PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Alunos e servidores da UFC se mobilizam em preparação para ato na quinta-feira

Congelamento de verbas e projeto Future-se são pontos principais das criticas dos manifestantes

13:01 | 02/10/2019
Alunos pintam cartazes que serão utilizados nesta quinta-feira, 3, durante o ato
Alunos pintam cartazes que serão utilizados nesta quinta-feira, 3, durante o ato(Foto: Divulgação/Adufc)

Alunos, professores e técnicos administrativos da Universidade Federal do Ceará (UFC) realizam paralisação nesta quarta-feira, 2. As atividades foram suspensas para um dia de mobilização nos três Campi de Fortaleza, em Juazeiro do Norte e no Cariri. Cartazes, camisetas e material informativo foram entregues como preparação para o ato que deve ocorrer na manhã de quinta-feira, 3, no cruzamento da Avenida da Universidade com a 13 de Maio contra cortes na verba da educação pública.

“Não é só o problema da crise, também temos os congelamentos impostos [no orçamento]. Além disso, há uma disposição privatizante no governo federal”, diz Irenísia Oliveira, vice-presidente do Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Ceará (Adufc). Ela também critica o programa Future-se proposto pelo Ministério da Educação. Para o ato de amanhã, o tema é a discussão sobre a soberania das universidades públicas no Brasil.

Momento de mobilização aconteceu em três campi de Fortaleza e em dois no interior do Estado
Momento de mobilização aconteceu em três campi de Fortaleza e em dois no interior do Estado (Foto: Divulgação/Adufc)

Keila Camelo, coordenadora geral do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais do Estado do Ceará (Sintufce), afirma que o diálogo com estudantes e servidores está ocorrendo de forma satisfatória. No entanto, ela critica a falta de diálogo do reitor Cândido Albuquerque e diz que sua gestão não é democrática. Durante a mobilização na manhã desta quarta, o reitor passou pelos manifestantes com seguranças e não parou para conversar com os presentes nos jardins da reitoria.

*Com informações do repórter Filipe Pereira/O POVO