Participamos do

"Todo mundo gostava muito dela, era alegre e divertida. A família está arrasada", diz parente de travesti morta

"Todo mundo gostava muito dela. Alegre, divertida. Quem sofre mais é a família, que está arrasada", diz familiar
14:17 | Fev. 11, 2022
Autor Jéssika Sisnando
Foto do autor
Jéssika Sisnando Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Sofia ou Giselly, como era chamada, tinha apenas 22 anos, era filha de pais separados e morava sozinha no Parque Santo Amaro, Grande Bom Jardim, em Fortaleza. A jovem era travesti e foi morta a pedradas na madrugada desta sexta-feira, 11. O corpo foi encontrado em um terreno na avenida Osório de Paiva. Um crime brutal e que chamou atenção de todo o Grande Bom Jardim. 

Sofia era querida e amada na comunidade onde morava. Um dos relatos é de uma parente, que diz que o crime abalou toda a família. "Todo mundo gostava muito dela. Alegre, divertida. Quem sofre mais é a família, que está arrasada", explica a mulher que pediu para não ser identificada.

Travesti de 23 anos foi morta a pedradas na avenida Osório de Paiva
Travesti de 23 anos foi morta a pedradas na avenida Osório de Paiva (Foto: reprodução/Vídeo )

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A funcionária de um mercantil que Sofia frequentava, também no Grande Bom Jardim, disse que a conheceu por causa da frequência com a qual Sofia ia ao estabelecimento. A alegria era tanta, que o proprietário a convidou para gravar vídeos na Internet e anunciar os produtos. Ela fez sucesso e adorava gravar os comerciais. 

O dono do estabelecimento também a apelidou de Giselly e os dois nomes, Sofia e Giselly, passaram a ser usados por ela. Conforme uma familiar, ela já foi vítima de tentativa de homicídio. "O único fato para não gostarem dela era que ela era travesti. Isso é inaceitável. O pai dela está arrasado, a família é humilde, estão tentando conseguir o caixão, pois não há condições", explica.

De acordo com informações apuradas pelo O POVO, Sofia se prostituía na avenida Osório de Paiva e a presença dela incomodava algumas pessoas. Em razão disso, ainda confirme apurações do O POVO, já haviam tentado tirar ela do ponto de prostituição. A familiar de Sofia conta que ela foi espancada e, em outra situação, tentaram matá-la . "Todos do bairro a conhecem desde que nasceu, o sofrimento é grande".

Um amigo relata ao O POVO que ficou doente quando soube do caso. "Todo mundo gostava dela, o mundo é cruel e cheio de maldade. Fiquei doente depois que soube disso", lamenta.


Bom Jardim de Dandara e Sofia 

Essa não é a primeira vez que o Grande Bom Jardim é local de crime contra uma travesti. Dandara dos Santos foi morta no dia 15 de fevereiro de 2017. Ela foi espancada, apedrejada e assassinada a tiros. Foi levada em um carrinho de mão e todo o crime foi filmado. A atrocidade que envolveu Dandara se assemelha em alguns pontos com o caso de Sofia, ambas foram mortas com uma violência brutal, duas travestis.

O caso de Dandara teve repercussão internacional e chamou atenção de todo o mundo para os casos de homofobia que se repetem diariamente. Os suspeitos de envolvimento com o crime foram presos, com participações diferentes: fosse por filmar e se omitir a uma situação de crime, outros por espancá-la, apedrejá-la, outros acusados de levá-la no carrinho de mão e, por fim, por atirar.

Dandara era alvo de comentários pejorativos durante toda a tortura e as agressões. Ela tornou-se escultura em Nova York e livro no Ceará, escrito pela policial civil Vitória Holanda, que além de amiga da vítima, foi uma das responsáveis pela investigação e prisão dos envolvidos. Dandara tornou-se símbolo do sofrimento e da luta por Justiça nos casos de homofobia. 

Nota da SSPDS 

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) foi acionado para atender à ocorrência de achado de cadáver no bairro Bom Jardim.


Equipes da Polícia Militar do Ceará (PMCE) e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) também foram acionadas para o local. De acordo com a SSPDS, Um inquérito foi instaurado pelo DHPP.


Inicialmente, O POVO apurou que a vítima tinha 23 anos, mas a informação da idade foi retificada pela SSPDS, para 22 anos

Denúncias


A SSPDS reforçou que população pode contribuir com as investigações repassando informações que auxiliem os trabalhos policiais. As denúncias podem ser feitas para o número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria, ou para o (85) 3101-0181, que é o número de WhatsApp, por onde podem ser feitas denúncias via mensagem, áudio, vídeo e fotografia.


As denúncias também podem ser encaminhadas para o telefone (85) 3257 4807, do DHPP, que também é o WhatsApp do Departamento. O sigilo e o anonimato são garantidos.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags