PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Pereira calcula ao menos 10 votos de partidos da oposição pró-reforma no plenário

19:06 | 04/07/2019
O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcos Pereira (PRB-SP), disse nesta quinta-feira, 4, em evento da XP Investimentos, que calcula ao menos 10 votos de partidos da oposição favoráveis à reforma no plenário da Câmara. Entre eles, citou a deputada Tabata Amaral (PDT/SP).
Ele ponderou, no entanto, que os partidos do chamado Centrão não terão 100% dos votos pró reforma. Para ele, os votos favoráveis entre essas legendas giram hoje em torno de 85%. E citou o seu partido, o PRB, que teria 29 dos 31 votos favoráveis.
Pereira disse achar improvável que Estados e municípios sejam incluídos na reforma em plenário, por mais que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, esteja empenhado em relação à isso. Ele destacou que a inclusão tornaria a reforma ainda mais difícil de ser aprovada, uma vez que vários deputados não querem arcar com o ônus político de aprovar o tópico. Por isso, pontuou, esse item só entrará se governadores, principalmente do Nordeste, tomarem o protagonismo e deixarem claro que pediram às suas bancadas para votarem à favor.
Pereira destacou ainda que, se o Senado incluir Estados e municípios, a Câmara irá derrubar o tópico quando o texto voltar à Casa.
O vice-presidente disse ainda que há acordo para varar as madrugadas na próxima semana para que a reforma seja aprovada em plenário antes do recesso parlamentar, marcado para 17 de julho.
Capitalização
O vice-presidente da Câmara disse ainda que a Casa quer tocar a própria agenda econômica no segundo semestre. Segundo ele, a capitalização está nessa lista e os deputados querem apresentar o próprio texto. O mesmo ocorre com a reforma tributária, cujo texto já foi apresentado pelo parlamentar Baleia Rossi (MDB-SP).
Ele ponderou que a Câmara está disposta a conversar com o governo em toda essa agenda, mas criticou a atuação do presidente Jair Bolsonaro. "Não dá para fazer acordo no gabinete do presidente (da Casa, Rodrigo Maia) e falar outra coisa na live à noite", disse.

Agência Estado