PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Oficiais da PMCE negociam reestruturação salarial

Os oficiais negociam com o Estado e já se reuniram com deputados em busca de apoio para a proposta

16:15 | 30/07/2019
Os oficiais da PMCE estão em negociação para que o salário de coronel seja similar ao dos delegados da Polícia Civil
Os oficiais da PMCE estão em negociação para que o salário de coronel seja similar ao dos delegados da Polícia Civil(Foto: Mauri Melo/O POVO)

A Associação dos Oficiais da Polícia Militar do Ceará (Assof-CE) está, desde junho de 2018, com uma campanha pela reestruturação salarial dos profissionais. O objetivo da categoria é conseguir equiparar o salário de um coronel da PMCE ao ganho de um delegado da Polícia Civil cearense.

Conforme o presidente da Assof, tenente Pedro Moura, apesar da implementação da média salarial do Nordeste para a categoria, existe uma defasagem, pois o valor calculado em 2015 foi implantado em dezembro de 2018.

A reestruturação, segundo a proposta da associação, funcionaria da seguinte maneira: o salário de um coronel da PMCE seria elevado e o "escalonamento" seria feito em níveis conforme cada posto ou graduação. Por exemplo: para soldado, iria do nível 1 ao nível 7. Dessa forma, o coronel receberia um valor equivalente ao de um delegado especial (do último nível) da Polícia Civil. Na avaliação do tenente, um delegado e um coronel no Ceará possuem atividades similares de gestão.

Durante a campanha, já houve reunião com o secretário da Segurança, André Costa, com apresentação das propostas de mudanças e da repercussão financeira, e busca de aliados na Assembleia Legislativa. A entidade já realizou reuniões com os deputados Dr. Sarto (PDT), Leonardo Pinheiro (PP), Fernando Hugo (PP), Walter Cavalcante (MDB) e Acrísio Sena (PT). E houve um encontro com o chefe da Casa Civil do Governo Estado, Élcio Batista. Conforme o presidente da Assof, todos se mostraram apoiadores de uma reestruturação salarial dos militares estaduais.

O tenente afirma que os oficiais do Ceará têm um dos piores salários do Brasil. Em uma tabela da Associação dos Profissionais da Segurança (APS), o Ceará aparece como o oitavo pior salário do Nordeste para os militares - dado referente aos praças e oficiais juntos, de soldado a coronel. Segundo o tenente Pedro, um coronel do Ceará, que está no fim da carreira, recebe o mesmo valor que um tenente em Santa Catarina (tenente é o primeiro posto entre os oficiais). Um 2º tenente em Santa Catarina recebe R$ 15.156,11, o 2º tenente no Ceará ganha R$ 6.362,24.

Na manhã desta terça-feira, 30, O POVO Online solicitou informações ao Governo do Estado sobre as negociações e aguarda nota oficial.

Jéssika Sisnando