PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Quase 7 mil alunos de Fortaleza não conseguem entregar atividades com aulas remotas

Outros 12 mil estudantes em outros municípios cearenses podem abandonar escola devido à suspensão das aulas presenciais, alerta Unicef

Ítalo Cosme
14:17 | 14/07/2020
Atualmente, a rede de ensino conta com 231 mil estudantes matriculados.
 (Foto: DEÍSA GARCÊZ/Especial para O POVO)
Atualmente, a rede de ensino conta com 231 mil estudantes matriculados. (Foto: DEÍSA GARCÊZ/Especial para O POVO)

A Secretaria Municipal da Educação (SME) monitora diariamente as devolutivas das atividades e a interação dos estudantes da rede pública de ensino de Fortaleza durante a suspensão das aulas presenciais devido à pandemia. Nesse período, conforme o órgão, 3% dos alunos, ou seja, 6.930 alunos, não estão participando das atividades propostas. Enquanto 97% dos 231 mil conseguem realizar os exercícios domiciliares.

“Para o enfrentamento do abandono escolar dentro da Rede, a grande estratégia desenvolvida nas unidades é o acompanhamento diário, com apoio de monitoramento da Superintendência Escolar, da frequência dos estudantes, como instrumento de erradicar a evasão escolar e efetivar o direito de aprender. Vale ressaltar que as escolas são protagonistas e instrumento essencial para o sucesso deste processo de acompanhamento”, frisou a pasta municipal em nota enviada ao O POVO

 

 

A SME afirma utilizar a plataforma Busca Ativa Escolar para aproximação e eliminação da infrequência dos alunos e, com isso, assegurar as aprendizagens, minimizando o abandono escolar e a reprovação. A estratégia monitora, diariamente, a frequência de 100% dos alunos, do Infantil I à Educação de Jovens e Adultos (EJA). Com a percepção de problemas, é adotado “em tempo hábil, medidas que envolvam a família e garantam a presença do estudante na escola”.

De acordo com o órgão, há articulação com o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sindiute) para disponibilizar ao alunado, desde o final de março, atividades pedagógicas em regime de domicílio, por meio do trabalho domiciliar dos profissionais da educação, em conformidade com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB).


Conforme O POVO mostrou na última semana, aproximadamente 12 mil crianças e adolescentes podem abandonar de vez a escola durante este período de suspensão das aulas presenciais devido à pandemia do novo coronavírus em todo o Estado. Os dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) são de 176 municípios cearenses, mas não considera a Capital.

 Rui Aguiar, do Unicef
Rui Aguiar, do Unicef (Foto: Thais Mesquita)

 

Chefe do Escritório do Unicef em Fortaleza, Rui Aguiar pontua que esses alunos mais vulneráveis nunca estiveram ou estavam afastados das classes desde 2017, mas foram reinseridos em 2020 no ensino público. “Se tiverem de distribuir pacote de dados de internet para alguém, essas quase 12 mil crianças seriam grupo prioritário, se precisarem ampliar mais algum benefício, esse número ajuda as políticas públicas a reduzirem os danos da Covid-19 na educação”, sugere.

 

Evasão

Fortaleza se mantém atenta à participação dos estudantes durante o período de suspensão das aulas presenciais. De acordo com o Censo Escolar, entre 2008 e 2018, o município reduziu 93,8% o abandono no Ensino Fundamental. Foi a maior queda entre as capitais do Nordeste. No último ano, o índice de abandono atingiu 0,4%. Em 2018, o percentual ficou em 0,6%. Em 2017, era 1,4%.

Divulgado na última semana, o Conselho Nacional de Educação (CNE) disponibilizou parecer para evitar a reprovação dos estudantes durante o período pandêmico, tendo em vista a dificuldade dos alunos na participação das atividades domiciliares. As medidas podem ser adaptadas em cada estado ou município. Em Fortaleza, a taxa da aprovação foi de 98,1% em 2019. No ano anterior, 96%. A capital figurou, nesse intervalo de tempo, como a que mais reduziu a quantidade de estudantes reprovados no Ensino Fundamental. 1,5 mil repetiram de série no ano passado.