Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Ceará vence disputa e Transnordestina irá primeiro até o Pecém

Ministro da Infraestrutura anunciou decisão de concluir obra do ramal cearense da Transnordestina primeiro. Isso causou reações de Pernambuco para tentar reverter. Mas, no Ceará, a diretoria do Complexo do Pecém (Cipp) já trata a decisão como bem próxima de um desfecho
16:04 | Ago. 12, 2021
Autor Samuel Pimentel
Foto do autor
Samuel Pimentel Jornalista no OPOVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

(Atualizado às 19 horas)

A conclusão do ramal da Transnordestina no Ceará, que tem como ponto final o Porto do Pecém, terá obras concluídas primeiro do que o ramal pernambucano que vai até o porto de Suape. Com isso, e de posse de informações internas, a diretora executiva de Relações Institucionais do Complexo do Pecém, Rebeca Oliveira, disse ao O POVO que o Estado foi escolhido para iniciar as operações. Faltaria apenas o anúncio oficial do Governo Federal.

ENTENDA NA REDE NORDESTE | Após anúncio de que Pernambuco não terá Transnordestina, ministro afirma que governo pretende fazer nova licitação

No fim de julho já veio uma declaração do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, de que o ramal cearense seria concluído primeiro. A decisão gerou mal estar político. Apesar disso, a declaração de Tarcísio não foi desmentida e não há sinal de recuo até o momento.

VEJA AINDA | OP+ "Não tem mais obras paralisadas no Ceará", diz ministro em solenidade no Ceará

O anúncio do ministro fez com que iniciasse um movimento político da bancada de parlamentares pernambucanos, que foram entregar ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) um documento citando as vantagens técnicas e econômicas do ramal que deveria chegar até Suape.

De acordo com apuração do JC Online, a intenção era pressionar o Governo Federal a rever a posição e priorizar a conclusão do ramal pernambucano.

O próprio governador de Pernambuco deve se reunir com o ministro, na segunda-feira, 16, para tentar reverter a decisão. Mas, no Ceará, a diretoria do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) já trata a decisão como bem próxima de um desfecho, aguardando apenas a confirmação oficial.

"O Ceará foi escolhido para que a Transnordestina chegue primeiro. Isso é um motivo de orgulho porque eles viram na gente o potencial técnico, de infraestrutura, para chegar na frente, e o Ceará tem um hub logístico", afirmou ao O POVO, a diretora executiva, Rebeca Oliveira.

Em nota enviada ao O POVO, a Secretaria de Infraestrutura do Ceará (Seinfra), que participa das desapropriações da faixa de domínio para implantação da ferrovia Transnordestina no Estado, é otimista ao destacar a prioridade que recebe o Ceará no Ministério da Infraestrutura.

"Atualmente, não existe nenhum problema de ordem ambiental para o andamento da obra em território cearense. A priorização, pelo Ministério da Infraestrutura, do Ramal Salgueiro, em Pernambuco, ao Porto do Pecém, será de grande importância para o Ceará e vai ao encontro dos investimentos já realizados no Complexo Industrial e Portuário do Pecém, com o objetivo de otimizar e qualificar a logística de transporte no Estado e na Região", afirma.

Vale esclarecer que a Transnordestina é uma ferrovia de 1.742 km, que parte de Eliseu Martins-PI, e segue até a cidade de Salgueiro-PE. Lá, a ferrovia se divide em dois ramais: um com destino ao Porto do Pecém, no Ceará, e outro com destino ao porto de Suape, em Pernambuco.

Um dos principais argumentos da bancada pernambucana é de que o ramal de Suape está com 41% de execução, enquanto o ramal do Pecém com apenas 15%.

LEIA TAMBÉM | Transnordestina tem prejuízo de R$ 149,8 milhões em dois anos

As obras da ferrovia foram iniciados em 2006, com orçamento de R$ 4,5 bilhões. Mas, em 2019, após várias paralisações, o projeto foi recalculado e passaria a custar R$ 12,6 bilhões. Já foram gastos mais de R$ 6 bilhões no empreendimento. (Com informações do JC Online/ Via Rede Nordeste)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Você conhece a relação do Ceará com o país da Olimpíada de Tóquio?

Relação comercial
11:07 | Jul. 23, 2021
Autor Beatriz Cavalcante
Foto do autor
Beatriz Cavalcante Autor
Ver perfil do autor
Tipo

A cerca de 16,5 mil quilômetros distante do Ceará, o Japão, onde está sendo realizada a Olimpíada de Tóquio, não tem uma relação comercial expressiva com o Estado conforme os números da balança comercial entre os locais. Mas há procura por investir em solo cearense, e há negociação do Governo do Estado com a japonesa Toyota, por exemplo, para se firmar aqui com centro de distribuição de peças de carros. 

LEIA TAMBÉM | Porto do Pecém faz homenagem a atletas cearenses na Olimpíada de Tóquio 

Dados do Comex Stat, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, mostram que nas exportações, do período de janeiro a junho de 2021, o valor chegou a US$ 3,39 milhões, uma diferença maior em US$ 451 mil ante igual período do ano passado, alta de 15,3%.

A participação japonesa na exportação cearense é de apenas 0,32%, bem distante do que se vê no principal parceiro comercial do Ceará, que são os Estados Unidos. De janeiro a junho deste ano, vendemos aos estadunidenses US$ 676 milhões, sendo US$ 311 milhões ou 85,3% a mais ante igual período de 2020. O país, ao contrário do Japão, tem expressivos 63,1% de participação nas exportações.

JÁ VIU ESSA? | Conheça os cearenses que prometem brigar por medalha na Olimpíada de Tóquio-2020 

Dos produtos que mais comercializamos para os japoneses nestes seis primeiros meses do ano, destacam-se cocos, castanha do Brasil e castanha de caju, frescos ou secos, mesmo sem casca ou pelados (US$ 100.440); peixes vivos (US$ 34.240); crustáceos, mesmo sem casca, vivos, frescos, refrigerados, congelados, secos, salgados ou em salmoura, além de crustáceos com casca, cozidos em água ou vapor, mesmo refrigerados, congelados, secos, salgados ou em salmoura, e também farinhas, pó e pellets de crustáceos (US$ 1.286).

Nas importações, a relação comercial com o Ceará é também pequena. De janeiro a junho deste ano, foram importados US$ 5,11 milhões, o que representa queda de US$ 3,11 milhões ou 37,9% ante igual período de 2020. A participação japonesa nos produtos comprados do Exterior pelos cearenses é de apenas 0,33%.

Como importamos mais do que exportamos, o resultado da balança comercial do Estado com o Japão é de negativos US$ 1,72 milhão neste primeiro semestre do ano. Dentre os produtos mais importados, os dados do Ministério não apresentam destaques.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Porto do Pecém faz homenagem a atletas cearenses na Olimpíada de Tóquio

Veja foto
10:01 | Jul. 23, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo

O Complexo do Pecém resolveu publicar homenagem nesta sexta-feira, 23, aos atletas brasileiros nos Jogos Olímpicos de Tóquio, principalmente os que representarão o Ceará no evento.  

JÁ VIU ESSA? | Conheça os cearenses que prometem brigar por medalha na Olimpíada de Tóquio-2021 

"É nossa garra, nossa força exportada no lado do planeta. E embora estejamos a mais de 16 mil quilômetros do Japão, nossa torcida estará com cada homem e mulher da seleção brasileira. Vai com tudo Brasil! #GoPecem #GoBrazil", dizia a publicação.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

ZPE Ceará cresceu 17,3% em movimentação de cargas no primeiro semestre

Comércio exterior
11:15 | Jul. 22, 2021
Autor Beatriz Cavalcante
Foto do autor
Beatriz Cavalcante Autor
Ver perfil do autor
Tipo

A Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE-CE), a primeira a entrar em operação no Brasil, encerrou o primeiro semestre deste ano com um crescimento de 17,3% na sua movimentação de cargas. O balanço foi divulgado nesta quinta-feira, 22, pelo Complexo do Pecém.

LEIA TAMBÉM | Novo marco legal favorece atração de empresas setor 2 da ZPE do Ceará 

Segundo os dados, foram mais de 6,3 milhões de toneladas (t) que passaram pelos gates da free trade zone (portões de comércio livre) cearenses, aproximadamente 930 mil t a mais ante igual período do ano passado.

“Sabemos que os desafios oriundos da pandemia ainda não acabaram e que, por isso, precisamos manter todos os esforços para superá-los diariamente. O resultado do primeiro semestre, fruto de toda a eficiência e celeridade de nossas operações, é mais um indicativo de que estamos no caminho certo para retomar o nosso ritmo”, afirma a diretora de operações da ZPE Ceará, Andréa Freitas, em comunicado.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags