PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Restituição do imposto de renda: veja como consultar 2º lote, que vai liberar R$ 5,7 bilhões

Este é o segundo lote do Imposto de Renda no ano O primeiro foi o maior da história e devolveu R$ 6 bilhões aos cidadãos

09:53 | 22/06/2021
Receita Federal libera consulta ao segundo lote (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Receita Federal libera consulta ao segundo lote (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Receita Federal deve liberar a consulta ao segundo lote de restituição do Imposto de Renda 2021 nesta quarta-feira, 23. Os pagamentos serão feitos no dia 30 de junho e devem liberar R$ 5,7 bilhões aos contribuintes. 

VEJA TAMBÉM | Consulta do auxílio emergencial 2021 pelo CPF; saiba como fazer
+ Consulta do FGTS: saiba como fazer e veja calendário de saques

É possível fazer a consulta acessando a página online da Receita Federal, e também pelo aplicativo de celular da Receita, utilizado para fazer a declaração de Imposto de Renda. É importante que o contribuinte consulte uma das duas alternativas para saber se sua declaração foi processada. Caso não tenha ocorrido, deve ser feita uma retificação da declaração.

Enquanto acompanha o andamento da declaração, o cidadão também deve se atentar às informações prestadas. Algum erro ou inconsistência nos dados pode fazer com que a declaração caia na chamada malha fina do Leão. Se acontecer, o contribuinte somente receberá a restituição depois que corrigir o problema, em um dos chamados lotes residuais.

LEIA MAIS | Para isentar faixa de IR, equipe econômica proporá taxar em 20% lucro e dividendo

Feita a declaração anual do tributo, o Imposto de Renda é descontado no contracheque dos assalariados. Depois disso, a receita devolve o que o contribuinte pegou a mais. O maior lote de restituição paga foi o primeiro deste ano. Em todo o País, este lote devolveu R$ 6 bilhões aos contribuintes.

As restituições serão pagas em cinco lotes e a expectativa é de que o último seja liberado em setembro. Neste segundo lote, os grupos que têm prioridades para receber a restituição são os seguintes: idosos acima de 80 anos; contribuintes entre 60 e 79 anos; aqueles que apresentem alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e, por último, cidadãos cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Para acompanhar o andamento da declaração, acesse o Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da Receita Federal e informe seu CPF, código de acesso e senha. (Com informações do Jornal do Comércio, para a Rede Nordeste)

Confira calendário da restituição do Imposto de Renda de 2021

1º lote: 31 de maio de 2021
2º lote: 30 de junho de 2021
3º lote: 30 de julho de 2021
4º lote: 31 de agosto de 2021
5º lote: 30 de setembro de 2021

Quem tem direito a receber a restituição do Imposto de Renda ?

A consulta pode ser feita na página da Receita Federal na internet. Basta o contribuinte clicar no campo “Meu Imposto de Renda” e, em seguida, “Consultar Restituição”. A consulta também pode ser feita no aplicativo Meu Imposto de Renda, disponível para os smartphones dos sistemas Android e iOS.

A consulta ao site permite a verificação de eventuais pendências que impeçam o pagamento da restituição – como inclusão na malha fina. Caso uma ou mais inconsistências sejam encontradas na declaração, basta enviar uma declaração retificadora e esperar os próximos lotes.

O que fazer se não receber o valor da restituição do Imposto de Renda ? 

Se, por algum motivo, o crédito não for realizado, como no caso de conta informada desativada, os valores ficarão disponíveis para resgate por até um ano no Banco do Brasil. Nesse caso, o cidadão pode reagendar o crédito dos valores de forma simples e rápida pelo Portal BB, ou ligando para a Central de Relacionamento BB por meio dos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos).

Malha fina

Especialistas alertam sobre os riscos da malha fina, que atua como um verificador da veracidade das informações declaradas à Receita pelos contribuintes, tendo como base de validação o cruzamento de informações de terceiros que estejam relacionados ao contribuinte em algum grau de relacionamento, seja social ou financeiro. No ano passado, conforme dados da Receita Federal, mais de um milhão de brasileiros precisaram prestar esclarecimentos sobre suas respectivas declarações de IR.

LEIA MAIS | Tire suas dúvidas sobre imposto de renda

Destacam-se como exemplo aqueles contribuintes que não informam rendimentos como bolsas de estudos, heranças e doações recebidas, o consultor econômico e contabilista Marcos Sá, afirma que informar todos os rendimentos é a melhor forma de evitar cair na malha fina.

Os erros mais comuns identificados pelo economista Aldizio Oliveira são a ausência da declaração de recebimento de aluguel de imóveis, despesas com obras sem nota fiscal, aplicações financeiras como previdência privada e a dedução de gastos com educação.

Neste ano, porém, os contribuintes deveriam ficar atentos ainda sobre a necessidade de declarar à Receita o recebimento do auxílio emergencial pelo próprio contribuinte ou seus dependentes. Aqueles que receberam o benefício e acumularam renda superior a R$ 22.847,76 em 2020 deverão auxílio emergencial.

LEIA MAIS | Receita libera consulta a restituição do Imposto de Renda e prevê pagamento de R$ 6 bilhões; veja se você tem direito

As principais consequências, segundo Marcos, estão o atraso ou o não recebimento de eventuais valores restituíveis, além de possíveis multas. Aldizio Oliveira explica que além de ter o CPF cancelado, aqueles que forem pegos na malha fina e não esclarecerem as inconsistências encontradas pela Receita poderão ser multados em até 20% do imposto devido.

Um bom registro financeiro ao longo do ano garante uma maior tranquilidade na declaração do Imposto de Renda do ano seguinte, conforme detalham os especialistas. “É fundamental que cada contribuinte tenha controle financeiro e visão de suas movimentações anuais. Isso garante que no momento de preencher sua declaração, não falte nenhuma informação e assim não venha a cair na malha fina”, pontua Marcos.

Receita cria assistente virtual para orientar preenchimento de IRPF