PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Golpe do Minha Casa Minha Vida fez cerca de 2 mil vítimas; valor arrecadado gira em torno de R$ 2 mi

As informações sobre a atuação dos cinco integrantes foram divulgadas em uma coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira, 5, na Superintendência da Polícia Civil

19:29 | 05/08/2019
Com os suspeitos, foram encontrados documentos que comprovavam o golpe, notebooks, pendrives, um HD e R$ 8,8 mil em espécie
Com os suspeitos, foram encontrados documentos que comprovavam o golpe, notebooks, pendrives, um HD e R$ 8,8 mil em espécie(Foto: Izadora Paula/Especial para O POVO)

O grupo preso por aplicar golpes de venda de apartamentos do programa Minha Casa Minha Vida fez cerca de 2 mil vítimas, causando prejuízo total de valor em torno de R$ 2 milhões em cerca de um ano de atuação. As informações sobre a atuação dos cinco integrantes foram divulgadas em uma coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira, 5, na Superintendência da Polícia Civil.

De acordo com a investigação da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), através da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), as cinco pessoas apreendidas faziam parte da Associação Realizando Sonhos, localizada no bairro Conjunto José Walter. Tal associação teria sido criada há cerca de um ano, com o objetivo de aplicar golpes nos interessados em obter uma residência através do programa Minha Casa Minha Vida.

Inicialmente, algumas denúncias foram recebidas pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento Habitacional (Habitafor) da Prefeitura Municipal de Fortaleza, sobre a atuação deste grupo criminoso no José Walter. Conforme Arnóbio Gomes, assessor de gabinete da secretaria, diversos moradores procuraram a ouvidoria do Habitafor e da Regional V para denunciar as atividades da associação, que recebia valores em troca de reservar os apartamentos do programa.

Após receber o conteúdo dessas denúncias, os policiais civis da DDF foram até o endereço da associação, onde encontraram cinco integrantes da organização quando realizavam o atendimento a algumas vítimas. Foram capturados Ana Paula Clemente da Silva, 38 anos, presidente da associação; Sérgio Luiz Ferreira Rios Filho, 27 anos; Wellington Fábio Lima da Costa, 27 anos; Emerson Bento de Souza, 40 anos; e Maria Clemilda Vasconcelos Borges, de 34 anos.

Com eles, foram encontrados documentos que comprovavam o golpe, como fichas de cadastro, recibos, declarações de beneficiários da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, contratos de alienação fiduciária, termos de desistência, listas com nome dos associados, além de agendas com anotações, cadernos de movimento de caixa, carimbos, cartões de apresentação da associação, um HD portátil e um pendrive, 14 aparelhos celulares e oito notebooks. Também foram apreendidos R$ 8,8 mil em espécie.

Os cinco foram presos preventivamente e foram autuados por estelionato, associação criminosa, falsificação e uso de documentos públicos e particulares, além de falsidade ideológica. As investigações apontam que cerca de 2 mil pessoas foram vítimas, porém, a Polícia Civil segue com as investigações no sentido de identificá-las. A PCCE orienta que as pessoas que caíram no golpe se dirijam até a sede da DDF (localizada no Complexo de Delegacias Especializadas, no bairro Aeroporto) para registrar a ocorrência.

Sobre o golpe

Conforme O POVO publicou na sexta-feira, 2, as vítimas davam de entrada o valor de R$ 1.000 e o restante era pago em 20 parcelas de R$ 550,00. Entre as vítimas estão pessoas que compraram três apartamentos e perderam aproximadamente R$ 3 mil. Elas receberam a informação que os imóveis seriam entregues no final de agosto.