Participamos do

Porto Seco entre Iguatu e Quixadá é solução para "gargalo logístico" no Ceará, avalia Sudene

Para entidade, obra irá desafogar o congestionamento logístico registrado no polo industrial de Maracanaú e impulsionar o hub logístico no Estado
15:03 | Set. 21, 2021
Autor Alan Magno
Foto do autor
Alan Magno Estagiário de jornalismo
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Com intuito de interligar o Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante, com o começo da ferrovia Transnordestina no Ceará, a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) estuda a construção de um porto seco na Região Centro-Sul do Ceará.

O polo de cargas é um dos projetos de infraestrutura que está sendo viabilizado pela Sudene como forma de impulsionar a consolidação do hub logístico de cargas no Estado, com objetivo de impulsionar o setor em toda a região Nordeste.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A estrutura ainda não tem previsão de lançamento, mas conforme o diretor de planejamento da entidade, Raimundo Gomes de Matos, o projeto encontra-se em fase de “estudos técnicos”. O representante da entidade pontuou ainda que o porto seco será construído entre os municípios cearenses de Iguatu e Quixadá.

Durante apresentação em evento realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham Brasil) nesta terça-feira, 21, Raimundo destacou que o levantamento inicial para implementação da obra está sendo feito pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

“Precisamos ver os tipos de cargas que poderiam fazer com que a iniciativa privada manifeste interesse positivo em alocar investimentos. O estudo nos dará isso, qual tipo de carga é necessária, qual tipo de regulamentação alfandegária é preciso para então implementar o projeto”, pontua Raimundo.

O intuito da obra de infraestrutura é atuar como um terminal modal de suporte capaz de ligar o fluxo de cargas entre os estados do Nordeste, com destino regional e ainda as cargas para exportação, com saída pelo Porto do Pecém. A obra, após concluída, também servirá como central de despacho das importações recebidas pelo Pecém com destino a todo o Brasil.

Além do suporte logístico no fluxo de cargas, a área do Porto Seco também pode funcionar como um modal alfandegário, com condições especiais de fiscalização com intuito de acelerar o processo de liberação de produtos para o comércio.

Em um investimento complementar, Raimundo pontua prospecções da Sudene de impulsionar a malha área de aeroportos regionais como forma de interligar a região Centro-Sul do Estado aos demais polos de desenvolvimento econômico.

“Precisamos também de um suporte aéreo, para gestão complementar de cargas e que seja capaz de interligar o Porto Seco rapidamente com centros comerciais de gestão no Estado”, complementa.

Hub aéreo que passa por Russas

 

O município até então cotado como provável futura sede de um afluente do hub aéreo é a cidade de Russas. “Nós já temos uma pista no município e de lá podemos criar essas pontes áreas fundamentais para dinamizar nossa economia”, destaca.

Em um futuro de médio e longo prazo, o representante da Sudene afirma que a infraestrutura poderia se consolidar como “referência no transporte de cargas por via área”. Tal potencial integra o estudo geral de consolidação do Porto Seco.

Outro intuito das obras é desafogar o congestionamento logístico registrado no polo industrial de Maracanaú, definido pelo representante da Sudene como um “gargalo ao desenvolvimento”. Ele estima que por meio do Porto Seco, parte das empresas que atualmente concentram todas as atividades em Maracanaú terão interesse em abrir unidades na região de Iguatu.

“É fundamental para o impulsionamento do hub logístico no Estado, do potencial de exportação do Nordeste e aumentará a concorrência também, já que outras empresas podem vir a se instalar na região”, finaliza.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente