PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Veja como cumprir as metas de ano novo faltando menos de dois meses pra terminar 2019

2019 está chegando ao fim. Especialistas chamam atenção para os cuidados com a saúde mental na busca por objetivos e reforçam que não existe um momento ideal para iniciar um novo projeto

14:00 | 11/11/2019
Criar metas possíveis e planejar a realização delas é uma forma de organização e de evitar frustrações no fim do ano
Criar metas possíveis e planejar a realização delas é uma forma de organização e de evitar frustrações no fim do ano (Foto: ARQUIVO O POVO)

O ano está terminando. Faltam menos de dois meses para começar um novo ciclo em 2020. Começo do ano é sempre tempo de definir metas, mudar rumos, melhorar o dia a dia. São diversas promessas que fazemos com o intuito de crescermos pessoal e profissionalmente. Melhorar a alimentação, perder peso, correr uma maratona, ler tantos livros, reciclar mais, reclamar menos, começar aquele curso de línguas... E, quando chega novembro e as metas não foram alcançadas? Será que ainda dá tempo?  

A psicóloga Luanna Rodrigues lembra que montar um planejamento é algo que pode gerar grandes benefícios ao “garantir que a pessoa possa visualizar onde ela quer chegar no futuro e comece a agir em busca de uma evolução”. E alerta que para o planejamento não gerar uma “ansiedade patológica” ele precisa ser estruturado em objetivos atingíveis. É preciso se perguntar: qual é o impacto que isso vai gerar? O que me levou a querer isso? Esse desejo é realmente possível ? Ela destacou que nos casos de ansiedade generalizada ou de exaustão emocional, o mais indicado é parar um pouco com a busca e procurar ajuda especializada.

O psicanalista Orlando Cruxên explica que, ao criar um planejamento, é necessário “aceitar suas próprias fraquezas, limitações, conviver com elas e se planejar pensando nas dificuldades que você vai enfrentar para realizar seus desejos”.  E esse planejamento pode ser feito em qualquer momento do ano, basta ser real e possível. Segundo Alex Amarante, coordenador de gerenciamento de projetos da pós-graduação da Universidade de Fortaleza (Unifor), o planejamento é a “ferramenta que vai guiar todas as ações” e por isso precisa ser uma ação “contínua e ajustável” à medida que os eventos ocorram.

Ele ressalta que um bom planejamento envolve ações a longo, médio e curto prazo e que “nenhum desses planos de tempo é suficiente sozinho” sendo importante montar uma ordem sequencial para cada projeto e ir evoluindo progressivamente. Isso, segundo ele, reduz o desgaste na busca por resultados. Um bom planejamento aumenta as chances de sucesso. 

A contadora Bruna Pitombeira estava determinada a atingir um destaque profissional neste ano, mas por volta do mês de maio enfrentou uma severa crise de ansiedade e passou a rever suas prioridades. “Eu cheguei no meu limite”, desabafou. Por causa desse quadro ansioso, ela afirma que teve que “desacelerar o ritmo”.  Mesmo com a mudança de rumos, ela não desistiu.  “A gente não pode esperar a próxima segunda-feira, a próxima semana ou o próximo mês, o momento é agora”, definiu sobre quando recomeçar a buscar seus objetivos.

Alex concorda que não existe tempo ideal e destaca que o principal é “encontrar o propósito de cada desejo”. De acordo com o especialista, ao se pensar na razão que motivou a criação de uma meta específica, torna-se mais difícil desistir. Luanna destaca que “as ações que vão fazer com que os propósitos sejam alcançados estão no presente” e diz que quanto antes as pessoas começarem a trabalhar em seus desejos, maiores serão as chances de alcançá-los. E isso vale para agora, em novembro, ou em qualquer outro mês do ano. 

Para atingir seus objetivos sem negligenciar seu bem-estar, Bruna criou “uma lista em um caderninho” e conforme foi conseguindo cumprir as metas mais simples, passou a se sentir confiante a propor desafios maiores a si mesma. Ela retomou uma “paixão antiga” e se desafiou a ler 30 livros até o fim do ano. Faltando menos de dois meses para o término do prazo, Bruna já leu 32 livros e comenta que passou a encarar as leituras como um passatempo prazeroso e que isso ajudou no quadro de ansiedade e, por consequência, gerou uma “grande melhora no trabalho”.

CUIDADOS COM A SAÚDE MENTAL

> A psicóloga Luanna Rodrigues destaca que os principais sinais de que a pessoa está exigindo demais de si mesma são: instabilidade emocional, distúrbios do sono e/ou alimentares. Ela lembra que embora iniciar projetos novos seja benéfico, o que normalmente acontece é que as pessoas “estão com foco naquilo que elas querem alcançar mas não focam naquilo que elas precisaram mudar”.

> Uma das ações para preservar a saúde mental é se dedicar a um exercício de “autoconhecimento”. Ao criarem metas, as pessoas precisam estar “consciente daquilo que querem atingir e do motivo pelo qual precisam disso”, completou Luanna.

> O psicanalista Orlando Cruxên reforça que, em muitos casos, ocorre a criação de “planos inumanos” que exigem uma dedicação extrema e prejudicial pelo fato de a pessoa não estar totalmente consciente da razão pela qual criou tal propósito. Orlando destaca que uma ação importante para preservar a saúde mental é “conversar sobre suas limitações e dificuldades para atingir seus propósitos”.

> Especialista em gerenciamento de projetos, Alex Amarante destaca que devemos ter em mente que “nenhum projeto é algo individual”. Por isso, é importante buscar apoio nas pessoas mais próximas como forma de aliviar a pressão na busca pelos objetivos.

> Luanna Rodrigues destaca que a procrastinação é um dos sinais de que existe algo errado com a meta e também com o planejamento. Segundo a psicóloga, a busca por esses desejos deve ser algo feito pensando em um retorno “prazeroso”, visando “aquilo que a pessoa deseja para a vida dela”.