PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Confira dicas para comer baião de dois de forma balanceada; prato é fonte de carboidratos

O POVO Online inicia uma série de matérias com dicas para o consumo adequado de pratos típicos cearenses

14:35 | 05/08/2019
FORTALEZA, CE, BRASIL, 21-06-2013: Pratinhos com comidas típicas. Comes & Bebes - Praça Argentina Castelo Branco, no bairro de Fátima. (Foto: Igor de Melo/O POVO) *** Local Caption *** Publicada em 28/06/2013 - CB 11
FORTALEZA, CE, BRASIL, 21-06-2013: Pratinhos com comidas típicas. Comes & Bebes - Praça Argentina Castelo Branco, no bairro de Fátima. (Foto: Igor de Melo/O POVO) *** Local Caption *** Publicada em 28/06/2013 - CB 11(Foto: IGOR DE MELO)

Que cearense nunca comeu um baião de dois? A culinária é um forte elemento da cultura do Estado e se reinventa frequentemente, com versões mais ou menos saudáveis de pratos existentes há décadas ou, até mesmo, séculos. Para Bárbara de Cerqueira, nutricionista do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), é fundamental valorizar os costumes de alimentação locais, mas é preciso ficar atento nas quantidades e na frequência de consumo.

“A alimentação é algo muito individualizado, cada um tem seus gostos, suas preferências. É bem interessante que as pessoas possam frequentar um nutricionista para montar um cardápio mais específico, saber o que vai comer e quanto. A alimentação é um dos principais pilares de uma vida saudável, é preciso estar atento”, aconselha.

O POVO Online conversou com especialistas da área alimentar, como nutricionistas e gastrônomos, e inicia hoje uma série com dicas para consumo adequado de alguns dos principais pratos típicos da culinária cearense. O primeiro prato abordado é o baião de dois.

Com uma combinação de arroz, feijão e inúmeros temperos, como o queijo e o cheiro verde, o baião de dois é um dos pratos com mais variações na culinária cearense. De acordo com pesquisas etnográficas do projeto “Comida Ceará”, o prato tem mais de 40 formas diferentes de preparo. Existente em toda a região Nordeste, é no Ceará que a iguaria ganha maior destaque, tanto no preparo caseiro como comercial.

Roberto Araújo, historiador, gastrônomo e integrante do Observatório Cearense da Cultura Alimentar (Occa), explica que essa combinação se tornou mais comum após a popularização do cultivo do arroz no Nordeste, por meio do chamado “arroz de sequeiro”, que permite emprego de menor quantidade de água na produção. Com origem no século XX, o prato têm alto valor nutritivo e é consumido como refeição completa, em alguns casos.

Para fazer um bom baião de dois, Mattu Macedo, chef de cozinha e professora de gastronomia, dá algumas dicas. Ela aconselha que as pessoas prefiram usar feijão verde e queijo coalho na receita, ainda que esse torne o prato menos saudável. “Esse tipo de queijo é acessível a todo cearense, derrete sem se desmanchar, permitindo comer seus pedaços”, aponta.

Em relação ao uso da nata, a especialista explica que seu uso torna o prato mais cremoso. Mattu observa que o ingrediente, tradicionalmente usado no Nordeste, vem sendo substituído por creme de leite, mas alerta que o sabor não é o mesmo.

Propriedades nutricionais

O valor nutricional, entretanto, é algo que deve ser considerado no consumo do prato. Bárbara de Cerqueira, nutricionista do IFCE, sugere que as pessoas, caso não tenham nenhuma intolerância alimentar, como à lactose, consumam o prato uma vez por semana.

O baião é rico em carboidratos, com aminoácidos do arroz e feijão que se complementam. A refeição deve ainda ser acompanhada por uma salada crua, uma fonte de proteína, como o peixe ou o frango, e uma fruta cítrica para sobremesa. É recomendável evitar ingredientes como bacon e toucinho, que normalmente são cozidos junto ao feijão.