Pipoca de micro-ondas causa Alzheimer? Entenda relação

Pesquisa da USP relacionou o diacetil, um famoso composto químico encontrado em pipoca de micro-ondas, com o Alzheimer; matéria atualizada às 17h30min do dia 08/04

Já conhecido como causador da 'Doença Pulmonar da Pipoca', o composto diacetil foi novamente associado a problemas de saúde em pesquisa divulgada nessa segunda-feira, 4, pelo Instituto de Química de São Carlos (IQSC), da Universidade de São Paulo (USP).

O resultado da pesquisa realizada pela USP indica que o consumo em excesso de pipoca de micro-ondas está relacionado com o desenvolvimento do Mal de Alzheimer. O experimento foi realizado em ratos, que consumiram durante 90 dias seguidos o diacetil. “O resultado da pesquisa reforça a tese de que o consumo regular e em altas concentrações da substância pode gerar danos cerebrais”, segundo trecho de nota à imprensa.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Os cientistas observaram a tendência do diacetil causar danos ao cérebro. Na pesquisa, de 48 proteínas cerebrais avaliadas após a exposição dos animais ao produto, 46 sofreram desregulação ou modificação em sua estrutura de algum modo causado pelo aumento da concentração do composto.

“Durante as análises, nós identificamos o aumento da concentração de proteínas beta-amiloides, que normalmente são encontradas em pacientes com Alzheimer. Além disso, outras alterações proteicas verificadas no cérebro dos ratos também podem estar relacionadas ao surgimento de demência e câncer”, esclarece Lucas Ximenes, doutorando do IQSC e autor da pesquisa.

O que é o diacetil e em que outros alimentos a substância pode ser encontrada?

Diacetil é um conservante e flavorizante químico que agrega sabor amanteigado, doce ou de caramelo aos alimentos industrializados. Ele é encontrado facilmente em pipocas de micro-ondas, margarinas, cervejas, temperos de macarrão instantâneo, salgadinhos, bolachas, biscoitos, alimentos congelados, entre outros.

Estudo anterior encomendado pelo jornal norte-americano Seattle Post-Intelligencer já alertava que trabalhadores da alimentação poderiam estar vulneráveis a maiores riscos de saúde devido à exposição prolongada ao diacetil, presente nas margarinas e óleos de cozinha comerciais vendidos nos Estados Unidos. Ainda que a doença pulmonar “da pipoca” (bronquiolite obliterante) seja predominantemente associada a inalação desse composto químico, o consumo de alimentos com grandes concentrações do diacetil - como a pipoca de micro-ondas - também é representa um risco à saúde pulmonar.

A empresa Yoki, marca líder no segmento de pipoca de micro-ondas no Brasil, entrou em contato com O POVO nesta sexta, 8, e informou em nota que "que não utiliza diacetil na composição de suas pipocas micro-ondas. A Yoki investe em estudos e pesquisas, fabricando e promovendo alimentos seguros para que seus consumidores possam usufruir ao máximo de seus produtos, sem preocupações".

Pipoca de micro-ondas consumida em excesso fez homem desenvolver doença no pulmão

Um exemplo desse caso é o americano Wayne Watson, que afirmou ter consumido dois pacotes de pipoca sabor manteiga por dia durante 10 anos. Ele processou a empresa fabricante da pipoca Gilster-Mary Lee Corp. após desenvolver doenças pulmonares acarretadas pelo consumo do produto. O processo foi vencido contra a empresa, que teve de indenizar o americano em 7 milhões de dólares. O caso aconteceu em 2012. As informações são ANAMT, Universia.net, BBC Brasil, G1 e USP.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

alzheimer pipoca  diacetil pesquisa da usp pipoca de microondas pipoca com manteiga

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar