PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

O cão da Itaoca, Hilux Preta, Corta-Bundas: nesta sexta-feira, 13, relembramos as histórias mais assustadoras do Ceará

Umas são lendas, outras um engano, algumas até caso de polícia. Para animar esta sexta-feira, 13, O POVO relembra nove histórias assustadoras compartilhadas pelos cearenses

12:29 | 13/09/2019
O suposto veículo de cor escura que aterrorizou Fortaleza e Região Metropolitana foi avistado em vários bairros da Capital a cometer crimes como sequestro, tiroteios e até ocultação de cadáver.
O suposto veículo de cor escura que aterrorizou Fortaleza e Região Metropolitana foi avistado em vários bairros da Capital a cometer crimes como sequestro, tiroteios e até ocultação de cadáver.(Foto: Carlus/O POVO)

Preparem os terços, o sal e deixem a reza na ponta da língua: o Ceará, a terra da luz, também é território de assombração. Pelo menos, é o que dizem as línguas e creem os populares há, pelo menos, 85 anos - primeira vez que o jornal O POVO apurou, no bairro Otávio Bonfim, alertas de moradores acerca de uma casa mal-assombrada. De lá para cá, muita coisa surgiu: a Casa do Cão de Itaoca, o Bicho da Água Verde, a Cobra do Extra, a Hilux Preta, o Corta-Bundas do José Walter… Relembre a seguir as principais lendas ou histórias assustadores acontecidas ou, pelo menos, acreditadas, em Fortaleza:

Corta-bundas do José Walter

Esse não é lenda. Ocorreu entre 1984 e 1987, no bairro José Walter, a história de Evandro Oliveira da Silva, 26, maníaco que aterrorizou a região pela prática de invadir casa para retalhar as nádegas de mulheres e até crianças. O criminoso não roubava nem tentava matar a vítima. Em depoimento, negou interesse sexual - seu prazer era apenas talhar um corte profundo. Durante os anos de atuação, dezenas foram atribuídos ao Corta-Bundas, mas o criminoso, que sempre reconheceu a culpa, assumiu apenas dez. Um dia foi reconhecido por uma vítima, que acionou a polícia. O homem foi preso em 1987 e morreu assassinado no antigo presídio Instituto Professor Olavo Oliveira. Confira a reportagem do jornal O POVO à época da prisão:

Clique na imagem para abrir a galeria

Lobisomem da RFFSA

O Lobisomem da RFFSA vivia nos trilhos e vagões abandonados da estrada ferroviária.  Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte
O Lobisomem da RFFSA vivia nos trilhos e vagões abandonados da estrada ferroviária. Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte (Foto: Carlus Campos/O POVO)

Reza a lenda, um antigo funcionário da Rede Ferroviária Federal (RFFSA) foi demitido e não tinha aonde viver. Foi morar nos trilhos, em vagões abandonados. Sujo, grosso, de unhas grandes, descobriu-se, ainda, ser o homem um lobisomem. A história assustou os moradores próximos aos trilhos na década de 60, e muitos afirmaram ter visto a criatura circular no caminho de ferro. Vale lembrar: segundo as lendas, lobisomens só podem ser criados às sextas-feiras 13 de Lua Cheia. Como hoje.

Na casa mal-assombrada do Otávio Bonfim, uma menina chegou a ser atacada pelo
Na casa mal-assombrada do Otávio Bonfim, uma menina chegou a ser atacada pelo (Foto: O POVO.doc)

A casa mal-assombrada do Otávio Bonfim

Em 30 de maio de 1934, as atenções da Capital cearense estavam voltadas para uma casa do bairro Otávio Bonfim, nas proximidades da avenida Domingos Olímpio. Segundo denunciavam vizinhos e mesmo um ex-morador da casa, João Escóssio, a construção era constantemente abalada por ruídos e pancadas misteriosas. Alguns alegavam, inclusive, ter visto cadeiras “virarem de pernas para o ar”. Mas o que chamou mais atenção foi o caso da pequena Maria Águeda, uma criança que teria sido atacada repetidamente por “um espírito louco”. O jornal O POVO, em visita noturna ao local, não encontrou senão uma turba de curiosos que procuravam o assombro com os próprios olhos. Para tantos incrédulos ali presentes, os barulhos e o ataque a Maria Águeda eram, na verdade, caso de polícia.

A Hilux preta

O suposto veículo de cor escura que aterrorizou Fortaleza e Região Metropolitana foi avistado em vários bairros da Capital a cometer crimes como sequestro, tiroteios e até ocultação de cadáver. Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte
O suposto veículo de cor escura que aterrorizou Fortaleza e Região Metropolitana foi avistado em vários bairros da Capital a cometer crimes como sequestro, tiroteios e até ocultação de cadáver. Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte (Foto: Carlus Campos/O POVO)

A trajetória da Hilux preta segue, de perto, o dito popular: o povo aumenta, mas não inventa. O suposto veículo de cor escura que aterrorizou Fortaleza e Região Metropolitana foi avistado em vários bairros da Capital a cometer crimes como sequestro, tiroteios e até ocultação de cadáver. Eram ações colaterais, pois que, segundo contava-se, a atividade principal do 4x4 era sequestrar crianças para retirar-lhes o fígado. Mas a história pode ter surgido de um acontecimento factível, conforme apurado pela edição especial Histórias que o povo conta do Vida&Arte:

No Planalto das Goiabeiras, na Barra do Ceará, O POVO localizou à família de Verinaldo de Oliveira Venuto, desaparecido em 1º de novembro de 2005. De acordo com a mãe, Verônica Venuto, o adolescente, na época 16 anos, foi raptado numa borracharia na avenida Roberto Kennedy, onde havia parado após um jogo de futebol, num fim de tarde. Verinaldo teria sido abordado por um homem saído de um carro preto. “Era um Eco Sport preto”, conta José Landim da Silva Nascimento, 15 anos, colega e vizinho da família. Após presenciar o rapto de Verinaldo, Landim à família.

A história, naturalmente, foi compartilhada na região. No boca-a-boca, o Eco Sport preto virou Hilux preta. Em algum momento, passou a raptar crianças, dizem. Aliás, o enredo em recorrente: nos anos 80, circulava pela cidade a história de que um Opala preto estava a sequestrar crianças. Motivo? Retirar os órgãos.

A Cobra do Extra

A lenda da Cobra do Extra não nasceu no Ceará, mas aqui também encontrou espaço.  Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte
A lenda da Cobra do Extra não nasceu no Ceará, mas aqui também encontrou espaço. Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte (Foto: Carlus/O POVo)

Pais e filho no supermercado. A criança, pequena, dormia no carrinho. Foram às compras, depois ao caixa. Mas o filho não acordou. Estava morto, picado por uma cobra. A Cobra do Extra. O boato surgiu em 2002 e se espalhou por vários estados brasileiros. No Ceará, a rede de supermercados tinha uma loja no Shopping Iguatemi, portanto, nas proximidades do mangue, ambiente que, naturalmente, abriga vários répteis do tipo. O assunto correu entre funcionários e frequentadores. Resultado: o boato pegou. Foi preciso a companhia emitir uma nota de alcance nacional sobre o assunto. “O Extra realizou uma minuciosa vistoria em suas lojas e acionou órgãos competentes como hospitais, delegacias e próprio IML, e chegou à constatação, juntamente com as autoridades locais, de que o comentário não passava de um boato irresponsável e mal intencionado, esclarecendo que o fato nunca existiu e que nada semelhante a essa história havia acontecido”.

O Bicho da Água Verde

Matéria sobre o Monstro da Água Verde publicado na revista Cruzeiro.  Em 25/11/2006
Matéria sobre o Monstro da Água Verde publicado na revista Cruzeiro. Em 25/11/2006 (Foto: Fco Fontenele/O POVO)

De Fortaleza do Maciço do Baturité. Do Ceará para o Brasil. A pequena cidade serrana de Palmácia foi manchete em jornais nacionais na década de 60 pelos misteriosos avistamentos de uma criatura indecifrável, monstruosa, que rondava as águas verdoengas do açude Botija da fazenda Água Verde. As descrições foram inúmeras: uma tartaruga com chifres, um dinossauro remanescente, uma cobra gigante e até um ser medonho, de chifres e um olho só, “com cara de boi”. O certo era - vivia na água, vinha à superfície vez por outra. A população logo foi proibida de mergulhar e as autoridades pediram auxílio. O caso ganhou repercussão e, ao redor do açude, estavam barracas de venda de comidas e outros itens do município que chegou a receber 500 visitantes em um busca de avistar o semovente. Policiais foram instalados ali e, um deles, avistou a tal criatura. Disparou três vezes. Uma semana depois, foi encontrado nas margens, com 32 quilos e 1,6 metros de comprimento. Era um jacaré. 

A Casa do Cão de Itaoca

O Cão existe e morou em uma casa na Itaoca, Fortaleza. Foi na década de 40 a estadia. O Coisa-Ruim fez-se manifesto de diversos modos, segundo contam: um santuário se lançou, sozinho, à destruição; um fogão virou, espontaneamente, para baixo; talheres, pratos e copos passaram a dançar na casa da rua Romeu Martins. Por culpa do Demo, disseram os moradores. A história foi tanta que em 1941 foi capa dos principais jornais em circulação na Capital cearense e assunto da única emissora de rádio da região. Da família que ali vivia quando o Tinhoso aportou ninguém mais soube. Mas, ido embora o hóspede maldito, a casa voltou a ser ocupada. Por gente mesmo. A história foi tema O POVO.dom, em 2015:

Maníaco da Seringa

Volta e meia, alguém é detido, nas mais diversas localidades, pela prática criminosa. Não se trata, portanto, de uma lenda ou de uma figura específica.  Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte
Volta e meia, alguém é detido, nas mais diversas localidades, pela prática criminosa. Não se trata, portanto, de uma lenda ou de uma figura específica. Ilustração para o especial Histórias que o povo conta, do Vida&Arte (Foto: Carlus Campos/O POVO)

Ele já foi visto nas maiores praças do Centro de Fortaleza. Também é presença costumeira em festas de Carnaval. Além do Ceará, já atuou em São Paulo, Bahia, Rio Grande do Norte, entre outros estados. É branco, é negro, é novo, é velho, ambíguo. Isso porque o “Maníaco da Seringa” entrou para o imaginário popular e as páginas policiais como um indíviduo que, armado de seringa repleta de sangue, infecta em uma picada transeuntes e foliões com o vírus do HIV. Volta e meia, alguém é detido, nas mais diversas localidades, pela prática criminosa. 

Não se trata, portanto, de uma lenda ou de uma figura específica. Mas um homem já foi detido pelo menos quatro vezes por repetir o crime. É Francisco Nogueira, 45, encontrado pela primeira vez em 2013 no bairro Benfica. O homem nunca foi pego com seringa, mas as vítimas o apontam como o culpado da prática nos arredores do Instituto José Frota (IJF), do terminal do Siqueira, no Centro de Fortaleza… A última vez que apareceu foi em 2015.

Perna Cabeluda

A Perna Cabeluda aportou no Ceará na década de 70. Mas, até hoje, a criatura é lembrada
A Perna Cabeluda aportou no Ceará na década de 70. Mas, até hoje, a criatura é lembrada (Foto: Reprodução/Redes sociais)

“Quando a gente veio morar na Barra do Ceará, e eu tinha mais ou menos 10 anos, surgiu a história de que tinha essa Perna Cabeluda. Eu morria de medo”, contou a professora de Ensino Médio Elizabeth Carvalho ao jornal O POVO em 2007, data de publicação do especial do Vida&Arte Histórias que o povo conta. A memória da Perna Cabeluda surgiu por volta da década de 70 e alertava para os perigos dessa criatura fantástica cujo hábito seria esperar, no escuro da noite, um transeunte desavisado para aplicar-lhe chutes, sem distinção de gênero nem idade. Mas Elizabeth garante não ser só lenda a assustadora perna autônoma repleta de pelos: “Lembro que uma vez a gente tava na cozinha e eu saí. Eu devia ter uns 15 anos no máximo e vi um vulto assim, passando. Saí correndo, gritando que tinha visto a Perna Cabeluda!”, relembra, aos risos.