Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Vídeo mostra festa de aniversário de facção em Fortaleza com bolo de dois andares

18 pessoas foram presas suspeitas de envolvimento nessas ações. A Polícia Civil informou que a delegacia do 19º Distrito Policial apura o caso do vídeo que mostra o aniversário no Parque São José
22:51 | Set. 03, 2019
Autor
Foto do autor
Autor
Tipo Notícia

Festas de aniversário da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) foram registradas nesse último fim de semana. Os eventos aconteceram no sábado, 31, nos bairros Passaré e Parque São José, em Fortaleza, e no município de Aracati, interior do Estado. 18 pessoas foram presas suspeitas de envolvimento nessas ações. 

A Polícia Civil informou que a delegacia do 19º Distrito Policial apura o caso dos vídeos que mostram o aniversário da facção no Parque São José. O POVO Online apurou que este caso foi registrado na comunidade da Vertical, localizada na avenida Cônego de Castro. As investigações seguem com o objetivo de identificar os suspeitos que aparecem nas imagens.

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) prendeu um casal, nesse domingo, 1º. Maconha e balança de precisão foram apreendidos. Francisca Talismara Silva Sousa, de 19 anos, gestante de seis meses, e Levi Oliveira da Silva, de 34 anos, foram presos. Levi possuía mandado de prisão em aberto por tráfico de drogas, receptação, porte ilegal de arma de fogo e posse de uso restrito. Levi ainda tem passagens por tráfico, associação criminosa e adulteração de sinal identificador de veículo automotor.

Festa em Aracati

Por meio de nota, a Polícia Civil do Estado do Ceará informou que a operação foi realizada pela Delegacia Regional de Aracati com apoio do Departamento de Polícia do Interior Sul e da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core), das Delegacias Municipais de Beberibe, Icapuí e Fortim e da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

13 adultos foram presos e três adolescentes foram apreendidos. Na residência foram apreendidos dois revólveres, uma espingarda, maconha, balança de precisão, 15 aparelhos celulares e duas facas. Bolos e copos eram personalizados com o tema da facção criminosa.

Denúncia

Conforme a Secretaria da Segurança, os cidadãos podem contribuir com as investigações repassando informações que possam auxiliar os trabalhos policiais. As denúncias podem ser feitas pelo número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o (85) 3101-4910/3101-4911 do 19° Distrito Policial (DP). O órgão garante o sigilo e o anonimato.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ação da Sefaz e SSPDS resulta em recuperação de R$ 425 mil de ICMS

Fortaleza
23:46 | Ago. 18, 2021
Autor Isabela Queiroz Especial para O POVO
Foto do autor
Isabela Queiroz Especial para O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE), por meio da Delegacia de Combate aos Crimes Contra a Ordem Tributária (DCCOT), apreendeu no último sábado, 14, uma carga de 22 toneladas de queijo muçarela com notas fiscais irregulares. A mercadoria, avaliada em R$ 748 mil, estava em um caminhão nas proximidades do Mercado São Sebastião, no Centro de Fortaleza.

A ação faz parte de uma investigação conjunta das Secretarias da Fazenda do Ceará (Sefaz-CE) e da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), que por meio da Coordenadoria de Inteligência (Coin) e da PC-CE, resultou na recuperação de mais de R$ 425 mil referentes ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e multas.

Após constatarem a irregularidade, os auditores da Sefaz aplicaram infração no valor de R$ 201,9 mil, referentes ao ICMS e à multa. A quantia foi paga e os produtos liberados. Durante a fiscalização, os servidores interditaram o depósito clandestino onde as peças de queijo seriam armazenadas. No local, havia mais três mil quilos de queijo muçarela, sem notas fiscais, em uma câmara fria. Em uma outra sala, foram localizados 800 quilos de presunto e 180 quilos de linguiça em condições precárias de acondicionamento.

Nessa terça-feira, 17, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) esteve no local e verificou que as peças de queijo estavam adequadas para o consumo. A partir desse laudo, os auditores da Fazenda puderam autuar o estabelecimento, aplicando um auto de infração no valor de R$ 33 mil relativo ao ICMS devido e à multa. Já os quilos de linguiça e presunto foram considerados impróprios ou vencidos pela Agefis e serão incinerados.

A Agência determinou ainda que o estabelecimento deve adotar vários procedimentos sanitários, como higienização, controle de pragas, armazenamento e acondicionamento correto dos alimentos. A titular da DCCOT, delegada Kamilly Campos, explicou, por meio de nota, que as investigações iniciaram na especializada com foco no setor de laticínio, em especial, queijo muçarela oriundo de outros Estados, visando o combate à fraude fiscal, à concorrência desleal e aos crimes contra o consumidor.

Segunda ação em menos de dez dias

A ação de sábado, 14, foi a segunda desenvolvida pelas Forças de Segurança e a Sefaz-CE. No último dia 6, um caminhão com cerca de 20,7 toneladas de queijo muçarela foi apreendido por transportar carga sem notas fiscais. A apreensão aconteceu no Município de Caucaia, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A carga foi avaliada em R$ 579,6 mil. Nessa operação, foi lavrado um auto de infração no valor de R$ 191,2 mil, também referentes ao ICMS e à multa.

A secretária da Fazenda, Fernanda Pacobahyba, e o gestor da SSPDS, Sandro Caron, ressaltaram a cooperação entre as Forças de Segurança Pública e a Sefaz no combate à sonegação de tributos fiscais estaduais.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Único presídio de segurança máxima do Ceará já recebe chefes de facções

VEJA VÍDEO E FOTOS
00:30 | Ago. 17, 2021
Autor Lucas Barbosa
Foto do autor
Lucas Barbosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo

Controle total. Assim a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) apresenta a primeira Unidade Prisional de Segurança Máxima do Estado, localizada no Complexo Penitenciário de Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. Na última quarta-feira, 11, a mais nova arma do Estado na busca por neutralizar as facções criminosas foi apresentada à imprensa. A unidade já conta com 40 internos e há previsão de que esse número chegue até a 120. O presídio, ao todo, tem capacidade para 168 presos.

 

Recém-inaugurada, a unidade ainda exalava o novo quando visitada pelo O POVO. As estruturas são bem conservadas, de pinturas recém-feitas, os equipamentos funcionavam sem problemas e o local é limpo e inodoro. O silêncio também era absoluto, mesmo nas alas que já recebiam presos. O secretário de Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, explicou que gritos e demais barulhos são indesejados por abafar outros sons, que podem denunciar transgressões. Naquela quarta-feira, a unidade estava arejada e iluminada, mesmo no local onde ficam as celas, que não possuem energia elétrica.

Mauro Albuquerque, secretário da Administração Penitenciária, no presídio de segurança máxima
Mauro Albuquerque, secretário da Administração Penitenciária, no presídio de segurança máxima (Foto: Aurelio Alves)

Para entrar no presídio, mesmo visitantes, como os jornalistas que estiveram presente à visita — cujo cicerone foi o próprio Mauro Albuquerque —, precisam ser submetidos a detector de metal. Assim como também têm de passar seus pertences em máquina de raio-X, que detecta possíveis objetos ilícitos introduzidos. Celulares não podem entrar na unidade. Além disso, há outra máquina, de bodyscanner, esta voltada para o próprio corpo de quem ingressa na unidade. Drogas já foram encontradas em partes íntimas de visitantes e em objetos como cabos de vassoura, lembra Mauro Albuquerque.

+ LEIA TAMBÉM| Conheça as normas do primeiro presídio de segurança máxima do Ceará

Vigilância aproximada

Passado o primeiro filtro, o visitante encontra corredores divididos por setores, cada um separado por grades. Já dentro da unidade, os presos só se deslocam dentro de um espaço delimitado por faixas pintadas no chão. Eles são sempre acompanhados por policiais penais e, sobre suas cabeças, em um segundo piso, estão mais policiais acompanhando o detento — são os chamados “superiores”. Todos são munidos com armas de menor potencial ofensivo. A chamada vigilância aproximada feita 24 horas por dia é o “principal segredo” da unidade, diz o secretário. “A vigilância aproximada permite até que os agentes escutem o que os policiais falem”, destacou.

Veja imagens do presídio:

Já nas celas, os únicos locais não alcançados pelas 203 câmeras de vigilâncias do presídio, as portas só abrem automaticamente, mediante acionamento de policiais penais. Há nelas portinholas pelas quais os presos são, primeiramente, visualizados pelos agentes e, em seguida, algemados, caso precisem sair das celas. Também são por esses espaços que passam as refeições. As medidas trazem mais segurança aos policiais penais, já que minimizam o contato, frisou Mauro. As celas abrigam até dois presos. Sem energia, há apenas água nas celas, para banho, necessidades fisiológicas e lavagem de roupa. Os colchões disponibilizados, por sua vez, são anti-inflamáveis. E há telas mesmo nos cobogós. Grades, aliás, há mesmo no teto da área destinada ao banho de sol. Porém, esse banho de sol pode ser feito até mesmo em algumas das celas. Os presos ainda são revistados antes e depois da saída da cela, que também passa por averiguação enquanto o detento está fora. Qualquer dano identificado, o detento será responsabilizado, administrativa e penalmente, afirma Mauro.

LEIA TAMBÉM| Fugas de presos no Ceará caem de mais de mil por ano para 26 em 2020

Além disso, as visitas, sejam de advogados, sejam de familiares, só ocorrem em parlatórios. Durante os encontros, os presos não têm contato físico com os visitantes, pois um vidro anti-impacto os separa. As conversas são feitas por telefone. O presídio também conta com área para videoconferências, evitando que os presos precisem sair da unidade para comparecer a audiências judiciais. Externamente, a unidade conta com duas muralhas e é monitorada por drones. À noite, há ronda com cães. Além disso, a nova penitenciária se encontra em um complexo onde está localizada a sede do Grupo de Ações Penitenciárias (GAP), destacou Mauro Albuquerque, o que também diminui os riscos de motim e fugas. Chapas de aço estão sob o piso do presídio, que foi construído sobre uma rocha.

A estrutura foi testada por um ano, conta Mauro Albuquerque. O secretário cita que, entre os testes, cerca de dez policiais penais foram dispostos em uma cela e tentaram arrombar a porta. “Dávamos equipamentos para eles, e a gente viu que (a cela) é totalmente segura, imagina com um ou dois internos”, diz ele.

Único presídio de segurança máxima do Ceará, na BR-116, km 27, em Aquiraz
Único presídio de segurança máxima do Ceará, na BR-116, km 27, em Aquiraz (Foto: Aurelio Alves)

Evolução em relação a presídios federais

O secretário afirmou que o presídio estadual traz evoluções na comparação com os presídios de segurança máxima federais, a exemplo das portas com abertura automática e o monitoramento feito por policiais pelo alto. Isso não quer dizer, afirmou, que o sistema federal não vá ser mais acionado, mas, agora, o Estado dispõe dessa opção. “Se tiver a necessidade, por ‘n’ fatores, a gente manda (para os presídios federais). Os que estão voltando, a gente está recebendo. Como voltaram 28, falaram que iam tocar fogo no Ceará… Vocês nunca ouviram falar deles, porque o sistema está estabilizado, consegue manter a segurança”, disse, citando ainda que “faz algum tempo” que o Ceará não envia presos ao sistema federal.

"Antes, eram bônus fazer parte de facção, ser líder. Agora, é só ônus”, afirmou o secretário na apresentação da unidade. “O Estado tem endurecido, o Estado tem dado uma resposta. Hoje, o Estado tem o controle”, continuou. “Desde 2019, as pessoas não estão querendo ser mais líderes (de facção). Porque agora estão respondendo ao rigor da lei”.

Guerra Sem Fim

O POVO Mais lança a segunda temporada de Guerra Sem Fim, série original que mergulha no universo das facções no Ceará.

O primeiro episódio desta temporada mostra a realidade das famílias expulsas de casa pelas facçõesRefugiados Urbanos

O segundo episódio mostra a disputa interna no PCC que levou ao surgimento da GDEGDE: como nasce uma facção

O terceiro episódio conta a história do jovem que sonhou suceder o pai na hierarquia da facção, mas encontrou outro caminho pela arte, assim como de outros jovens: Juventude Sobrevivente

Nessa segunda-feira, 19, foi lançado o terceiro episódio da nova temporada: “Juventude sobrevivente” revela casos de jovens que conseguem sobreviver nesses territórios dominados pelo terror por meio da arte. Você confere aqui

 

Assista à primeira temporada 

1ª temporada, episódio 1: A onda de violência

Em janeiro de 2019, as facções criminosas no Ceará se uniram contra as ações rígidas dentro das penitenciárias, gerando a maior onda de violência do Estado. Como isso aconteceu?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 2: Tribunais do Crime

O funcionamento interno das facções criminosas no Ceará: como punem seus próprios integrantes?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 3: Caminhos do Crime

A entrada em organizações como as facções é um dos caminhos trilhados pelo crime. O que influencia esse cenário? Como é possível fugir do crime?

Assista aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Conheça por dentro o único presídio de segurança máxima do Ceará, que recebe chefes de facções

VEJA VÍDEO E FOTOS
13:36 | Ago. 16, 2021
Autor Lucas Barbosa
Foto do autor
Lucas Barbosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Controle total. Assim a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) apresenta a primeira Unidade Prisional de Segurança Máxima do Estado, localizada no Complexo Penitenciário de Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. Na última quarta-feira, 11, a mais nova arma do Estado na busca por neutralizar as facções criminosas foi apresentada à imprensa. A unidade já conta com 40 internos e há previsão de que esse número chegue até a 120. O presídio, ao todo, tem capacidade para 168 presos.

 

Recém-inaugurada, a unidade ainda exalava o novo quando visitada pelo O POVO. As estruturas são bem conservadas, de pinturas recém-feitas, os equipamentos funcionavam sem problemas e o local é limpo e inodoro. O silêncio também era absoluto, mesmo nas alas que já recebiam presos. O secretário de Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, explicou que gritos e demais barulhos são indesejados por abafar outros sons, que podem denunciar transgressões. Naquela quarta-feira, a unidade estava arejada e iluminada, mesmo no local onde ficam as celas, que não possuem energia elétrica.

Mauro Albuquerque, secretário da Administração Penitenciária, no presídio de segurança máxima
Mauro Albuquerque, secretário da Administração Penitenciária, no presídio de segurança máxima (Foto: Aurelio Alves)

Para entrar no presídio, mesmo visitantes, como os jornalistas que estiveram presente à visita — cujo cicerone foi o próprio Mauro Albuquerque —, precisam ser submetidos a detector de metal. Assim como também têm de passar seus pertences em máquina de raio-X, que detecta possíveis objetos ilícitos introduzidos. Celulares não podem entrar na unidade. Além disso, há outra máquina, de bodyscanner, esta voltada para o próprio corpo de quem ingressa na unidade. Drogas já foram encontradas em partes íntimas de visitantes e em objetos como cabos de vassoura, lembra Mauro Albuquerque.

+ LEIA TAMBÉM| Conheça as normas do primeiro presídio de segurança máxima do Ceará

Vigilância aproximada

Passado o primeiro filtro, o visitante encontra corredores divididos por setores, cada um separado por grades. Já dentro da unidade, os presos só se deslocam dentro de um espaço delimitado por faixas pintadas no chão. Eles são sempre acompanhados por policiais penais e, sobre suas cabeças, em um segundo piso, estão mais policiais acompanhando o detento — são os chamados “superiores”. Todos são munidos com armas de menor potencial ofensivo. A chamada vigilância aproximada feita 24 horas por dia é o “principal segredo” da unidade, diz o secretário. “A vigilância aproximada permite até que os agentes escutem o que os policiais falem”, destacou.

Veja imagens do presídio:

Já nas celas, os únicos locais não alcançados pelas 203 câmeras de vigilâncias do presídio, as portas só abrem automaticamente, mediante acionamento de policiais penais. Há nelas portinholas pelas quais os presos são, primeiramente, visualizados pelos agentes e, em seguida, algemados, caso precisem sair das celas. Também são por esses espaços que passam as refeições. As medidas trazem mais segurança aos policiais penais, já que minimizam o contato, frisou Mauro. As celas abrigam até dois presos. Sem energia, há apenas água nas celas, para banho, necessidades fisiológicas e lavagem de roupa. Os colchões disponibilizados, por sua vez, são anti-inflamáveis. E há telas mesmo nos cobogós. Grades, aliás, há mesmo no teto da área destinada ao banho de sol. Porém, esse banho de sol pode ser feito até mesmo em algumas das celas. Os presos ainda são revistados antes e depois da saída da cela, que também passa por averiguação enquanto o detento está fora. Qualquer dano identificado, o detento será responsabilizado, administrativa e penalmente, afirma Mauro.

LEIA TAMBÉM| Fugas de presos no Ceará caem de mais de mil por ano para 26 em 2020

Além disso, as visitas, sejam de advogados, sejam de familiares, só ocorrem em parlatórios. Durante os encontros, os presos não têm contato físico com os visitantes, pois um vidro anti-impacto os separa. As conversas são feitas por telefone. O presídio também conta com área para videoconferências, evitando que os presos precisem sair da unidade para comparecer a audiências judiciais. Externamente, a unidade conta com duas muralhas e é monitorada por drones. À noite, há ronda com cães. Além disso, a nova penitenciária se encontra em um complexo onde está localizada a sede do Grupo de Ações Penitenciárias (GAP), destacou Mauro Albuquerque, o que também diminui os riscos de motim e fugas. Chapas de aço estão sob o piso do presídio, que foi construído sobre uma rocha.

A estrutura foi testada por um ano, conta Mauro Albuquerque. O secretário cita que, entre os testes, cerca de dez policiais penais foram dispostos em uma cela e tentaram arrombar a porta. “Dávamos equipamentos para eles, e a gente viu que (a cela) é totalmente segura, imagina com um ou dois internos”, diz ele.

Único presídio de segurança máxima do Ceará, na BR-116, km 27, em Aquiraz
Único presídio de segurança máxima do Ceará, na BR-116, km 27, em Aquiraz (Foto: Aurelio Alves)

Evolução em relação a presídios federais

O secretário afirmou que o presídio estadual traz evoluções na comparação com os presídios de segurança máxima federais, a exemplo das portas com abertura automática e o monitoramento feito por policiais pelo alto. Isso não quer dizer, afirmou, que o sistema federal não vá ser mais acionado, mas, agora, o Estado dispõe dessa opção. “Se tiver a necessidade, por ‘n’ fatores, a gente manda (para os presídios federais). Os que estão voltando, a gente está recebendo. Como voltaram 28, falaram que iam tocar fogo no Ceará… Vocês nunca ouviram falar deles, porque o sistema está estabilizado, consegue manter a segurança”, disse, citando ainda que “faz algum tempo” que o Ceará não envia presos ao sistema federal.

"Antes, eram bônus fazer parte de facção, ser líder. Agora, é só ônus”, afirmou o secretário na apresentação da unidade. “O Estado tem endurecido, o Estado tem dado uma resposta. Hoje, o Estado tem o controle”, continuou. “Desde 2019, as pessoas não estão querendo ser mais líderes (de facção). Porque agora estão respondendo ao rigor da lei”.

Guerra Sem Fim

O POVO Mais lança a segunda temporada de Guerra Sem Fim, série original que mergulha no universo das facções no Ceará.

O primeiro episódio desta temporada mostra a realidade das famílias expulsas de casa pelas facçõesRefugiados Urbanos

O segundo episódio mostra a disputa interna no PCC que levou ao surgimento da GDEGDE: como nasce uma facção

O terceiro episódio conta a história do jovem que sonhou suceder o pai na hierarquia da facção, mas encontrou outro caminho pela arte, assim como de outros jovens: Juventude Sobrevivente

Nessa segunda-feira, 19, foi lançado o terceiro episódio da nova temporada: “Juventude sobrevivente” revela casos de jovens que conseguem sobreviver nesses territórios dominados pelo terror por meio da arte. Você confere aqui

 

Assista à primeira temporada 

1ª temporada, episódio 1: A onda de violência

Em janeiro de 2019, as facções criminosas no Ceará se uniram contra as ações rígidas dentro das penitenciárias, gerando a maior onda de violência do Estado. Como isso aconteceu?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 2: Tribunais do Crime

O funcionamento interno das facções criminosas no Ceará: como punem seus próprios integrantes?

Assista aqui

1ª temporada, episódio 3: Caminhos do Crime

A entrada em organizações como as facções é um dos caminhos trilhados pelo crime. O que influencia esse cenário? Como é possível fugir do crime?

Assista aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Polícia Civil prende suspeito de chefiar grupo criminoso com atuação em Ibaretama

Notícia
17:21 | Ago. 14, 2021
Autor Isabela Queiroz Especial para O POVO
Foto do autor
Isabela Queiroz Especial para O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE) prendeu um homem apontado como chefe de um grupo criminoso com atuação no Município de Ibaretama, no Sertão Central do Estado. A captura, nessa sexta-feira, 13, foi resultado de uma ação da PC-CE com o apoio da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).


Ruan Lesley Alves Camurça, 25, conhecido como “Gringo”, foi preso no bairro Conjunto Esperança, em Fortaleza, devido aos dois mandados de prisão que existiam contra ele, que também responde por homicídios e porte ilegal de arma de fogo.


O homem é ainda investigado por policiais civis da Delegacia Regional de Quixadá. Contra ele existem indícios de participação em homicídios ocorridos neste ano, no Sertão Central. Todos os crimes estão relacionados com a disputa com integrantes de grupos rivais.


O “Gringo” fugiu há cerca de dois meses para Fortaleza devido a intensificação das buscas por ele. No momento da abordagem, o homem não reagiu. Com ele, a Polícia Civil apreendeu um celular e uma pequena quantidade de drogas para consumo próprio. Ainda na manhã de hoje, Ruan foi transferido para a Delegacia Regional de Quixadá, onde deverá ser ouvido e ficará à disposição da Justiça.


Em julho deste ano, outros integrantes de organizações criminosas que atuavam na região do Sertão Central foram capturados em ações da PC-CE.


Denúncias


A população pode contribuir com as investigações repassando informações que auxiliem os trabalhos policiais. As denúncias podem ser feitas para o número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o (85) 3101-0181, que é o número de WhatsApp, por onde podem ser feitas denúncias via mensagem, áudio, vídeo e fotografia.


As denúncias também podem ser encaminhadas para o telefone (88) 3445-1047, da Delegacia Regional de Quixadá. O sigilo e o anonimato são garantidos.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Suspeitos de matar homem em comércio da Serrinha para roubar são presos com uso de câmera

Segurança
14:01 | Ago. 14, 2021
Autor
Tipo Notícia

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE) capturou dois jovens suspeitos de crime de latrocínio na última sexta-feira, 13, na Serrinha, Área Integrada de Segurança 5 (AIS 5) de Fortaleza. Um jovem de 20 anos e um adolescente de 17 foram capturados no Centro, menos de seis hora após o crime. A ação contou com o apoio do Núcleo de Videomonitoramento (Nuvid) e do Sistema Agilis da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Um terceiro suspeito, já identificado, continua foragido.

O crime ocorreu por volta das 10h30 da sexta-feira em um estabelecimento comercial localizado entre as ruas Efrem Gondim com Cônego Lima Sucupira. Um suspeito entrou no local e atirou na vítima, um homem de 56 anos, para tentar roubá-la. Na fuga, o suspeito entrou num veículo Fiat Uno de cor preta e saiu em disparada. A vítima foi socorrida por populares, mas teve morte confirmada em uma unidade hospitalar do bairro.


Por volta das 15h50min, o veículo foi interceptado pelos agentes em uma rua do bairro Centro (AIS 4). No carro, foram identificados dois suspeitos que teriam envolvimento direto no latrocínio. Iury Sousa de Moraes, de 20 anos, com passagem por crime de trânsito (direção perigosa), e um adolescente, de 17 anos, com atos infracionais análogos a tráfico ilícito de drogas e crime de trânsito (direção perigosa). De acordo com o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o adolescente confessou ter efetuado o disparo de arma de fogo que vitimou o homem. No vídeo divulgado pela PC-CE, é possível acompanhar a ação que capturou os suspeitos. 


De acordo com a SSPDS, os agentes seguem no intuito de capturar um terceiro envolvido, que já foi identificado e segue foragido. Segundo as investigações, além do latrocínio, o grupo é investigado por outros crimes contra o patrimônio nessa sexta-feira. O veículo utilizado na prática do crime foi apreendido. Com os suspeitos, foram encontrados seis gramas de substância compatível com cocaína distribuídos em 48 trouxinhas e uma arma de fogo, apontada como instrumento usado pelo adolescente para disparar contra a vítima. O material foi levado para o DHPP junto com Iury Sousa de Moraes, autuado por latrocínio (roubo com resultado morte). Já o adolescente foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) e autuado em ato infracional análogo ao crime de latrocínio. Eles encontram-se à disposição da Justiça.


Denúncias
As denúncias podem ser feitas para o número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o (85) 3101-0181, que é o número de WhatsApp, por onde podem ser feitas denúncias via mensagem, áudio, vídeo e fotografia. As denúncias podem ser encaminhadas ainda para o telefone (85) 3257-4807, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que também é o número do WhatsApp. O sigilo e o anonimato são garantidos

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags