PUBLICIDADE
Economia
Noticia

Setor de serviços do Ceará apresenta queda recorde em abril

Recuo do Estado foi de 21,8% em comparação com março, o que representou retração mais intensa da série histórica

Victor Hugo Pinheiro
14:17 | 17/06/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 08.06.2020: Ceará retomou parte das atividades econômicas no início de junho, seguindo o plano de retomada do Governo Estadual (Foto: JÚLIO CAESAR)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 08.06.2020: Ceará retomou parte das atividades econômicas no início de junho, seguindo o plano de retomada do Governo Estadual (Foto: JÚLIO CAESAR)

Em levantamento divulgado nesta quarta-feira, 17, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o volume de serviços no Ceará caiu 21,8% em abril, em comparação com o mês de março. O resultado indicou o pior alcançado pelo Estado desde o início da série histórica (janeiro de 2011). Os números obtidos são justificados pelas medidas de isolamento social em combate ao novo coronavírus.

Em comparação com abril de 2019, o volume de serviços recuou 26,3% no mesmo período deste ano, o que ainda representou a taxa negativa pelo terceiro mês consecutivo. No acumulado do ano, o recuo observado foi de 7,1% frente a igual período do ano anterior.

+ IBGE: Ceará apresenta queda de 20,2% nas vendas do comércio varejista em abril

+ Comércio do Ceará registra 2ª maior perda entre os estados na pandemia

Em relação aos dados nacionais, o volume de serviços caiu 11,7% em relação a março, que representou o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica. Além disso, a retração deste período foi observada em todas as cinco atividades investigadas: transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-17,8%), serviços prestados às famílias (-44,1%), transporte aéreo (-73,8%) e terrestre (-20,6%) e serviços de alojamento e alimentação (-46,5%).

Entre as 27 unidades de federação consultadas pelo IBGE, 26 apresentaram queda nos serviços em abril deste ano. Se destaca o desempenho negativo de São Paulo (-11,6%), Rio de Janeiro (-12,7%), Rio Grande do Sul (-15,2%), Bahia (-21,0%) e Paraná (-11,1%). Em contrapartida o Mato Grosso foi o único a registrar saldo positivo, com 9%.