PUBLICIDADE
Notícias

Moradores fecham trecho da BR-222 e reivindicam segurança nas estradas

Posto de fiscalização da PRF-CE, anteriormente localizado em Croatá, foi realocado para o município de Umirim. Pessoas da localidade relatam que a segurança diminuiu depois que o posto foi desativado

18:50 | 09/11/2015
NULL
NULL

Um grupo de moradores do município de Croatá fechou um trecho da BR-222, na altura do km 65. A ação ocorreu para reivindicar contra a realocação de um posto de fiscalização da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para o município de Umirim. Cerca de 20 pessoas bloquearam a via com pneus queimados e galhos. Uma equipe da PRF esteve no local para orientar o tráfego.  

Segundo moradores, a PRF desativou o posto de uma "rodovia extremamente movimentada para realocar em um lugar onde não tem tanta necessidade". Eles reclamam da falta de segurança no local de movimentação intensa após a desativação do posto. A unidade de Croatá parou de funcionar na última quarta-feira, 4, e a fiscalização passou a operar no novo endereço na quinta-feira, 5.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, por meio da assessoria, a mudança ocorreu porque houve aumento de rodovias para patrulha. "A adminstração entendeu por bem fazer a realocação de recursos humanos para o posto de Umirim, que tem uma estrutura melhor que o (posto) de Croatá e é mais centralizado para cobrir todas as áreas".

Estrutura 

A 16ª Superintendência Regional da Polícia Rodoviária Federal afirma que "a reclamação social é compreenssível", mas que é preciso pensar na otimização de recursos humanos e material que a PRF dispõe. "A distância do posto de Umirim para o de Croatá é só de 20 quilômetros, e fica em uma interseção entre as BRs 222, 402 e 403".

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado do Ceará (SINDPRF-CE), Lourismar Duarte, o posto "é como se fosse um farol de segurança para a comunidade local". Segundo ele, as reuniões para discutir a mudança começaram em meados de outubro, mas a pauta falava em reforma. "Nossa posição, se houvesse mudança, era de que seria preciso conversar com a população e prefeitura dos municípios afetados", afirma. 

[FOTO2] 

O posicionamento do SINDPRF-CE em relação a mudança é diferente do que afirma a PRF. "A rodovia 402 não tem movimentação intensa como a BR-222, que inclusive é a porta de entrada do Ceará para o Porto do Pecém. Se fosse para realocar, o ideal seria Irauçuba". Outra discordância é acerca da estrutura dos postos. Para o presidente do Sindicato, o posto de Umirim não tem as condições necessárias para o trabalho da PRF. "Falta um esforço administrativo maior", sugeriu.

Falta de segurança 

Moradores da região relatam que pessoas da comunidade "temem pela falta de segurança". "Sei que houve assalto perto do posto depois que foi desativado, todo mundo fala", diz um morador que pediu para não ser identificado.

Para a diretora de uma escola nas proximidades do posto, "já era perigoso com a polícia por perto. É muito pior sem eles". Monalisa Herculano Soares afirma que, no mês de outubro, antes da saída da PRF, um grupo de vândalos arrombou as portas da Escola José Pereira Barros. "Eles quebraram lâmpadas, derrubaram livros e secaram os extintores. Só não roubaram nada".

Outro morador do município de Croatá relatou que viu, na tarde deste domingo, 9, o que "parecia um desmonte" no posto desativado. Segundo ele, dois homens chegaram em um caminhão de frete e retiraram uma parte do telhado. "Eles colocaram a telha no lugar de volta quando perguntamos o motivo do desmonte", afirmou. 

Providências 

SINDPRF-CE afirmou que vai contratar técnicos de Segurança do Trabalho para fazer um laudo técnico do posto de Umirim. "Estamos agendando audiência com Ministério Público Federal e Ministério Público do Trabalho e iremos conclamar uma assembleia para discutir o problema", declarou o presidente do Sindicato. 

Rubens Rodrigues, especial para O POVO Online. 

TAGS