã se verá forçado a reagir na mesma moeda. "Se o Reino Unido não liberar o petroleiro iraniano, o dever das autoridades competentes será tomar uma ação recíproca e apreender um petroleiro inglês", afirmou. "Em seus 40 anos de história, a Revolução Islâmica jamais foi fonte de quaisquer tensões, mas jamais hesitaremos em reagir frente à arrogância", disse o presidente do Conselho, Mohsen Rezaei, que foi líder da poderosa Guarda Revolucionária Iraniana nos anos 1980, durante a chamada "Guerra dos petroleiros". O Ministério do Exterior iraniano convocou o embaixador britânico para expressar sua "mais forte objeção à detenção ilegal e inaceitável" de seu navio. A atitude eliminou as dúvidas que existiam sobre a nacionalidade do petroleiro, que navega sob bandeira panamenha e está registrado como administrado por uma empresa em Cingapura. A Autoridade Marítima do Panamá afirmou que o Grace 1 não consta mais no registro internacional de embarcações do país desde o dia 29 de maio. O ministério iraniano afirma que o petroleiro foi recolhido "a pedido dos Estados Unidos, com base em informações atualmente disponíveis". O ministro do Exterior da Espanha, Josep Borrell, disse a repórteres que o petroleiro foi de fato apreendido depois de um pedido de Washington. Os americanos, porém, não confirmaram que estariam por trás da apreensão. O assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, disse apenas que a detenção do navio era uma "excelente notícia". "A América e nossos aliados continuarão a evitar que os regimes de Teerã e Damasco lucrem com o comércio ilegal", afirmou no Twitter. Registros náuticos sugerem que o navio transportava petróleo iraniano carregado na costa do Irã, mas outros documentos dizem que o petróleo teria origem no Iraque. Apesar de a UE ter proibido o fornecimento de petróleo para a Síria em 2011, até agora nenhum navio havia sido apreendido. Ao contrário dos EUA, a Europa não tem aplicadas sanções de grande magnitude contra o Irã. O governo de Gibraltar disse nesta sexta-feira estar realizando vistorias no navio. Todos os 28 tripulantes permaneceram a bordo enquanto eram ouvidos como testemunhas, e não como suspeitos, segundo afirmou um porta-voz do governo local. As autoridades afirmam que o petroleiro foi interceptado enquanto diminuía de velocidade em uma área designada para a transferência de cargas para os navios. O Ministério do Exterior britânico disse que apoia a "firme ação das autoridades de Gibraltar, ao agirem para cumprir as sanções da UE ao regime sírio". O episódio exacerba ainda mais as tensões entre o Irã e o Ocidente, já acirradas após um ataque recente a dois petroleiros e o abatimento de um drone americano sobre o Estreito de Ormuz serem atribuídos ao Irã, o que levou os EUA à beira de realizar um ataque aéreo a alvos iranianos. Nesta semana, Teerã confirmou que voltou a enriquecer urânio acima dos níveis permitidos pelo acordo nuclear de 2015, após a reimposição de pesadas sanções americanas contra o país. As sanções da UE contra a Síria, por sua vez, atingem também ministros do governo do presidente Bashar al-Assad, por seus papéis na violenta repressão à população durante a guerra civil no país árabe, iniciada em 2011. Foram congelados os bens de 70 entidades e foi imposto um embargo sobre o petróleo sírio, além de restrições de investimento e da detenção de ativos do Banco Central da Síria na UE. RC/afp/rtr/ap ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS