PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Força Aérea permuta Vila Militar da Aeronáutica abandonada em Fortaleza

Novo proprietário só assume responsabilidade do local após entrega de espaço no Rio Grande do Norte

Ítalo Cosme
16:44 | 04/09/2019
Situação de abandono na Vila Militar no bairro Praia de Iracema
Situação de abandono na Vila Militar no bairro Praia de Iracema(Foto: Italo Cosme / Especial para O POVO)

A Força Aérea Brasileira permutou a Vila Militar da Aeronáutica, localizada nos cruzamentos das ruas historiador Guarino Alves com Tigipió, na Praia de Iracema. A empresa vencedora do processo de licitação deve assumir o local tão logo finalize o espaço de convivência militar no município de Parnamirim, no Rio Grande do Norte. Até a publicação desta matéria, a Aeronáutica não informou o nome da empresa ganhadora ou construtora responsável pela obra.

Esse, já finalizado, é um dos dois processos licitatórios, em Fortaleza, na alçada da Força Aérea. O outro trata-se de imóveis da União, localizados no Meireles. Está previsto a venda de quatro alojamentos e um clube recreativo. O negócio é avaliado em R$ 26,9 milhões. A intenção da FAB é vender esses equipamentos em troca da construção de dois edifícios em Anápolis, em Goiás.

Enquanto o antigo espaço da Aeronáutica não passa para novo comando, a situação é de abandono. Com mais de cinco décadas morando próximo à área da Vila vendida, uma senhora contesta a utilização do espaço. “Poderiam fazer qualquer coisa. Tem tanta gente precisando de casa”. De acordo com ela, nos últimos anos de uso, o alojamento foi ocupado por sargentos, capitães e coronéis da Aeronáutica.

"Foram saindo aos poucos, depois colocaram uns cachorros para vigiar. Mas não serviu de nada, e eles tiraram. Hoje está assim…”, aponta para um dos quarteirões com amontoados de lixo. Conforme o relato, homens da aeronáutica fazem a ronda no local.

Veja vídeo do local

 

Localizada numa das principais vias de acesso à Beira Mar, a vila Militar da Aeronáutica, na Praia de Iracema, está abandonada. Cerca de 20 casas ocupam o local disposto em quatro quarteirões. Tanto dentro quanto no entorno do antigo alojamento acumula-se lixo e serve como rota de fuga para assaltantes.

Em um dos casos de assalto, segundo relato de trabalhadores próximo à Vila, indivíduos entraram em um dos terrenos e, pelos fundos, roubaram os aparelhos de ar-condicionado de uma escola próxima. Desde então, sistema de cerca elétrica foi instalado para coibir novas investidas criminosas contra a unidade escolar.

Confira galeria de fotos

 

Clique na imagem para abrir a galeria

Em outra situação, conta um morador, criminosos deixaram celulares dentro do antigo alojamento militar. Pouco tempo depois, a Polícia chegou ao local e recuperou os aparelhos, que tinham sistema de rastreamento.

As casas já tiveram furtadas as telhas, os portões e janelas. Para evitar a entrada nos espaços, fecharam as aberturas dos locais com tijolos; mesmo assim, foram quebrados e o espaço ficou acessível novamente.

Residente no local há 30 anos, uma senhora relata que homens do Exército vão ao local fazer ronda durante o dia, mas à noite não aparece ninguém. “Eu escuto os gritos quando está ocorrendo algum assalto. É um absurdo. Um dia desses, ouvi uma mulher gritando, eu me abaixei com medo dos tiros", relata.

A Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS) deve entrar em contato com o comandante da Base Aérea na Capital para que adote providências efetivas com manutenção e medidas no local. O espaço é tido como “ponto estratégico” para evitar focos de Aedes aegypti.

De acordo com Carlos Barbosa, coordenador do núcleo controle de endemias da SMS, equipes visitam o lugar regularmente. A última inspeção de agosto ocorreu no dia 23. “Na segunda-feira, 2, retornamos para fazer a aplicação de inseticida para eliminação dos mosquitos na fase alada”, informa.