PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Após protestos, cerimônia de colação de grau da UFC é encurtada

Em nota, a UFC chamou a manifestação de "atitude inconsequente" e atribuiu a um grupo formado por professores e "pessoas estranhas à própria comunidade acadêmica" a responsabilidade do ato

22:56 | 15/01/2020
Cândido Alburquerque foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro em agosto de 2019 como reitor da UFC
Cândido Alburquerque foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro em agosto de 2019 como reitor da UFC (Foto: Julio Caesar/OPOVO)

A segunda noite de colação de grau da Universidade Federal do Ceará (UFC), nesta quarta-feira, 15, passou, assim como no dia anterior, por protestos contra o reitor da instituição, Cândido Albuquerque. Realizada na Concha Acústica, a solenidade foi encurtada.

Em nota, a UFC chamou a manifestação de "atitude inconsequente" e atribuiu a um grupo formado por professores e "pessoas estranhas à própria comunidade acadêmica" a responsabilidade do ato. Afirmou ainda que o ato " comprometeu e abreviou, de maneira sensível, a tradicional execução do evento". Além disso, ressaltou que as "transgressões ritualísticas, de natureza incompatível com a cerimônia" colocaram em risco a segurança tanto das pessoas quanto da solenidade.

A universidade lamentou o acontecimento e informou que tomará medidas para identificar os autores e responsabiliza-los.

Segundo uma fonte que estava no local, a solenidade durou por volta de dez minutos. Ainda de acordo com a fonte, as luzes foram apagadas e os presentes foram pegos de surpresa pelo encurtamento da cerimônia.

Na noite desta quarta, os concludentes dos cursos ofertados pelos Centro de Ciências, Centro de Tecnologia e Centro de Ciências Agrárias, professores, familiares e amigos estavam presentes para a colação de grau dos alunos formados no semestre 2019.2

Em nota, o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Ceará (Adufc), informou que o cerimonial da colação de grau já havia comunicado às autoridades universitárias sobre a redução de tempo do ritual. O sindicato se referiu à nota da Universidade Federal do Ceará como uma "fraude". Nela, a administração superior da UFC disse que o tempo da colação teria sido reduzido por conta dos protestos dos estudantes.

"O conteúdo dessa nota é gravíssimo. A “Administração Superior”, seja lá quem estiver por trás dessa denominação, está utilizando a estrutura institucional de comunicação da Universidade Federal do Ceará para enganar a comunidade universitária e a sociedade em geral". Segundo Adufc, a nota é mais uma clara tentativa de deslegitimar professores, professoras e o próprio movimento estudantil, diante da sociedade.

No fim do texto, o sindicato ainda alertou que "violações de direitos humanos podem estar em vias de ocorrer na UFC."