Participamos do

Semana Santa: peixes têm variação de até 217% na Capital

Procon realizou pesquisa em diferentes bairros de Fortaleza
14:43 | Abr. 13, 2022
Autor Carol Kossling
Foto do autor
Carol Kossling Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou hoje (13/04) a pesquisa com preços de 59 produtos típicos para a Semana Santa. Entre os itens analisados, de 28 de março a 11 de abril, estão peixes, vinhos e pães de coco. A diferença de preços entre os peixes foi de até 217%.

O peixe mais barato é o quilo congelado do palombeta (pilombeta) que pode ser encontrado de R$ 8,49, no bairro Dias Macedo. O mais caro é o quilo do bacalhau, encontrado na Aldeota por R$ 149,99. O bacalhau tipo "saithe" pode baixar para R$ 49,99, na Cidade dos Funcionários, apresentando uma diferença de 200% entre diferentes tipos da iguaria. Já o quilograma do filé de pescada amarelo congelado varia de R$ 23,62 a R$ 74,99.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A orientação do Procon é que é preciso pesquisar e avaliar entre peixes frescos e congelados, qual a opção que atende a necessidade do consumidor. A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, alerta que os estabelecimentos não podem aumentar os preços somente por conta da alta procura de produtos para a Semana Santa. "O Código de Defesa do Consumidor proíbe a elevação de preços, sem justa causa, caracterizando, assim, uma prática abusiva", explicou.

Um dos itens mais procurados, na Semana Santa, é o pão de coco. A diferença do quilo do produto entre o estabelecimento mais barato e o mais caro chega a 102%, variando os preços entre R$ 11,47, no Dias Macedo, e a R$ 23,22, no Jacarecanga.


Entre os vinhos, é possível comprar quase três garrafas, de 750ml, no estabelecimento mais barato, em comparação com o preço de uma garrafa no local mais caro. É o caso do vinho espumante, de fabricação nacional, que pode sair por R$ 21,50, no bairro Parreão, enquanto que o mesmo produto custa R$ 76,99, na Maraponga, conferindo uma diferença de 258%.

O Procon selecionou algumas dicas para que o consumidor fique atento na hora da compra. Para os peixes frescos, o cuidado deve ser a conservação, pois devem estar bem armazenados e em gelo. Verifique sua aparência observando se os olhos estão brilhantes e as escamas bem presas ao corpo. Observe se a pele do peixe é clara e uniforme. Não devem existir manchas avermelhadas ou pontos escuros, indicando bolor, nem a presença de algum pó branco ou cinza na pele, indicando que o bacalhau foi mal conservado ou processado.

Procure conhecer a procedência do bacalhau e cuidado para não comprar peixe salgado no lugar de bacalhau. Uma boa dica é verificar se, na embalagem, há informações se o produto é tipo bacalhau e qual a espécie do peixe. Se houver divergência de preços entre o valor anunciado com o registrado no caixa, o consumidor deve pagar sempre o menor valor.

Fique atento, ainda, às informações detalhadas sobre data de validade do produto, peso e composição. A embalagem deve estar em boas condições de armazenamento, verificando se não há amassados ou furos que podem contaminar o produto.

PODCAST VOO 168 BASTIDORES

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar
1