PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Varejo cearense deverá ter retração de 65,3% em vendas para o Dia dos Namorados

Em relação aos dados nacionais, CNC projeta que o Brasil tenha retração de 43,1%, configurando o menor faturamento da data em 11 anos

Victor Hugo Pinheiro
07:51 | 10/06/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 08-06-2020: North Shopping Fortaleza na Avenida Bezerra de Meneses. Shopping de Fortaleza abrem com menor capacidade e com muitos cuidados na primeira etapa de reabertura do comercio. Em epoca de COVID 19. (Foto: Aurelio Alves/O POVO) (Foto: Aurelio Alves/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 08-06-2020: North Shopping Fortaleza na Avenida Bezerra de Meneses. Shopping de Fortaleza abrem com menor capacidade e com muitos cuidados na primeira etapa de reabertura do comercio. Em epoca de COVID 19. (Foto: Aurelio Alves/O POVO) (Foto: Aurelio Alves/O POVO)

Celebrado no próximo domingo, 12, o Dia dos Namorados deste ano será marcado pela retração nas vendas do varejo brasileiro. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que o Ceará tenha queda de 65,3% no volume de vendas, registrando a maior queda no Norte e Nordeste. Em relação aos dados nacionais, projeta-se que o Brasil tenha retração de 43,1%, configurando o menor faturamento da data em 11 anos.

A CNC estima que a data movimente R$ 937,8 milhões, enquanto no ano passado, movimentou R$ 1,65 bilhão. Em números absolutos, as quedas no volume de vendas podem chegar a mais de R$ 700 milhões.

O economista da CNC, Fabio Bentes, responsável pelo estudo, aponta que pelo fato do Dia dos Namorados ocorrer no início da flexibilização das medidas restritivas, em diversos estados e municípios do País, a queda deve ser amenizada. 

"A menor adesão ao distanciamento no início de junho deve arrefecer um pouco as perdas do comércio. Segundo dados da consultoria Inloco, o índice de isolamento social no Brasil, na semana que antecede o Dia dos Namorados, encontra-se no menor patamar desde o início da quarentena", conclui Fabio Bentes.

Ainda de acordo com o levantamento da CNC, as maiores retrações nas vendas deverão ser observadas nos segmentos do varejo considerados não essenciais. Lojas de vestuário, calçados e acessórios devem ter queda de 71,3%, seguidas pelos estabelecimentos especializados nas vendas de itens de informática e comunicação, que devem apresentar retração de 58,3%.