PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Universitário é morto ao se recusar a entregar mochila durante assalto

Jovem de 25 anos estava a caminho da faculdade quando foi abordado

14:10 | 13/02/2020
Walace Lucas tinha 25 anos e cursava Biomedicina
Walace Lucas tinha 25 anos e cursava Biomedicina (Foto: Reprodução/Instagram)

O estudante universitário Walace Lucas Mesquista, 25, foi assassinado após se recusar a entregar a mochila a um assaltante, em Quixadá. De acordo com o Centro de Operações Policiais Militares (Copom) do município, o crime aconteceu na rua Estudante Antônio Brito, bairro Rodoviária, na tarde de quarta-feira, 12.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado após Walace ser atingido por disparo de arma de fogo. No entanto, o estudante acabou morrendo no local do crime após ser atingido debaixo do olho direito.

Testemunhas contaram à Polícia que o responsável pelo crime estava em uma moto fan de cor vermelha. As equipes policiais fizeram buscas na região, mas até às 11 horas desta quinta-feira, 13, ninguém havia sido preso.

Natural do Rio de Janeiro, Walace Lucas era estudante de Biomedicina no Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica). A instituição divulgou nota de pesar pela morte do jovem, que também era funcionário da Unicatólica.

"Nossos sinceros sentimentos aos familiares e as nossas orações. Confortem-nos as palavras da fé, que nos asseguram a certeza da vida eterna junto de Deus e a esperança da ressurreição", diz a nota de pesar. Nas redes sociais, pessoas que conheciam o jovem lamentaram o crime.

Denuncie

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que a Delegacia Regional de Quixadá da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) investiga a morte do jovem. As diligências continuam para descobrir as circunstâncias e autoria do crime.

Moradores que tenham informações sobre o crime e que possam auxiliar os trabalhos policiais podem denunciar pelo Disque-Denúncia da SSPDS (181) ou ligar para o número (88) 3445-1047, da Delegacia Regional de Quixadá. A Polícia Civil garante o anonimato da fonte.