PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Violência contra pessoas em situação de rua é registrada no Centro de Fortaleza

Segundo testemunha, um casal em situação de rua foi acordado, de forma truculenta, por guardas municipais

22:36 | 07/07/2019
Abordagem de policiais a moradores de rua na Praça Lagoinha
Abordagem de policiais a moradores de rua na Praça Lagoinha(Foto: reprodução vídeo)

O professor Nailson Antônio Neo da Silva, 37, integrante do Comitê Estadual de Políticas Públicas da População em Situação de Rua (Cepop), afirma ter presenciado abordagem que classificou como violenta de guardas municipais a duas pessoas em situação de rua, na praça Capistrano de Abreu, popularmente conhecida como Praça da Lagoinha, no Centro. Segundo conta, na tarde do último sábado, 6, um casal dormia em um banco da praça quando dois agentes da segurança da Prefeitura os acordaram de forma truculenta. O homem do casal e o professor foram detidos por desacato e acabaram conduzidos ao 34º Distrito Policial, também no Centro.

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/Aa_S_EQJ1Kw" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

Segundo conta o professor, antes de ter sido decretada a prisão, Nailson teria questionado os guardas municipais sobre a forma de abordagem com os moradores de rua. Ele afirma ter dito aos servidores que o casal poderia permanecer na praça por se tratar de um local público. Ainda segundo ele, após uma discussão, os guardas deram voz de prisão ao homem em situação de rua e solicitaram a presença de policiais militares que o conduziram à delegacia. Por ter gravado vídeo da abordagem da PM, Nailson Neo teve o telefone celular apreendido e também foi conduzido ao 34º Distrito Policial, onde foi ouvido pelo delegado plantonista como testemunha. Após o depoimento, teve o telefone devolvido.

"Quando eu vi a abordagem, peguei o celular para filmar e o guarda falou que eu estava sendo detido e conduzido à delegacia. Por eu ser um conhecedor da situação, sei que aquela abordagem não é a correta", conta.

Nesta segunda-feira, 8, o Cepop realiza em sua sede reunião com a presença de representantes do Ministério Público e Defensoria Pública Estadual, a partir das 14 horas, para discutir o caso e outras situações enfrentadas por pessoas em condição de rua.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Fortaleza informou ao O POVO, por telefone, que a abordagem teria ocorrido porque o casal praticava ato sexual na praça. Em nota enviada também pela assessoria, a Guarda Municipal esclarece que por volta das 15h50min do último sábado, a equipe que fazia ronda na Praça da Lagoinha foi orientar um casal de moradores de rua que encontrava-se debaixo de lençóis, deitado em um dos bancos da praça, a "utilizar corretamente" o espaço público, já que a conduta não se adequava ao local. "Um cidadão identificou-se como funcionário do tribunal de justiça e saiu em defesa do casal e disse que não cumprissem tal ordem, pois era ilegal, instigou a população e o casal de moradores contra a composição e, com isso, gerou uma discussão e aglomerado de pessoas", afirma a nota que prossegue contando que um dos moradores de rua proferiu insultos contra a composição que o levou ao 34º Distrito Policial e, por isso, foi autuado por desacato.

O Cepop é subordinado à Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS). Criado com o objetivo de planejar estratégias de implementação da Política Estadual para a População em Situação de Rua, o Cepop tem uma série de funções. Entre elas, acompanhar a tramitação de projetos de lei relacionados ao público; propor medidas que assegurem a articulação intersetorial das políticas públicas estaduais e apoiar a criação de comitês ou comissões semelhantes na esfera municipal para monitoramento e avaliação das ações específicas para a população em situação de rua. 

ANGÉLICA FEITOSA