Participamos do

Cabo submarino que interliga Fortaleza a Portugal entra hoje em operação

O cabo, construído pela EllaLink, que vai conectar a capital cearense à Sines, em Portugal, possibilitará tráfego de dados a 72 Terabits por segundo (Tbps)
08:37 | Jun. 01, 2021
Autor Irna Cavalcante
Foto do autor
Irna Cavalcante Repórter no OPOVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Com investimento de quase R$ 1 bilhão, o cabo submarino que interliga Fortaleza à Sines, em Portugal, entra em operação nesta terça-feira, dia 1º. O cabo, construído pela Ellalink, tem 6 mil quilômetros de extensão, e capacidade de proporcionar tráfego de dados a 72 Terabits por segundo (Tbps) e latência de 60 milissegundos. A cerimônia, que contará com a presença do ministro das comunicações brasileiro, Marcos Pontes, será realizada às 10 horas, em Sines.

Leia Mais| Ceará prepara ataque vigoroso em busca de investimentos

A empresa EllaLink, responsável pelo novo cabo, investiu cerca de 150 milhões de euros na construção submarina. A Comissão Europeia contribuiu com 25 milhões de euros e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) outros 8,9 milhões de euros.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O projeto, conta com o apoio da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e passará ainda pela Guiana Francesa, Ilha da Madeira, Ilhas Canárias e Cabo Verde. No Brasil, além da rota pela água, haverá conexões por terra que devem ligar o cabo a estados como São Paulo e Rio de Janeiro.

A instalação do cabo em Fortaleza foi concluída em dezembro do ano passado. De acordo com a EllaLink, ao criar a reta direta mais curta entre a Europa e a América Latina, e evitando a passagem por outros países, o sistema reduz essa latência em 50% em comparação com a infraestrutura atual.

Na prática, isto pode beneficiar não apenas todas as plataformas de telecomunicações, mas também os serviços na Cloud, acesso a conteúdos, todos os tipos de negócios digitais e ainda a indústria de gaming.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags