PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Arquidiocese de Fortaleza afirma que igrejas católicas continuarão fechadas

Apesar da permissão para reabrir na segunda-feira, 22, a decisão será mantida por tempo indeterminado até que haja garantia de segurança para os fiéis

17:50 | 20/06/2020
As igrejas permanecerão fechadas por tempo indeterminado (Foto: JÚLIO CAESAR / O Povo)
As igrejas permanecerão fechadas por tempo indeterminado (Foto: JÚLIO CAESAR / O Povo)

A Arquidiocese de Fortaleza garante que as igrejas não abrirão na segunda fase de retomada das atividades, que começa nesta segunda-feira, 22 (22/06). Os templos religiosos, que teriam permissão de atuar com 20% da capacidade, ainda irão manter as medidas de isolamento social rígido.

A decisão será mantida enquanto não houver garantia de segurança máxima para a população, informa a Arquidiocese por meio da assessoria de comunicação. Por isso, não há previsão de voltar às atividades.

Leia também | Ceará passa de 92 mil casos e chega a 5.518 mortes por coronavírus; sete óbitos registrados em um dia

Em carta divulgada no dia 1° de junho, o Arcebispo Metropolitano de Fortaleza, Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, afirma que as restrições são necessárias para manter o bem de todos. “Quem poderia escolher quem participaria das missas e quem não? Ademais, nosso povo tão religioso costuma encher as igrejas para as celebrações. Como conter que saiam de casa apenas alguns e outros não?”, questiona a manifestação.

O texto esclarece que o momento ainda reforça o compromisso da Arquidiocese de Fortaleza com a saúde dos fiéis. “Ninguém controlaria que todos obedecessem às condições que se fazem necessária para evitar o contágio, seja pela locomoção externa, seja pelo encontro com muitas pessoas”, diz.

Leia também | Esporte individual ao ar livre será liberado em Fortaleza a partir de 2ª, academias seguem fechadas

A nota de esclarecimento do Arcebispo cita o apelo que Papa Francisco fez em defesa da Amazônia no dia 31 de junho: “Cuidar das pessoas que são mais importantes que a economia. Nós, pessoas, somos o templo do Espírito Santo, a economia não.”