PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Número limite de animais por residência não é mais fiscalizado em Fortaleza

O Ministério Público do Ceará (MPCE), no entanto, considera que deve ser exigida uma autorização sanitária a partir de um número determinado de animais

Leonardo Maia
19:45 | 15/07/2021
Dona de casa que cuida de 35 cachorros busca apoio e lar para os animais (Foto: Arquivo pessoal)
Dona de casa que cuida de 35 cachorros busca apoio e lar para os animais (Foto: Arquivo pessoal)

Atualizada em 16/07, às 22h30min

A criação de animais caninos e felinos, antes limitada pela Lei Municipal nº 8.966/2005, atualmente é fiscalizada por outros elementos. Em nota, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) explicou que verifica se a criação causa transtornos à vizinhança, no que diz respeito à limpeza do local, à presença de vetores no ambiente, ao mau cheiro que cause incômodo e ao excesso de barulho que atrapalhe o sossego.

O novo entendimento do órgão é baseado pelo que determina a Lei Complementar nº 270/2019 do Código da Cidade e considera revogada a antiga lei de 2005, que também versava sobre o tema. Com o novo entendimento, o auto de infração é lavrado com base no artigo 874 do Código da Cidade, que considera como infração média práticas que atrapalhem a higiene, salubridade, conforto e horários de descanso.

Junto ao auto é acompanhado um termo de advertência, para regularização da situação. Por meio de sua assessoria, a Agefis confirmou que não há limitação do número de animais por residência, embora o Ministério Público do Ceará (MPCE) considere que deve ser exigida uma autorização sanitária a partir de um número determinado de animais. 

A promotora Maria do Socorro Costa Brilhante, com atribuição para defesa do Meio Ambiente e Planejamento Urbano de Fortaleza, recomendou em abril deste ano que a Prefeitura da Capital deve adotar medidas necessárias para melhor aplicação da Lei Municipal nº 8.966/2005, que a Agefis considera revogada.

O principal ponto ressaltado pela promotora se refere ao artigo 36 da lei, para a necessidade de autorização para criar mais de cinco animais das espécies canina e felina, com idade superior a 90 dias, no perímetro urbano. Ela considera que a gestão municipal precisa esclarecer um normativo a ser seguido para a autorização, assim como os requisitos a serem observados pelos criadores.

O POVO solicitou uma entrevista com a promotora para falar sobre o caso, mas o MPCE disse que o órgão não se irá se manifestar sobre o caso, porque o assunto está em um processo de “construção de tratativas” com a Procuradoria-Geral do Município de Fortaleza, que analisa a recomendação emitida pela promotora.

LEIA TAMBÉM | Revogada, lei proibia criação de mais de cinco animais domésticos por residência

Sem suporte financeiro, dona de casa cuida de 35 cachorros e busca lar para os animais

Com pandemia, cresce número de animais abandonados em distintas regiões do Ceará

Já para Fernanda Freires, membro da Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE), a antiga lei foi revogada de forma “tácita”. Isso acontece quando há uma outra lei melhor para substituir, mas a legislação antiga não foi oficialmente extinta. A especialista defende que não deve haver cobrança de autorização, independente do número de animais no local. 

“Infelizmente tem protetor que pega um animalzinho todo mazelado para ficar pedindo dinheiro, a gente sabe que existe. O animal nunca fica bom porque ele não tá tratando, ele tá todo tempo pedindo e isso acaba virando um comércio. Tem os que agem de maneira correta e os que atuam de forma errada”, enfatiza Fernanda, que cobra um maior rigor para fiscalização.

Ela lembra que a falta de cuidado com a saúde dos animais pode acabar resultando em prejuízos também para a saúde pública. “Um animal acometido por doenças pode transmitir enfermidades também para o ser humano. O papel do protetor não é ter um centro de zoonoses dentro de sua casa, para fazer com que a população fique em risco, mas sim criar da maneira correta. E aí é onde entra a importância da fiscalização”, defende.

Correção: Inicialmente, Fernanda Freires, membro da Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-CE, considerou que uma autorização é necessária quando os proprietários criam mais de cinco animais em suas residências, mas ela pediu que a versão fosse corrigida após a publicação da reportagem.