PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Policiais militares são presos por suspeita de associação criminosa em Caucaia

Cinco foram presos e dois deverão se apresentar de forma voluntária à delegacia. Eles são suspeitos de associação criminosa

09:59 | 04/05/2021
Fachada da CGD, no Centro de Fortaleza (Foto: Fabio Lima)
Fachada da CGD, no Centro de Fortaleza (Foto: Fabio Lima)

Cinco agentes da Força Tática da Polícia Militar (PM) da cidade de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), foram presos na manhã desta terça-feira, 4, suspeitos de associação criminosa. Outros dois PMs, também alvos da ação, devem comparecer à delegacia espontaneamente, acompanhados de seus advogados, de acordo com nota da PM do Ceará. 

Os presos são alvos de uma operação do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), que resultou nos sete mandados de prisão expedidos pela Justiça Militar Estadual. Foram realizadas ainda buscas nos armários dos policiais militares, no 12º Batalhão da Polícia Militar, na Cidade.

Por meio de nota, o MPCE confirma que a operação conjunta entre a Coordenadoria de Polícia Judiciária Militar (CPJM) e o MPCE, por meio da Promotoria de Justiça Militar, expediu sete mandados de prisão e afirma ainda que caso está em sigilo.

Também por meio de nota, a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública (CGD), por meio da Delegacia de Assuntos Internos (DAI), informa que autuou em flagrante um policial militar por posse ilegal de arma de fogo, acessório ou munição de uso permitido (art. 12 da Lei n. 10.826/2003) e posse ilegal de arma de fogo de uso restrito (art.16 da Lei n. 10.826/2003), na manhã desta terça-feira, 4. O servidor foi um dos alvos de Operação deflagrada pelo Ministério Público Estadual (MP) e pela Polícia Militar para cumprimento de mandados judiciais.

Além disso, a Controladoria determinou a instauração de procedimentos disciplinares em desfavor dos policiais envolvidos nos fatos apurados pelo MP e Polícia Militar. A CGD solicitou, ainda, o compartilhamento de todo o material produzido pelo Ministério Público e Coordenadoria de Polícia Judiciária Militar (CPJM), para apuração na seara administrativa.