PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Famílias aproveitam o Dia das Crianças ao ar livre

Com a pandemia de Covid-19, parques e praças oferecem segurança para crianças brincarem e se exercitarem

Gabriela Custódio
17:37 | 12/10/2020
Erivaldo Gomes, 37, brinca com Maria Eloá, 1, no primeiro Dia das Crianças com a filha. (Foto: Aurélio Alves / O POVO) (Foto: Aurélio Alves / O POVO)
Erivaldo Gomes, 37, brinca com Maria Eloá, 1, no primeiro Dia das Crianças com a filha. (Foto: Aurélio Alves / O POVO) (Foto: Aurélio Alves / O POVO)

Em meio a toalhas estendidas na grama, crianças brincando em balanços e escorregadores de parquinhos e adultos praticando exercícios físicos, diversas famílias comemoraram o Dia das Crianças, na manhã desta segunda-feira, 12, ao ar livre. No contexto da pandemia de Covid-19 e sem aglomeração entre os visitantes, praças e parques ofereceram segurança para quem decidiu aproveitar a folga para passear com as crianças.

A programação do Dia das Crianças de anos anteriores para Maria Laura, 6, e Henrique, 3, filhos da enfermeira e professora universitária Gilmara Holanda, 37, e do analista de sistemas Alfredo Silveira, 46, incluía idas ao shopping, por exemplo. Em 2020, o local escolhido pela família foi o Parque Adahil Barreto. "Também) fomos à praia no sábado e no domingo. Gosto das atividades ao ar livre porque é uma atividade sensorial importante para eles", afirma Gilmara.

Equipado com máscara e capacete, Rafael Camini Ito, 6, pedala rápido com a bicicleta ainda de rodinhas. O pai dele, o engenheiro mecânico Marcelo Ito, 48, o leva ao Parque constantemente desde a reinauguração do local, em 2018, pela segurança que percebe. "Achamos que é um espaço bem interessante. A criança pode sair correndo, mas, como tem o muro, que acaba contendo, ficamos tranquilos porque ele pode rodar e acompanhamos à distância", aponta.

Ao entrar no Parque, os visitantes recebiam algumas orientações. Grupos de piquenique, por exemplo, podiam ter até seis pessoas, e o uso de máscara era obrigatório — exceto ao lanchar —, explica o educador ambiental Eduardo Barbosa. Porém, nem todos seguiam a última regra, e, nesses casos, profissionais do equipamento faziam abordagens. Outras normas referiam-se ao funcionamento do Parque, como a proibição do uso de qualquer tipo de balão.

Para comemorar o primeiro Dia das Crianças com Maria Eloá, a doméstica Tatiana Carvalho Moraes, 37, e o lavador de carros José Erivaldo Gomes, 37, levaram a filha para a Praça Dr Carlos Alberto Studart Gomes, a Praça das Flores. A menina completou o primeiro ano de vida no último domingo, 11, e, por causa da pandemia, essa é a terceira vez que ela passeia com os pais. Tatiana conta que, durante a gravidez, teve diabetes gestacional e, por isso, observar a filha brincar com o pai já é um presente. "Ela foi um milagre, os médicos chegaram a falar que ela não ia nascer. Olhando para ela, vejo que é uma vitória muito grande."

Com parquinho infantil para as brincadeiras das crianças, a praça também foi o destino escolhido pelo representante de vendas Emanuel Viana, 40, para o passeio com a filha, Isabella, de 3 anos, apesar de não ser próxima de onde eles moram. A pandemia também influenciou na mudança de planos da família para a comemoração da data, em relação aos anos anteriores. "Esse é o primeiro ano que ela está um pouco maior. Com um ano, dois anos, íamos mais para shopping mesmo, hoje foi o primeiro dia que resolvi ir para um local ao ar livre, para ficar um pouco mais seguro."