PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Moradores do município de Tururu denunciam descarte incorreto de produtos hospitalares

O POVO recebeu vídeo que mostra produtos hospitalares como luvas e seringas espalhados próximo a um posto de saúde da cidade

14:39 | 26/11/2019

Um vídeo mostrando o descarte incorreto de lixo hospitalar em um posto de saúde da cidade de Tururu, distante de Fortaleza cerca de 116 quilômetros, circulou pelas redes sociais no último domingo, 24. Nele, um morador da região aparece narrando o cenário. "Olha aqui o lixo: luva, algodão, gaze, seringa. Todo dia é desse jeito, o lixo do posto de saúde é colocado no chão", descreve. O posto onde o vídeo foi gravado está localizado no bairro Estação, na rua Francisco Moacir Chaves.

"É perigoso o pessoal se furar", continua o morador. O vídeo também foi compartilhado em um grupo da cidade, onde outros habitantes mostraram indignação. "Cadê o carro da coleta de lixo hospitalar?", pergunta um. "Isto é vergonha para Tururu", completa outro.

Confira o vídeo abaixo: 

Um dos denunciantes, vereador na cidade, José Moreira (PP), conta que "no município sempre foi assim". "Hoje à tarde, estou protocolando um requerimento junto à Marquise Ambiental para saber se o município está fazendo seu procedimento (de limpeza)", diz. O documento, segundo José, será protocolado junto à Secretaria Municipal da Saúde de Tururu. A Marquise Ambiental é uma empresa que presta serviços de limpeza urbana para a cidade.

O órgão, em entrevista ao O POVO, não nega o caso, mas diz não saber a origem dos produtos descartados e afirmou já ter feito a coleta do lixo. "Com relação à publicação em redes sociais, do fato citado, esclarecemos que uma pequena quantidade do material jogado em plena via pública, na unidade de saúde do bairro Estação, é proveniente de má fé, onde já tomamos as providências cabíveis", diz nota da Secretaria da Saúde do Município.

Roberta Alves, atual secretária da saúde, assumiu a gestão há um mês e, em entrevista, disse que o órgão está sendo "vítima de perseguição". Segundo Roberta, há um serviço específico para fazer o descarte correto de materiais ambulatoriais e que ele é mensal. "Eles vão mensalmente, fazem a coleta de lixo. Agora a gente está tentando ver o melhor. A gente está definindo uma nova forma de coleta semanal", explica. A secretária disse que só teve acesso ao vídeo na última segunda-feira. 

O POVO teve acesso a um Boletim de Ocorrência (BO), feito por Roberta Alves, onde há o pedido, junto à Polícia Civil, para que uma inquérito policial seja aberto "para apurar os fatos e punir os envolvidos" no caso do descarte dos produtos hospitalares. 

Em nota enviada ao O POVO na quarta-feira, 27, a prefeitura do município informou que identificou os responsáveis pelo descarte. "A administração agirá prontamente na esfera judicial, inclusive quanto às responsabilizações cíveis, administrativas e criminais", completa. 

Esta matéria foi atualizada  às 8h50min do dia 28 de novembro de 2019