PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Copom corta Selic de 6,50% para 6,00% ao ano

18:42 | 31/07/2019
O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic (a taxa básica de juros da economia) de 6,50% para 6,00% ao ano. Este é o primeiro corte da taxa após 16 meses e interrompe sequência de dez reuniões consecutivas de manutenção dos juros. Com isso, a Selic está agora em um novo piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.
Em função da fraqueza da economia, dos índices de inflação controlados e do andamento da reforma da Previdência na Câmara, a decisão de hoje de redução da taxa era largamente esperada pelos economistas do mercado financeiro.
De um total de 55 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, 51 esperavam por um corte, sendo que 26 aguardavam por redução de 0,25 ponto porcentual e 25 instituições projetavam corte de 0,50 ponto porcentual. Outras quatro instituições projetavam estabilidade para a Selic.
Ao justificar a decisão, o BC avaliou que a evolução do cenário básico e, em especial, do balanço de riscos prescreve ajuste no grau de estímulo monetário. Ao mesmo tempo, o BC afirmou que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo, indicando um novo corte na próxima reunião, em setembro.
Ainda assim, o Copom enfatizou que a comunicação dessa avaliação não restringe sua próxima decisão. "Os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação", reiterou o colegiado.
Projeções
No documento, o BC também atualizou suas projeções para a inflação. No cenário de mercado - que utiliza expectativas para câmbio e juros do mercado financeiro, compiladas no relatório Focus -, o BC manteve sua projeção para o IPCA em 2019 em 3,6%. No caso de 2020, a expectativa permaneceu em 3,9%.
No cenário de referência, em que o BC utilizou nos cálculos uma Selic fixa a 6,50% e um dólar a R$ 3,75, a projeção para o IPCA em 2019 também seguiu em 3,6%. No caso de 2020, o índice projetado foi de 3,7% para 3,6%. As projeções anteriores constaram no Relatório Trimestral de Inflação divulgado em junho.
O centro da meta de inflação perseguida pelo BC este ano é de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%). Para 2020, a meta é de 4,00%, com margem de 1,5 ponto (de 2,5% a 5,5%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (2,25% a 5,25%). Já a meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (2,00 a 5,00%).

Agência Estado

TAGS