Participamos do

Anticoncepcional masculino: entenda como funciona o 'banho nos testículos'

A alemã Rebecca Weiss criou o método contraceptivo masculino após ter sido acometida por um câncer cervical devido ao uso frequente de pílula anticoncepcional. A invenção que dá um 'banho nos testículos' é chamada Coso
23:46 | Out. 19, 2021
Autor Kauanna Castelo
Foto do autor
Kauanna Castelo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A pílula anticoncepcional revolucionou hábitos sexuais ao ser inserida na sociedade, na década de 60. Atualmente, elas são usadas por 214 milhões de mulheres no mundo, rendendo ao mercado farmacêutico US$ 18 bilhões anuais. Mesmo após seis décadas desde o lançamento da pílula via oral, na lista dos 20 métodos contraceptivos da Organização Mundial da Saúde (OMS) só há dois deles para os homens: a camisinha e a vasectomia. Com base nisso, que "esse problema" não pode ser somente das mulheres, a alemã Rebecca Weiss criou o método anticoncepcional masculino, chamado Coso.

O contraceptivo mais antigo da história é a camisinha, sendo utilizada desde o ano 2.000 a.C para controlar a natalidade por meio de uma barreira física, evitando o contato entre os espermatozoides e óvulo. Posteriormente, no século 18, introduziu-se o último método no campo masculino, a vasectomia, que interrompe o suprimento de espermatozoides ao sêmen mediante a um procedimento cirúrgico. Foi só então, no século 20, após o avanço da pílula anticoncepcional feminina, junto com inúmeros relatos de problemas causados pelo remédio, que surgiu o questionamento sobre a criação de um medicamento equivalente ao público masculino. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Anticoncepcional masculino 

Rebecca Weiss criou um aparelho baseado em ultrassom que promete revolucionar os métodos contraceptivos masculinos do século XXI. A invenção que dá um 'banho nos testículos' e neutraliza os espermatozoides recebeu o prêmio principal do James Dyson Awards, que tem como objetivo "celebrar, encorajar e inspirar designers a terem ideias que solucionem problemas".

De acordo com o site UPI, Weiss é graduanda na Universidade de Munique, e criou o Coso após ter sido acometida por um câncer cervical que os médicos suspeitam que tenha sido causado pelo uso frequente de pílulas anticoncepcionais.

"Quando meu companheiro e eu procuramos métodos alternativos, percebemos a falta de métodos para os homens. Esse problema não é só meu. Ele afeta muitas outras mulheres e torna evidente que se discuta publicamente alternativas", disse Rebecca Weiss, em seu projeto apresentado ao Dyson Awards.

O artefato gerou uma premiação de US$ 45 mil, o equivalente a cerca de R$ 250 mil. Tal reconhecimento é de suma importância para buscar verbas para passar para fase de testes e tentar viabilizar a comercialização do aparelho. 

Anticoncepcional masculino: como funciona o Coso

Por meio de um aparelho que usa ultrassom, o movimento dos espermatozoides é temporariamente paralisado. O método é indolor e tem duração de poucos minutos com a sensação de um 'banho' morno. Os possíveis efeitos colaterais adversos ainda não foram divulgados.

O 'banho nos testículos' deverá ser usado no intervalo de alguns meses, ainda não especificado na reportagem da UPI. Essa frequência é necessária para manter a interrupção na movimentação dos espermatozoides e, por consequência, evitar que eles possam fertilizar óvulos após a relação sexual. 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags