Participamos do

Escolas particulares devem procurar governo para volta do ensino médio e superior

Vice-presidente do Sinepe-CE espera diálogo com o governador Camilo Santana nesta semana para retorno das aulas em 17 de maio
15:09 | Mai. 10, 2021
Autor Ítalo Cosme
Foto do autor
Ítalo Cosme Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Sindicato de Educação da Livre Iniciativa do Ceará (Sinepe-CE) deve procurar o Governo do Estado, nesta semana, para mais uma rodada de negociação com objetivo de conseguir autorização para retomada presencial das turmas de ensino médio e superior a partir da próxima segunda-feira, 17. A expectativa das instituições privadas era de reabertura nesta segunda-feira, 10, após sinalização do governador Camilo Santana (PT).

"Há necessidade de olhar do Comitê para retomada das atividades presenciais do ensino médio. Há um dano irreversível acontecendo na saúde e no desenvolvimento educacional desses adolescentes, que estão há um ano e dois meses sem qualquer atividade presencial. Um abismo educacional acontecerá nos próximos anos. Gostaria realmente que, no próximo decreto, o Comitê analisasse, pois precisamos ter essa retomada", solicita Andréa Nogueira, vice-presidente do Sinepe-CE.

No Ceará, as aulas presenciais estão permitidas até o 9º ano do ensino fundamental e práticas dos cursos na área da saúde, cada um dentro de capacidade máxima estabelecida em decreto. Na última semana, em entrevista à Rádio O POVO CBN e CBN Cariri, o governador Camilo Santana (PT) afirmou que o Comitê avaliaria na sexta-feira passada as aulas presenciais para o ensino médio. Porém, houve a manutenção do decreto estadual, e as restrições permaneceram as mesmas.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Mais cedo, Andréa também cedeu entrevista aos jornalistas Jocélio Leal e Rachel Gomes, na Rádio O POVO/CBN. "Cabe uma reflexão do que estamos esperando e formando para nossa sociedade. Para uma sociedade mais igualitária, pacífica e com mais oportunidade? Acredito eu que não. As desigualdades têm aumentado e também menos oportunidades surgirão no mercado, na educação. Nosso estado é reconhecido, nacional e internacionalmente, pelo potencial dos nossos alunos. Será que continuar sem atividades presenciais permanecerão no nosso País? Eu luto que sim", refletiu a educadora.

Questionada se o posicionamento dos profissionais da educação do setor público pode ter influenciado na decisão do Comitê Científico, Andrea citou que o assunto é delicado, mas criticou o que chamou de "grupos corporativistas" de professores que não querem voltar, mas ressaltou o "direito legítimo" de quem condiciona a volta à vacinação dos profissionais.

A vice-presidente do Sinepe-CE reforçou que também espera a prioridade dos professores e profissionais da educação na vacinação contra a Covid-19. "Mas eu acredito que a gente precisa voltar às atividades. Todos devem voltar. A livre iniciativa mostrou que é possível retornar, sim".

Segundo a representante sindical, mais de 180 escolas fecharam em todo o Estado desde o início da pandemia da Covid-19. O número, destaca Andréa, pode ser ainda maior, tendo em vista que há instituições que não possuem vínculo com o Sinepe-CE. A professora lembrou que ainda não foram repassadas linhas de crédito para ajudar as escolas particulares no Ceará. A bandeira chegou a ser ventilada pelo Sindicato como ajuda ao setor.

LINHA DO TEMPO


19 de março/20

Primeiro decreto suspende aulas presenciais no Ceará por dez dias.

1º abril /20

Governo suspende aulas presenciais por mais 30 dias. Escolas particulares recomendam férias coletivas e antecipadas. Rede pública aposta em ferramentas digitais e meios de comunicação pública para alcançar estudantes.

Maio/20

Apenas 50% dos municípios ofertam atividades online. 40% dos alunos têm dificuldade de acesso. Particulares vivem impasse sobre desconto nas mensalidades e caso vai ao Superior Tribunal Federal (STF).

Julho/20

Instituições privadas realizam aula pública em frente à Faculdade de Direito da UFC pelo retorno da educação; hashtag #direitodeescolha acabou sendo adotada desde então nas manifestações. Vice-presidente do Conselho Estadual de Educação pede bom senso em relação ao retorno das aulas presenciais.

Agosto/20

Camilo Santana anuncia possibilidade de retorno para setembro e adianta que caberá aos responsáveis a escolha de enviar ou não o filho à escola.

Setembro/20

Em 1º de setembro, 30% das escolas particulares retomam aulas presenciais com limite de capacidade. Com a proximidade das eleições, prefeitos anunciam reabertura das escolas municipais apenas em 2021.


Outubro/20

Camilo amplia reabertura educacional e autoriza retorno gradual com 35% da capacidade das turmas de EJA, do 1º, 2º e 9 ano do ensino fundamental. Com 50% dos estudantes, o 3º ano do ensino médio também foi permitido. Medidas válidas para 44 cidades da Macrorregião da Saúde de Fortaleza. Conselho Nacional de Educação (CNE) aprova resolução para ensino remoto até o fim de 2021.

Novembro/20

Aulas presenciais para alunos do 3° ao 8° ano do ensino fundamental em escolas particulares retomam em 3 de novembro na Macrorregião de Saúde de Fortaleza.


Fevereiro/ 21

Com o recrudescimento da pandemia da Covid-19 no Estado, Governo suspende aulas presenciais, implanta toque de recolher durante a semana e lockdown aos fins de semana. Escolas encontram brecha no decreto e funcionam com crianças de até 3 anos, aulas práticas no ensino superior nas áreas da saúde também foram permitidas.

Abril/21

A retomada educacional começa neste mês. Camilo autoriza retomada das classes presenciais para turmas até o 9º ano do ensino fundamental, com 40% da capacidade.

17 de Maio/2021

As aulas presenciais no Ceará permanecem restritas até o 9º ano e às práticas para cursos da saúde no ensino superior.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags