Participamos do

Turista morre afogado no Buraco Azul em Caiçara, ponto turístico próximo de Jericoacoara

A vítima foi levada em um helicóptero particular, mas não resistiu. Equipe de saúde que foi ao local prestar socorro, mas foi hostilizada por populares. Empresa dona do helicóptero alega que funcionários foram obrigados por populares a fazer o resgate
19:55 | Mar. 21, 2022
Autor Jéssika Sisnando
Foto do autor
Jéssika Sisnando Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Um turista morreu vítima de afogamento no Buraco Azul Caiçara, um ponto turístico do município de Cruz, a 243,1 de Fortaleza, na tarde desta segunda-feira, 21. A vítima foi encaminhada em um helicóptero particular até um posto de saúde na localidade do Preá e, posteriormente, para a Unidade de pronto Atendimento (UPA) de Jericoacoara, mas não resistiu.

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas depois foi informado de que a vítima havia sido socorrida, e não foi necessária a presença da guarnição no local. De acordo com o restaurante Buraco Azul Caiçara, a vítima foi identificada como Uilgner Rodrigues. Ele seria de São Paulo.

Segundo uma fonte ouvida pelo O POVO, uma equipe da área de saúde da Prefeitura estava de plantão, por volta das 14 horas, quando houve o acionamento para um afogamento no Buraco Azul. No entanto, a ambulância não estava no local, e a equipe saiu em um carro que transporta funcionários.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

No Buraco Azul, a equipe foi informada de que a vítima havia sido levada em um helicóptero particular para um posto de saúde na localidade do Preá. A equipe de saúde então foi até a localidade e verificou que haviam retirado a vítima da aeronave para o posto de saúde.

O helicóptero que levou a vítima é da empresa de táxi aéreo (transporte público) Jeri Voos Panorâmicos, que informou que os funcionários teriam sido obrigados a realizar o transporte da vítima por causa da reação dos populares (leia abaixo a nota).

O turista foi atendida pelo médico de plantão na unidade de saúde; conforme O POVO apurou, foram realizados 30 ciclos de ressuscitação cardiopulmonar (RCP). A vítima estava desacordada e sem sinais vitais. 

Conforme o relato da fonte ouvida pelo O POVO, houve acionamento então para levar o turista para Jericoacoara. Como o lugar que a vítima estava era um posto de saúde, não havieria suporte para realização de cuidados avançados.

O homem foi então transportado do posto no helicóptero para a Unidade de pronto Atendimento (UPA) de Jeri, mas não resistiu. 

Reação dos populares

No local do afogamento, foi registrada muita confusão e até tentativa de agressão contra a equipe de saúde, que foi hostilizada. Turistas e pessoas relataram que "não houve socorro no local, não havia salva-vidas". Ainda reclamaram da demora no resgate e falta de estrutura.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS-CE) informou que equipes do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) da Polícia Militar do Ceará (PMCE), da Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE), do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE) e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) foram acionadas para a ocorrência de óbito por afogamento.

"A vítima foi socorrida por terceiros e encaminhada para uma unidade de saúde, mas não resistiu", reforçou a SSPDS.

O caso é acompanhado pela Delegacia Municipal de Cruz, unidade da PC-CE responsável pela região.

Equipe de voo panorâmico foi obrigada a realizar transporte de vítima de afogamento de forma ilegal e sem condições de decolagem, diz empresa

A empresa de táxi aéreo (transporte público) Jeri Voos Panorâmicos afirmou, por meio de uma nota, que realizou de forma ilegal e irregular o transporte do turista vítima de afogamento, nesta segunda-feira, 21, mediante ameaças e agressões. Conforme a nota, a empresa não tem autorização e nem homologação da Anac para transporte aeromédico (de transporte de pessoas feridas, enfermas de acidente, afogamento).

A frota não possui maca, oxigênio, monitores e que só tem condições de transportar pessoas sentadas. Além disso, a empresa informou que os pilotos equipes solo não possuem certificação ou treinamentos para remoções e que vítimas não podem ser tocadas. "Uma vez que a vítima seja transportada de maneira inadequada pode vir a agravar a situação do paciente podendo levar o mesmo a óbito", frisou.

Conforme a nota, existem órgãos para situações, como Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu), Corpo de Bombeiros e Polícia, que de acordo com a empresa possuem equipamentos e equipes treinadas.

Sobre o transporte da, a empresa afirmou que repudia a atitude das pessoas que estavam presentes no Buraco Azul, pois "obrigaram a equipe de voo panorâmico a embarcar uma pessoa desfalecida no helicóptero e alegaram omissão de socorro à vítima".

Conforme a empresa, todos foram colocados em risco, pois no momento estava chovendo no destino Préa/Jeri, e isso impossibilitava a decolagem da aeronave.

Buraco Azul afirma que prestou socorro à vítima de afogamento

Por meio de nota, o restaurante Buraco Azul Caiçara lamentou a morte de Uilgner Rodrigues, turista que frequentava o estabelecimento. O caso, conforme a empresa, ocorreu por volta das 13h15min.

"A equipe de Segurança aquática do restaurante realizou de forma imediata todo socorro e atendimento à vítima de afogamento, mas infelizmente Uilgner Rodrigues veio a óbito", informou. Na nota, a Buraco Azul afirma que a empresa que vende passeios de helicóptero dentro do Buraco Azul não pertence e não tem vínculo com a atual administração do restaurante.

"A mesma usa somente o terreno como heliponto e venda de passeios", divulgou. A nota afirma que não aconteceram outras mortes no estabelecimentos e que vai fechar o estabelecimento nos próximos dias. "A data de abertura deve ser divulgada em breve."

A empresa Buraco Azul Caiçara ainda disse ainda que, "neste momento de dor, está prestando todo apoio e solidariedade à família e principalmente à companheira Bianca Carvalho que o acompanhava".

Segundo acidente em ponto turístico

No sábado, 19, um turista caiu após o cabo da tirolesa quebrar, na lagoa de Tatajuba, em Camocim. Em janeiro deste ano, o equipamento já havia sido interditado depois que um guia turístico também se acidentou após o rompimento de um cabo.

Atualizada às 20h59min

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags