PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Preço da cesta básica em Fortaleza diminui 6,96% no mês de agosto, aponta Dieese

O custo do conjunto de alimentos essenciais foi de R$ 402,84. Porém, continua sendo a mais cara da região Nordeste

David Moura
23:12 | 06/09/2019
O preço do tomate, por exemplo, foi encontrado de R$ 1,45 a R$ 5,99, segundo o Procon
O preço do tomate, por exemplo, foi encontrado de R$ 1,45 a R$ 5,99, segundo o Procon(Foto: Evilázio Bezerra/O POVO)

Fortaleza apresentou em agosto uma redução de 6,96% no gasto da cesta básica, custando R$ 402,84. De acordo com a pesquisa divulgada ontem, 5, pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), mesmo com o recuo, o valor do conjunto de alimentos essenciais na capital cearense continua sendo a mais cara da região Nordeste.

Fortaleza é a única capital no Nordeste que o valor ultrapassa R$ 400, seguido por João Pessoa (R$ 367,86), Recife (R$ 361,64), Natal (R$ 354,44), Salvador (R$ 350,75) e Aracaju (R$ 337,96), no qual registraram os custos mais baratos da pesquisa. Na comparação anual, a cesta básica na capital cearense em agosto de 2018 era de R$ 367,14.

Os alimentos que tiveram as menores reduções nos preços médios foram o tomate (-31,78%), carne (-2,86%), açúcar (-1,76%), café (-1,69%), feijão (-1,18%) e o arroz (-0,86%). Já a farinha (+ 3,05%), manteiga (+ 1,67%), banana (+ 1,45%), óleo (+ 1,07%) e leite (+ 0,25%) registraram aumento no valor. 

Em agosto de 2019, para o trabalhador poder adquirir os produtos da cesta básica, teve o seu tempo médio de trabalho em 88 horas e 48 minutos. Já a porcentagem do salário mínimo líquido em relação ao custo do conjunto de alimentos foi de 43,87% da sua remuneração. A variação no ano no preço da alimentação foi de 1,38% e em doze meses chegou a 8,03%.

No ranking nacional, a capital de São Paulo teve a cesta mais cara (R$ 481,44), seguida de Porto Alegre (R$ 469,17), Florianópolis (R$ 464,24) e Rio de Janeiro (R$ 462,24).