Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Seis pessoas são presas por furto de energia e tráfico de drogas em Fortaleza

A operação contou com a presença do titular da SSPDS, Sandro Caron e está na sua sexta edição. Foram fiscalizadas residências e um homem foi preso com drogas
19:34 | Ago. 03, 2021
Autor - Angélica Feitosa
Foto do autor
- Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Uma operação conjunta dos órgãos de segurança do Ceará realizada nesta terça-feira, 3, no bairro Ancuri, em Fortaleza, resultou na prisão de seis pessoas por furto de energia elétrica e tráfico de drogas. A ofensiva teve cerca de 157 abordagens, com registro 16 infrações de trânsito e uma apreensão de motocicleta. Esta é a sexta edição da Operação Domus, realizada pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), em conjunto com outros 15 órgãos de segurança. Iniciativa tem o objetivo de aumentar a sensação de segurança dos moradores do residencial Alameda das Palmeiras, no bairro Ancuri, em Fortaleza.

Titular da SSPDS, Sandro Caron, presente na ação, afirma que a operação tem como principal foco coibir qualquer tipo de crime, irregularidade, ilicitude, além de ter um parte dedicada à ação social, com o Caminhão do Cidadão, para a retirada de documentos. A operação envolve 16 secretarias estaduais e municipais como Corpo de Bombeiros, polícias Militar e Civil, Perícia Forense, Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) Autarquia Municipal de Trânsito e Guarda Municipal. “Tudo em nome de reforçar presença do Estado e garantir a tranquilidade, a segurança, o bem estar dos moradores do condomínio”, avisa.

LEIA MAIS | Operação combate ameaças recebidas por moradores no José Walter

+ Operação Domus: 5ª fase é deflagrada no Cidade Jardim e resulta na prisão de 4 pessoas

A delegada Socorro Portela, titular da Coordenadora Integrada de Planejamento Operacional (Copol), da SSPDS, informa que uma pessoa foi presa com várias pequenas porções de droga. A pessoa capturada foi encaminhada à Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (Dnarc), no Bairro de Fátima, onde deve responder por tráfico de drogas. O entorpecente e a quantidade apreendidos não foram revelados até a publicação desta matéria.

A dona Leuda Albuquerque, 53, moradora do Alameda das Palmeiras aproveitou a ação para tirar a segunda via da identidade. Enquanto aguardava na fila, ela conta que considera a ação benéfica para a comunidade. "Eu acho bom porque deixa a gente tranquila", diz.

Operação Domus
Operação Domus (Foto: Foto: SSPDS)

Outras edições

A primeira edição aconteceu no conjunto habitacional Alameda das Palmeiras, no bairro Ancuri, no dia 15 de julho deste ano. Na semana seguinte, em 21 de julho, agentes do Estado e da Prefeitura foram ao Residencial Cidade Jardim I, no bairro Conjunto José Walter.

Na terceira e quarta edição, deflagradas em 23 e 28 de julho, respectivamente, a Operação Domus realizou ações nos residenciais Alameda das Palmeiras I e Alameda das Palmeiras II, ambos no Ancuri.

Os trabalhos foram conduzidos pela Coordenadoria Integrada de Planejamento Operacional (Copol) da SSPDS. Ao todo, foram empregados homens e mulheres da Polícia Militar, da Polícia Civil, da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), do Corpo de Bombeiros Militar, da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), da Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), da Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF), da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), além de funcionários da Enel, concessionária de energia elétrica no Ceará.

Operação Domus
Operação Domus (Foto: Foto: SSPDS)

A Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer), a Coordenadoria de Inteligência (Coin) e a Coordenadoria de Segurança Orgânica e Logística (Cosol) da SSPDS estiveram na ação. Os trabalhos foram subsidiados a partir de dados elaborados pela Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp) da SSPDS.

Operação Domus

A operação tem por finalidade detectar irregularidades relacionadas a ameaças recebidas por moradores, furto de energia, pessoas com mandado de prisão em aberto e outras situações encontradas durante a ação, como construções irregulares em áreas comuns dos moradores. As ações também visa a fiscalização de pessoas monitoradas por tornozeleiras eletrônicas. Domus é um termo em latim que significa domicílio. 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Não existem mais organizações especializadas em ataque a bancos no Ceará, aponta delegado

SEGURANÇA PÚBLICA
17:00 | Ago. 03, 2021
Autor Leonardo Maia
Foto do autor
Leonardo Maia Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Não existem mais organizações criminosas cearenses que atuam com crimes a bancos e outras instituições financeiras no Ceará, conforme defendeu Rommel Kerth, titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), em entrevista ao O POVO. O número de ataques a bancos no Ceará diminuiu quase 80% entre 2018 e 2020 — passando de 41 casos para oito episódios — conforme estatísticas divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Em nota, a SSPDS defendeu que a redução é fruto dos trabalhos contínuos das forças de segurança do Estado. Além do policiamento ostensivo realizado por equipes das polícias Civil e Militar, a pasta enfatizou que tem feito investimentos estratégicos em inteligência e no reforço do policiamento das divisas do Ceará. Todas as ações, conforme a secretaria, são planejadas de acordo com dados obtidos pela Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp).

Kerth considerou que um dos pontos mais relevantes para reduzir os índices é a articulação com a inteligência policial de outros estados. Ele defende que isso permite que as forças de segurança cearenses possam se antecipar para combater esses criminosos que migram para o Ceará. “As quadrilhas que agiam (no Ceará) foram desmanteladas, muitos dos integrantes acabaram padecendo em confronto”, ressalta.

O delegado citou como exemplo o ataque recente a um carro forte que aconteceu na cidade de Piquet Carneiro, localizada a 297,8 km de Fortaleza, no início deste mês de julho. Na ocasião, somente um dos oito suspeitos, que tiveram a prisão solicitada pela polícia, é cearense. Com o avanço das ações, ele enfatiza que a tendência é que os criminosos passem a visar menos o Estado para crimes desse tipo.

Com intuito de agilizar o tempo de resposta em todo o território cearense, a SSPDS mantém bases fixas da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) em quatro municípios: Fortaleza, Quixadá, Juazeiro do Norte e Sobral. A Polícia Militar ainda realiza o policiamento focado nesse tipo de ocorrência em corredores bancários por meio do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio) e da Força Tática (FT), que atuam integradas com os sistemas de videomonitoramento

Sobre isso, Rommel explica que em algumas cidades pequenas do Ceará o reduzido efetivo policial pode acabar atraindo mais criminosos e é necessária uma maior interiorização das forças. “O evento que ocorre no Interior é atacado pela delegacia local no primeiro momento, especialmente devido à distância e ao horário, normalmente de madrugada. Com mais recursos e um policiamento mais robusto conseguiríamos ter um resultado ainda melhor”, ressalta.

Um dos principais pilares para evitar novos delitos do gênero tem sido a desarticulação das organizações criminosas por meio da “asfixia econômica” da sua saúde financeira. Um dos pontos ressaltados são as prisões dos chefes desses grupos nos últimos anos, consideradas fundamentais para que a atuação dos grupos diminuísse. Um exemplo foi a prisão de Francisco Rivanildo Lima Sousa, atuante na cidades de Russas, a 171,1 km de Fortaleza.

Comunicação com inteligência dos bancos é um dos pilares para o combate ao crime organizado, argumenta delegado

Rommel Kerth também lembra que, além da comunicação com outras polícias, o diálogo com distintos setores da sociedade, como é o caso dos bancos, é um fator importante para que as ações tenham um planejamento mais efetivo. Ele explica que o contato com a inteligência dessas instituições possibilita ter noção de crimes do gênero que já são praticados em outros estados brasileiros e uma ocorrência semelhante no Ceará não surpreenda a polícia.

“Essa interação entre a polícia e as instituições financeiras é um facilitador tremendo, para que a gente possa acelerar o processo de investigação e até mesmo de prevenção pela Polícia Militar”, explica, enfatizando a dinâmica comunicação entre os setores, inclusive por meio de grupos nas redes sociais.

Carlos Eduardo Bezerra, presidente dos Sindicatos dos Bancários do Ceará, reconhece que nos últimos anos aconteceu uma melhora significativa da segurança no Estado. Ele pondera que isso se deve a avanços legislativos, tanto em âmbito municipal como estadual, que fizeram com que as instituições financeiras tenham aumentado progressivamente as suas medidas de segurança.

Em Fortaleza, por exemplo, há o Estatuto Municipal de Segurança Bancária, implementado pela Lei 9910/2012. O dispositivo garante, entre outras medidas, que os vidros das agências sejam resistentes a impactos e a disparos de arma de fogo e haja gravação simultânea permanente e ininterrupta das imagens de todas as câmeras. Já no caso de carros-fortes, é definido que as operações de abastecimento e recolhimento só poderão acontecer quando clientes e usuários não estiverem no recinto da operação.

Bezerra alerta, no entanto, que uma tentativa de promover a segurança restringindo a circulação de papel-moeda nas agências pode acabar prejudicando os consumidores. “Isso nos preocupa, porque aumentaram as reclamações de falta de dinheiro para sacar a aposentadoria e salários nas agências bancárias principalmente do interior. Limitar o acesso ao papel-moeda significa diminuir a capacidade de movimento econômico principalmente daquelas cidades que são mais desiguais”, frisa o presidente.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Polícia encontra fardamento do Exército com suspeitos de Chacina de Caucaia

DISPUTA DE CRIMINOSOS
00:30 | Ago. 03, 2021
Autor Angélica Feitosa
Foto do autor
Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Polícia encontrou fardamentos do Exército Brasileiro com os suspeitos da ação que resultou em cinco mortes no distrito de Boqueirão das Araras, a cerca de 20 quilômetros do centro de Caucaia, na madrugada de domingo, 1º. A motivação para as mortes, conforme o secretário de Segurança Pública, Sandro Caron, foi a "animosidade entre grupos criminosos que atuam em Caucaia". As informações foram divulgadas nessa segunda-feira, 2. 

Pouco mais de 12 horas após a morte dos cinco homens, cinco suspeitos foram identificados e capturados em um trabalho conjunto da Polícias Civil e Militar do Ceará. Um sexto suspeito chegou a ser detido, porém, foi ouvido na condição de testemunha e liberado em seguida.

Durante a ação, foram apreendidas três armas de fogo – sendo duas espingardas e um revólver calibre 38, 28 munições, além de aparelhos celulares – incluindo os das vítimas –, fardamentos do exército, balaclavas, luvas, um canivete, três latas de tinta spray, espoleta, pólvora, cerca de 3,5 quilos de chumbinho e um pano de bijuterias contendo dezenas de peças, além de de uma quantia de R$ 1,5 mil reais.

Foram presos: Antônio Michael da Silva Nogueira, 18 anos; João Pedro de Oliveira Sousa, 21 anos; Raimundo Cleilton Ferreira da Costa, 24 anos. Os três homens citados não possuem antecedentes criminais. Além deles foi preso também Leandro Moreira Vitor da Silva, 27 anos, que já responde por porte ilegal de arma de fogo. Outros dois suspeitos estão foragidos, e um adolescente de 16 anos foi apreendido.

De acordo com o titular da Delegacia Metropolitana de Caucaia, Hugo Leonardo de Lima, o adolescente e outro suspeito preso, que O POVO não identifica para preservar a identidade do jovem, são irmãos e tinham alugado uma casa na cidade, nas proximidades do local do crime. Em um trabalho de investigação, a Polícia chegou até o endereço dessa residência, onde os dois foram detidos e acabaram entregando os outros suspeitos.

A chacina

"As vítimas faziam parte de um grupo rival ao dos criminosos. Os homens presos souberam da localização das vítimas e aproveitaram a situação para efetuar a ação", informou o delegado Hugo Leonardo, titular da Delegacia Metropolitana de Caucaia.

Os sete suspeitos chegaram ao local, identificaram os homens no bar e deram início aos disparos. Dos cinco homens executados, dois morreram no local e três conseguiram fugir, informaram os agentes de segurança.

"Os homens que conseguiram fugir foram encontrados pelos suspeitos em cômodos dentro do imóvel onde estavam. Um dos homens foi executado no quarto, debaixo da cama, e os outros dois, no banheiro", conclui o delegado.

LEIA MAIS | Homem é preso em flagrante pela PM após cometer homicídio a facadas

Ceará registra 20 casos de stalking desde sanção de lei; entenda o crime

Os suspeitos foram autuados em flagrante por homicídio qualificado, roubo, corrupção de menores e por integrar organização criminosa. Já o adolescente de 16 anos foi autuado em um ato infracional análogo aos crimes cometidos pelos adultos, exceto a corrupção de menores.

Conforme levantamento preliminar da ocorrência, os suspeitos chegaram ao local atirando e fugiram em seguida. Uma motocicleta, possivelmente utilizada por eles, foi deixada no local e encaminhada à Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce). Ainda no local, outras duas pessoas foram baleadas e encaminhadas a uma unidade hospitalar.

As outras duas vítimas são mulheres, sendo elas mãe, a dona do bar, e filha, que também foram atingidas pelos disparos de arma de fogo. Elas foram socorridas e levadas ao Hospital de Caucaia. A mãe foi ferida em uma das pernas, e a filha sofreu uma lesão no braço. As vítimas não correm risco de morte. As duas mulheres foram inicialmente levadas ao Hospital Municipal de Caucaia e precisaram ser transferidas para o Instituto Doutor José Frota (IJF).

Colaborou Levi Aguiar

 

Guerra Sem Fim

O POVO Mais lança a segunda temporada de Guerra Sem Fim, série original que mergulha no universo das facções no Ceará.

O primeiro episódio desta temporada mostra a realidade das famílias expulsas de casa pelas facçõesRefugiados Urbanos

O segundo episódio mostra a disputa interna no PCC que levou ao surgimento da GDEGDE: como nasce uma facção

O terceiro episódio conta a história do jovem que sonhou suceder o pai na hierarquia da facção, mas encontrou outro caminho pela arte, assim como de outros jovens: Juventude Sobrevivente

Nessa segunda-feira, 19, foi lançado o terceiro episódio da nova temporada: “Juventude sobrevivente” revela casos de jovens que conseguem sobreviver nesses territórios dominados pelo terror por meio da arte. Você confere aqui

 

Assista à primeira temporada 

1ª temporada, episódio 1: A onda de violência

Em janeiro de 2019, as facções criminosas no Ceará se uniram contra as ações rígidas dentro das penitenciárias, gerando a maior onda de violência do Estado. Como isso aconteceu?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 2: Tribunais do Crime

O funcionamento interno das facções criminosas no Ceará: como punem seus próprios integrantes?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 3: Caminhos do Crime

A entrada em organizações como as facções é um dos caminhos trilhados pelo crime. O que influencia esse cenário? Como é possível fugir do crime?

Assista aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Policial militar é preso após tentativa de feminicídio em Fortaleza

FORTALEZA
00:30 | Ago. 03, 2021
Autor Leonardo Maia
Foto do autor
Leonardo Maia Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Um policial militar foi preso em flagrante após tentativa de feminicídio, ameaça no contexto de violência doméstica e familiar e maus-tratos a animais qualificado. O caso aconteceu na noite desse domingo, 1º, no bairro Henrique Jorge, em Fortaleza. O agente foi conduzido à Delegacia de Defesa da Mulher (DMM) da Polícia Civil do Ceará e está detido no presídio militar.

Em nota, a Polícia Militar do Ceará (PMCE) disse que não compactua com condutas ilícitas. “Por isso, faz cumprir rigorosamente as normas legais, sem deixar de respeitar, naturalmente, os princípios do contraditório e ampla defesa”, garantiu o órgão.

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública (CGD) afirmou, também por meio de nota, que instaurou procedimento disciplinar para devida apuração dos fatos na seara administrativa. A investigação está em andamento.

Leia a íntegra da nota enviada pela PM sobre o caso:

"A Polícia Militar do Ceará (PMCE) informa que na noite de ontem, 1º, no bairro Henrique Jorge, em Fortaleza, um policial militar foi conduzido à Delegacia de Defesa da Mulher (DMM), da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) e, contra ele foi expedido um Auto de Prisão em Flagrante Delito com base nos crimes de tentativa de feminicídio, ameaça no contexto de violência doméstica e familiar e maus-tratos a animais qualificado. Agora, o PM encontra-se recolhido no presídio militar.

A PMCE frisa que não compactua com condutas ilícitas. Por isso, faz cumprir rigorosamente as normas legais, sem deixar de respeitar, naturalmente, os princípios do contraditório e ampla defesa".

Violência contra a mulher - o que é e como denunciar?

A violência doméstica e familiar constitui uma das formas de violação dos direitos humanos em todo o mundo. No Brasil, a Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, caracteriza e enquadra na lei cinco tipos de violência contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial.

Entenda as violências:

Violência física: espancamento, tortura, lesões com objetos cortantes ou perfurantes ou atirar objetos, sacudir ou apertar os braços

Psicológica: ameaças, humilhação, isolamento (proibição de estudar ou falar com amigos)

Sexual: obrigar a mulher a fazer atos sexuais, forçar matrimônio, gravidez ou prostituição, estupro.

Patrimonial: deixar de pagar pensão alimentícia, controlar o dinheiro, estelionato

Moral: críticas mentirosas, expor a vida íntima, rebaixar a mulher por meio de xingamentos sobre sua índole, desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir

A Lei 13.104/15 enquadrou a Lei do Feminícidio - o assassinato de mulheres apenas pelo fato dela ser uma mulher. O feminicídio é, por muitas vezes, o triste final de um ciclo de violência sofrido por uma mulher - por isso, as violências devem ser denunciadas logo quando ocorrem. A lei considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

LEIA MAIS | Veja como denunciar violência doméstica durante a pandemia

Veja como buscar ajuda:

Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-FOR)
Rua Teles de Souza, s/n - Couto Fernandes
Contatos: (85) 3108- 2950 / 3108-2952

Delegacia de Defesa da Mulher de Caucaia (DDM-C)
Rua Porcina Leite, 113 - Parque Soledade
Contato: (85) 3101-7926

Delegacia de Defesa da Mulher de Maracanaú (DDM-M)
Rua Padre José Holanda do Vale, 1961 (Altos) - Piratininga
Contato: 3371-7835

Delegacia de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM-PAC)
Rua Marginal Nordeste, 836 - Jereissati III
Contatos: 3384-5820 / 3384-4203

Delegacia de Defesa da Mulher do Crato (DDM-CR)
Rua Coronel Secundo, 216 - Pimenta
Contato: (88) 3102-1250

Delegacia de Defesa da Mulher de Icó (DDM-ICÓ)
Rua Padre José Alves de Macêdo, 963 - Loteamento José Barreto
Contato: (88) 3561-5551

Delegacia de Defesa da Mulher de Iguatu (DDM-I)
Rua Monsenhor Coelho, s/n - Centro
Contato: (88) 3581-9454

Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte (DDM-JN)
Rua Joaquim Mansinho, s/n - Santa Teresa
Contato: (88) 3102-1102

Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral (DDM-S)
Av. Lúcia Sabóia, 358 - Centro
Contato: (88) 3677-4282

Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá (DDM-Q)
Rua Jesus Maria José, 2255 - Jardim dos Monólitos
Contato: (88) 3412-8082

Casa da Mulher Brasileira

A Casa da Mulher Brasileira é referência no Ceará no apoio e assistência social, psicológica, jurídica e econômica às mulheres em situação de violência. Gerida pelo Estado, o equipamento acolhe e oferece novas perspectivas a mulheres em situação de violência por meio de suporte humanizado, com foco na capacitação profissional e no empoderamento feminino.

Telefones para informações e denúncias:

Recepção: (85) 3108.2992 / 3108.2931 – Plantão 24 horas
Delegacia de Defesa da Mulher: (85) 3108.2950 – Plantão 24 horas, sete dias por semana
Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher: (85) 3108.2966 - segunda a quinta, 8 às 17 horas
Defensoria Pública: (85) 3108.2986 / segunda a sexta, 8 às 17 horas
Ministério Público: (85) 3108. 2940 / 3108.2941, segunda a sexta , 8 às 16 horas
Juizado: (85) 3108.2971 – segunda a sexta, 8 às 17 horas

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Policial militar é preso após tentativa de feminicídio em Fortaleza

FORTALEZA
22:02 | Ago. 02, 2021
Autor Leonardo Maia
Foto do autor
Leonardo Maia Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Um policial militar foi preso em flagrante após tentativa de feminicídio, ameaça no contexto de violência doméstica e familiar e maus-tratos a animais qualificado. O caso aconteceu na noite desse domingo, 1º, no bairro Henrique Jorge, em Fortaleza. O agente foi conduzido à Delegacia de Defesa da Mulher (DMM) da Polícia Civil do Ceará e está detido no presídio militar.

Em nota, a Polícia Militar do Ceará (PMCE) disse que não compactua com condutas ilícitas. “Por isso, faz cumprir rigorosamente as normas legais, sem deixar de respeitar, naturalmente, os princípios do contraditório e ampla defesa”, garantiu o órgão.

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública (CGD) afirmou, também por meio de nota, que instaurou procedimento disciplinar para devida apuração dos fatos na seara administrativa. A investigação está em andamento.

Leia a íntegra da nota enviada pela PM sobre o caso:

"A Polícia Militar do Ceará (PMCE) informa que na noite de ontem, 1º, no bairro Henrique Jorge, em Fortaleza, um policial militar foi conduzido à Delegacia de Defesa da Mulher (DMM), da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) e, contra ele foi expedido um Auto de Prisão em Flagrante Delito com base nos crimes de tentativa de feminicídio, ameaça no contexto de violência doméstica e familiar e maus-tratos a animais qualificado. Agora, o PM encontra-se recolhido no presídio militar.

A PMCE frisa que não compactua com condutas ilícitas. Por isso, faz cumprir rigorosamente as normas legais, sem deixar de respeitar, naturalmente, os princípios do contraditório e ampla defesa".

Violência contra a mulher - o que é e como denunciar?

A violência doméstica e familiar constitui uma das formas de violação dos direitos humanos em todo o mundo. No Brasil, a Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, caracteriza e enquadra na lei cinco tipos de violência contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial.

Entenda as violências:

Violência física: espancamento, tortura, lesões com objetos cortantes ou perfurantes ou atirar objetos, sacudir ou apertar os braços

Psicológica: ameaças, humilhação, isolamento (proibição de estudar ou falar com amigos)

Sexual: obrigar a mulher a fazer atos sexuais, forçar matrimônio, gravidez ou prostituição, estupro.

Patrimonial: deixar de pagar pensão alimentícia, controlar o dinheiro, estelionato

Moral: críticas mentirosas, expor a vida íntima, rebaixar a mulher por meio de xingamentos sobre sua índole, desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir

A Lei 13.104/15 enquadrou a Lei do Feminícidio - o assassinato de mulheres apenas pelo fato dela ser uma mulher. O feminicídio é, por muitas vezes, o triste final de um ciclo de violência sofrido por uma mulher - por isso, as violências devem ser denunciadas logo quando ocorrem. A lei considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

LEIA MAIS | Veja como denunciar violência doméstica durante a pandemia

Veja como buscar ajuda:

Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-FOR)
Rua Teles de Souza, s/n - Couto Fernandes
Contatos: (85) 3108- 2950 / 3108-2952

Delegacia de Defesa da Mulher de Caucaia (DDM-C)
Rua Porcina Leite, 113 - Parque Soledade
Contato: (85) 3101-7926

Delegacia de Defesa da Mulher de Maracanaú (DDM-M)
Rua Padre José Holanda do Vale, 1961 (Altos) - Piratininga
Contato: 3371-7835

Delegacia de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM-PAC)
Rua Marginal Nordeste, 836 - Jereissati III
Contatos: 3384-5820 / 3384-4203

Delegacia de Defesa da Mulher do Crato (DDM-CR)
Rua Coronel Secundo, 216 - Pimenta
Contato: (88) 3102-1250

Delegacia de Defesa da Mulher de Icó (DDM-ICÓ)
Rua Padre José Alves de Macêdo, 963 - Loteamento José Barreto
Contato: (88) 3561-5551

Delegacia de Defesa da Mulher de Iguatu (DDM-I)
Rua Monsenhor Coelho, s/n - Centro
Contato: (88) 3581-9454

Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte (DDM-JN)
Rua Joaquim Mansinho, s/n - Santa Teresa
Contato: (88) 3102-1102

Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral (DDM-S)
Av. Lúcia Sabóia, 358 - Centro
Contato: (88) 3677-4282

Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá (DDM-Q)
Rua Jesus Maria José, 2255 - Jardim dos Monólitos
Contato: (88) 3412-8082

Casa da Mulher Brasileira

A Casa da Mulher Brasileira é referência no Ceará no apoio e assistência social, psicológica, jurídica e econômica às mulheres em situação de violência. Gerida pelo Estado, o equipamento acolhe e oferece novas perspectivas a mulheres em situação de violência por meio de suporte humanizado, com foco na capacitação profissional e no empoderamento feminino.

Telefones para informações e denúncias:

Recepção: (85) 3108.2992 / 3108.2931 – Plantão 24 horas
Delegacia de Defesa da Mulher: (85) 3108.2950 – Plantão 24 horas, sete dias por semana
Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher: (85) 3108.2966 - segunda a quinta, 8 às 17 horas
Defensoria Pública: (85) 3108.2986 / segunda a sexta, 8 às 17 horas
Ministério Público: (85) 3108. 2940 / 3108.2941, segunda a sexta , 8 às 16 horas
Juizado: (85) 3108.2971 – segunda a sexta, 8 às 17 horas

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Polícia encontra fardamento do exército junto a suspeitos de Chacina de Caucaia

Chacina em Caucaia
13:08 | Ago. 02, 2021
Autor Angélica Feitosa
Foto do autor
Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

A Polícia encontrou, junto aos suspeitos da ação que resultou em cinco mortes no distrito de Boqueirão das Araras, cerca de 20 quilômetros do centro de Caucaia, um fardamento do exército, no fim da noite de sábado, 31. A motivação para as mortes,  conforme o secretário de Segurança Pública, Sandro Caron, foi a "animosidade entre grupos criminosos que atuam em Caucaia". 

Durante a ação, foram apreendidas três armas de fogo – sendo duas espingardas e um revólver calibre 38, 28 munições, além de aparelhos celulares – incluindo os das vítimas –, fardamentos do Exército Brasileiro, balaclavas, luvas, um canivete, três latas de tinta spray, espoleta, pólvora, cerca de 3,5 quilos de chumbinho e um pano de bijuterias contendo dezenas de peças, além de de uma quantia de R$ 1,5 mil reais.

Pouco mais de 12 horas após a morte dos cinco homens, os suspeitos foram identificados e capturados em um trabalho conjunto da Polícias Civil e Militar do Ceará. Um sexto suspeito chegou a ser detido, porém, foi ouvido na condição de testemunha e liberado em seguida.

Foram presos: Antônio Michael da Silva Nogueira, 18 anos; João Pedro de Oliveira Sousa, 21 anos; Raimundo Cleilton Ferreira da Costa, 24 anos. Os três homens citados não possuem antecedentes criminais. Além deles foi preso também Leandro Moreira Vitor da Silva, 27 anos, que já responde por porte ilegal de arma de fogo. Outros dois suspeitos estão foragidos e um adolescente de 16 anos foi apreendido.

De acordo com o titular da Delegacia Metropolitana de Caucaia, Hugo Leonardo de Lima, o adolescente e outro suspeito preso, que O POVO não identifica para preservar a identidade do jovem, são irmãos e tinham alugado uma casa na cidade,  nas proximidades do local do crime. Em um trabalho de investigação, a Polícia chegou até o endereço dessa residência onde, os dois foram detidos e acabaram entregando os outros suspeitos.

A chacina

"As vítimas faziam parte de um grupo rival ao dos criminosos. Os homens presos souberam da localização das vítimas e aproveitaram a situação para efetuar a ação", informou o delegado Hugo Leonardo, titular da Delegacia Metropolitana de Caucaia.

Os sete suspeitos chegaram ao local, identificaram os homens no bar e deram início aos disparos. Dos cinco homens executados, dois morreram no local e três conseguiram fugir, informaram os agentes de segurança.

"Os homens que conseguiram fugir foram encontrados pelos suspeitos em cômodos dentro do imóvel onde estavam. Um dos homens foi executado no quarto, debaixo da cama, e os outros dois, no banheiro", conclui o delegado.

LEIA MAIS | Homem é preso em flagrante pela PM após cometer homicídio a facadas

Ceará registra 20 casos de stalking desde sanção de lei; entenda o crime

Os homens suspeitos foram autuados em flagrante por homicídio qualificado, roubo, corrupção de menores e por integrar organização criminosa. Já o adolescente de 16 anos foi autuado em um ato infracional análogo aos crimes cometidos pelos adultos, exceto a corrupção de menores.

Conforme levantamento preliminar da ocorrência, os suspeitos chegaram ao local atirando e fugiram em seguida. Uma motocicleta, possivelmente utilizada por eles, foi deixada no local e encaminhada para a Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), onde passou por perícia. Ainda no local, outras duas pessoas foram baleadas e encaminhadas para uma unidade hospitalar.

As outras duas vítimas são mulheres, sendo elas mãe, a dona do bar, e filha, que também foram atingidas pelos disparos de arma de fogo. Elas foram socorridas e levadas ao Hospital de Caucaia. A mãe foi ferida em uma das pernas e a filha sofreu uma lesão no braço. As vítimas não correm risco de morte. As duas mulheres foram inicialmente levadas para o Hospital Municipal de Caucaia e precisaram ser transferidas para o Instituto Doutor José Frota (IJF).

Colaborou Levi Aguiar

 

Guerra Sem Fim

O POVO Mais lança a segunda temporada de Guerra Sem Fim, série original que mergulha no universo das facções no Ceará.

O primeiro episódio desta temporada mostra a realidade das famílias expulsas de casa pelas facçõesRefugiados Urbanos

O segundo episódio mostra a disputa interna no PCC que levou ao surgimento da GDEGDE: como nasce uma facção

O terceiro episódio conta a história do jovem que sonhou suceder o pai na hierarquia da facção, mas encontrou outro caminho pela arte, assim como de outros jovens: Juventude Sobrevivente

Nessa segunda-feira, 19, foi lançado o terceiro episódio da nova temporada: “Juventude sobrevivente” revela casos de jovens que conseguem sobreviver nesses territórios dominados pelo terror por meio da arte. Você confere aqui

 

Assista à primeira temporada 

1ª temporada, episódio 1: A onda de violência

Em janeiro de 2019, as facções criminosas no Ceará se uniram contra as ações rígidas dentro das penitenciárias, gerando a maior onda de violência do Estado. Como isso aconteceu?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 2: Tribunais do Crime

O funcionamento interno das facções criminosas no Ceará: como punem seus próprios integrantes?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 3: Caminhos do Crime

A entrada em organizações como as facções é um dos caminhos trilhados pelo crime. O que influencia esse cenário? Como é possível fugir do crime?

Assista aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags