Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Taxa Selic: o que é, para que serve e como afeta sua vida

A Taxa Selic é a taxa básica de juros utilizada no Brasil e seu desempenho tem um importante papel na economia brasileira; veja os principais conceitos.
11:21 | Ago. 04, 2022
Autor O Povo
Foto do autor
O Povo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) é a taxa básica de juros da economia brasileira.

Os movimentos Selic acontecem periodicamente e influenciam todas as taxas de juros utilizadas no Brasil e, consequentemente, no consumo das pessoas.

CONFIRA a projeção para a Taxa Selic até o fim de 2023

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O que é a Taxa Selic?


A taxa Selic significa "Sistema Especial de Liquidação e de Custódia" e pode ser definida como a média básica de juros da economia brasileira, isto é, o que o governo brasileiro paga por empréstimos tomados dos bancos.
Essa taxa, que é um sistema do Banco Central em que são negociados os títulos públicos federais, interfere em todas as demais taxas de juros no Brasil, principalmente de empréstimos, financiamentos e retorno de aplicações financeiras.
Além de controlar a inflação, a taxa Selic tem o papel de manter a economia brasileira estável, evitando o excesso do crescimento dos preços.
Essas taxas podem ser as que um banco cobra em um empréstimo, assim como aquelas existentes em uma aplicação financeira. A taxa Selic equivale à média registrada nas operações feitas todos os dias no sistema administrado pelo Banco Central.
Essas operações são empréstimos de curto prazo, com vencimento de apenas um dia e são feitas entre as instituições financeiras que possuem títulos públicos federais como garantia.


Como funciona a Taxa Selic?


A Taxa Selic controla o fluxo da emissão e da circulação financeira no Brasil. O governo federal custeia seu funcionamento por meio da arrecadação de impostos e da emissão de dívida. A Selic é usada para estabelecer o custo dessa dívida e de todas as outras operações de crédito do Brasil.

O Banco Central monitora os indicadores de endividamento do governo e das famílias e a movimentação dos preços dos produtos e serviços. Quando há um descontrole em qualquer desses índices, o Copom pode intervir para controlar o volume de dinheiro em circulação.



Taxa Selic Over:

A Taxa Realizada, mais conhecida como Selic Over, é a taxa de juros cobrada diariamente nas transações interbancárias que são realizadas com a garantia de títulos públicos. Ela é calculada a partir da média ponderada das operações realizadas no sistema Selic.
Além disso, por ser calculada diariamente, essa taxa possui constantes mudanças, ainda que não sejam significativas.


Taxa Selic Meta:

A Taxa Selic Meta é estipulada apenas oito vezes ao ano pelo Governo, através do Banco Central. O Comitê de Política Monetária (COPOM) regula essa taxa e realiza modificações periodicamente.

Além de ser a principal taxa de juros da economia brasileira, a Taxa Selic Meta regula todas as outras taxas. Sempre que os juros da Selic Meta sobem, o custo do dinheiro aumenta e impacta em diversos cenários econômicos.

É importante destacar que quando o Governo faz alterações na Taxa Selic, essas mudanças estão sempre relacionadas à Taxa Selic Meta.


Aumento ou diminuição da Taxa Selic?


Confira o que acontece com aumento ou com a diminuição da Taxa Selic.

Taxa Selic em aumento:


Quando o Banco Central aumenta a taxa Selic, a tendência é de queda na inflação e de desaceleração da economia, pois há um desestímulo ao consumo.


Taxa Selic em diminuição:


Quando o Banco Central reduz a taxa Selic, a tendência é de alta na inflação e aceleração da economia, pois há um estímulo ao consumo.

 

Como a Taxa Selic é calculada?

 

Taxa Selic. Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

A Taxa Selic é calculada a partir de fatores como inflação, taxa de câmbio, importações e exportações e o crescimento econômico do Brasil.

O Comitê de Política Monetária (Copom) faz o cálculo da Selic desde 1996, e todos os índices mensais e anuais são registrados no site do Banco Central.


O cálculo da Taxa Selic pode ser explicado em 4 etapas:

  1. O Governo pede dinheiro emprestado para os bancos para financiar os projetos sob garantia de títulos públicos;
  2. Bancos que recebem esses títulos podem comercializá-los como investimentos para clientes ou usá-los como garantia em empréstimos interbancários (feitos de banco para banco);
  3. As transações feitas entre os bancos e o Governo são computadas no Selic;
  4. A média ponderada dos juros usados nessas transações dá origem à taxa Selic.

Esse cálculo dá origem à Selic Over, que é a taxa de juros praticada no mercado quando os bancos emprestam dinheiro entre si e usam os títulos públicos emitidos pelo governo como garantia.
Já a Selic Meta é determinada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) a cada 45 dias (dada às necessidades das políticas econômicas) e funciona como referência para as transações bancárias. A Selic Over, então, tem como base a Selic Meta.


Como a Taxa Selic afeta sua vida?


O aumento da Taxa Selic é uma forma de reduzir a inflação, já que ela impacta no consumo e, com o aumento dos juros, as pessoas passam a comprar menos, fazendo com que os preços baixem.
Por ser a taxa básica da economia brasileira, a Taxa Selic é referência para o cálculo da maioria dos juros e, consequentemente, para a vida financeira da população brasileira.

 

Além do consumo das pessoas, quando ela sobe, a vida da população também pode ser afetada em processos econômicos como empréstimos, financiamentos e compras parceladas com juros.

Porém, por outro lado, a alta da Selic faz com que a rentabilidade de investimentos em renda fixa atrelados à taxa também subam.

Quais investimentos são afetados pela Selic? veja abaixo como eles funcionam


Com a alta da Selic, os investimentos de renda fixa, sejam títulos públicos ou privados, atrelados à taxa básica de juros, se tornam mais rentáveis e atraentes, já que possuem a segurança da rentabilidade fixa. Confira abaixo os principais e como eles funcionam:

Títulos públicos:

Os títulos públicos são ativos de renda fixa que possuem o objetivo de captar recursos para o financiamento da dívida pública e financiar atividades do Governo Federal, como educação, saúde e infraestrutura.

É um investimento em ativos garantidos pelo governo brasileiro e por isso seu risco é considerado super baixo. Ao aplicar títulos públicos disponíveis, o investidor tem a possibilidade de escolher a forma de como será remunerado e o prazo, com títulos pré ou pós-fixados de curto, médio ou longo prazo.

Caderneta de poupança:

O investimento mais comum no Brasil, as cadernetas de poupança são investimentos de baixo risco e podem ser utilizadas por pessoas físicas e jurídicas. A poupança funciona por meio de contas bancárias sob regras estabelecidas pelo Governo Federal.

A rentabilidade da conta poupança é definida por duas remunerações: a básica e a adicional. A remuneração básica é calculada com base na Taxa Referencial - indicador utilizado como base de cálculo de rendimento de alguns investimentos. Já a remuneração adicional depende da data do depósito e da meta anual da Taxa Selic.

A poupança rendia 70% da Taxa Selic. Desde dezembro do ano passado, a aplicação passou a render o equivalente à taxa referencial (TR) mais 6,17% ao ano, porque a Selic voltou a ficar acima de 8,5% ao ano. Atualmente, os juros básicos estão em 13,25% ao ano.

Renda fixa:

Como o próprio nome diz, a renda variável tem como característica a variação diária de preço e rentabilidade. Por isso ela é indicada para pessoas com perfis mais arrojados, já que os riscos são maiores — por outro lado, as possibilidades de lucro também são.

ABAIXO O EMBED DO YOUTUBE PARA INSERIR NO FIVENEWS NA OPÇÃO EMBED CODE

Diferenças entre a Taxa Selic e a CDI

Tanto a Selic, quanto a CDI, são taxas que servem de referência para a rentabilidade das aplicações financeiras e possuem uma diferença percentual pequena. Porém, apesar de estarem ligadas, elas possuem suas distinções:


Taxa Selic:

A Selic equivale à taxa média de empréstimos registrados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia, esses empréstimos são realizados entre bancos que possuem títulos públicos federais como garantia. Seu principal objetivo é administrar a política monetária do Brasil para uma maior estabilidade econômica.


Taxa CDI:

O Certificado de Depósito Interbancário, mais conhecido como Taxa CDI, são empréstimos realizados entre instituições financeiras com seus próprios recursos.
Esses empréstimos são de curto prazo, no entanto, diferente das operações que dão origem à Selic, eles são registrados no sistema da Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (Cetip).


Qual é a Taxa Selic hoje?

A Taxa Selic atualmente está em 13,25% ao ano e foi definida no dia 15 de junho de 2022 pelo Copom, que decidiu elevar em 0,5 p.p.

Taxa Selic: histórico dos últimos anos

Confira abaixo o histórico da Taxa Selic com dados obtidos pelo Banco Central:

Taxa Selic 2019, hoje:

11/12/2019
Período de Vigência: 12/12/2019 - 05/02/2020
Meta Selic: 4,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,65 %(3) e 4,40 %a.a(4)

30/10/2019
Período de Vigência: 31/10/2019 - 11/12/2019
Meta Selic: 5,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,55 %(3) e 4,90 %a.a(4)

18/09/2019
Período de Vigência: 19/09/2019 - 30/10/2019
Meta Selic: 5,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,63 %(3) e 5,40 %a.a(4)

31/07/2019
Período de Vigência: 01/08/2019 - 18/09/2019
Meta Selic: 6,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,80 %(3) e 5,90 %a.a(4)

19/06/2019
Período de Vigência: 21/06/2019 - 31/07/2019
Meta Selic: 6,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,72 %(3) e 6,40 %a.a(4)

08/05/2019
Período de Vigência: 09/05/2019 - 20/06/2019
Meta Selic: 6,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,74 %(3) e 6,40 %a.a(4)

20/03/2019
Período de Vigência: 21/03/2019 - 08/05/2019
Meta Selic: 6,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,82 %(3) e 6,40 %a.a(4)

06/02/2019
Período de Vigência: 07/02/2019 - 20/03/2019
Meta Selic: 6,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,69 %(3) e 6,40 %a.a(4)

Taxa Selic 2020, hoje:

09/12/2020
Período de Vigência: 10/12/2020 - 20/01/2021
Meta Selic: 2,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0, 21 %(3) e 1,90 %a.a(4)

28/10/2020
Período de Vigência: 29/10/2020 - 09/12/2020
Meta Selic: 2,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0, 22 %(3) e 1,90 %a.a(4)

16/09/2020
Período de Vigência: 17/09/2020 - 28/10/2020
Meta Selic: 2,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0, 22 %(3) e 1,90 %a.a(4)

05/08/2020
Período de Vigência: 06/08/2020 - 16/09/2020
Meta Selic: 2,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0, 22 %(3) e 1,90 %a.a(4)

17/06/2020
Período de Vigência: 18/06/2020 - 05/08/2020
Meta Selic: 2,25 (% a.a.)
Taxa Selic: 0, 30 %(3) e 2,15 %a.a(4)

06/05/2020
Período de Vigência: 07/05/2020 - 17/06/2020
Meta Selic: 3,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,32 %(3) e 2,90 %a.a(4)

18/03/2020
Período de Vigência: 19/03/2020 - 06/05/2020
Meta Selic: 3,75 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,46 %(3) e 3,65 %a.a(4)
05/02/2020
Período de Vigência: 06/02/2020 - 18/03/2020
Meta Selic: 4,25 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,45 %(3) e 4,15 %a.a(4)

Taxa Selic 2021, hoje:

08/12/2021:
Período de Vigência: 09/12/2021 - 02/02/2022
Meta Selic: 9,25 (% a.a.)
Taxa Selic: 1,40 %(3) e 9,15 %a.a(4)

27/10/2021:
Período de Vigência: 28/10/2021 - 08/12/2021
Meta Selic: 7,75 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,82 %(3) e 7,65 %a.a(4)

22/09/2021:
Período de Vigência: 23/09/2021 - 27/10/2021
Meta Selic: 6,25 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,57 %(3) e 6,15 %a.a(4)

04/08/2021:
Período de Vigência: 05/08/2021 - 22/09/2021
Meta Selic: 5,25 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,68 %(3) e 5,15 %a.a(4)

16/06/2021:
Período de Vigência: 17/06/2021 - 04/08/20211
Meta Selic: 4,25 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,57 %(3) e 4,15 %a.a(4)

05/05/2021:
Período de Vigência: 06/05/2021 - 16/06/2021
Meta Selic: 3,50 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,39 %(3) e 3,40 %a.a(4)

17/03/2021:
Período de Vigência: 18/03/2021 - 05/05/2021
Meta Selic: 2,75 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,34 %(3) e 2,65 %a.a(4)

20/01/2021:
Período de Vigência: 21/01/2021 - 17/03/2021
Meta Selic: 2,00 (% a.a.)
Taxa Selic: 0,28 %(3) e 1,90 %a.a(4)

Taxa Selic hoje, 2022:

15/06/2022:
Período de Vigência: 17/06/2022 - atual momento
Meta Selic: 13,25 (% a.a.)
Taxa Selic: em aberto

04/05/2022:
Período de Vigência: 05/05/2022 - 16/06/2022
Meta Selic: 12,75 (% a.a.)
Taxa Selic: 1,43 %(3) e 12,65 %a.a(4)

16/03/2022:
Período de Vigência: 17/03/2022 - 04/05/2022
Meta Selic: 11,75 (% a.a.)
Taxa Selic: 1,45 %(3) e 11,65 %a.a(4)

02/02/2022:
Período de Vigência: 03/02/2022 - 16/03/2022
Meta Selic: 10,75 (% a.a.)
Taxa Selic: 1,13 %(3) e 10,65 %a.a(4)


Como acompanhar a Taxa Selic:

A Taxa Selic pode ser acompanhada pelo site do Banco Central. No endereço pode ser conferido a meta atual para a Selic, o viés (se é de alta, de baixa ou sem viés), a Selic efetiva do último dia útil, além de todo o histórico de metas desde 1996 acompanhado do período de vigência de cada.

Entenda por que as projeções de inflação do Banco Central e do mercado estão mais descoladas

Conclusão

Como foi visto, como consequência de ser a taxa básica de juros no Brasil, a Taxa Selic desempenha um importante papel na economia brasileira e no consumo da população.

Dependendo de seu desempenho, registrado pelo Banco Central, os efeitos positivos ou negativos impactam na inflação, na rentabilidade de investimentos financeiros e nos gastos das pessoas de uma forma geral.

Além disso, o desempenho da Selic pode ainda aumentar os juros de dívidas como o cartão de crédito, cheque especial, crediário, empréstimos, entre outros financiamentos a média e longo prazo.

De modo geral, o poder de compra da população é reduzido ainda mais e dívidas com várias prestações, cuja taxa de juros não é fixa, podem causar uma hiperinflação no valor final do débito.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar